terça-feira, 12 de outubro de 2010

Educação de adolescentes

Escrito por Álvaro Ribeiro








O professor sabe que a educação de adultos e de adolescentes não pode em tudo ser levada a efeito pelos processos utilizados para educação de crianças. Ele há-de, porém, exercer a sua actividade didáctica nas condições que lhe são oferecidas, e nem sempre pode, por muito boa vontade de que seja dotado, vencer todas as dificuldades que lhe apresenta esta nova modalidade de ensino. Urge, portanto, que ao professor seja prestado cada vez melhor auxílio, especialmente na forma de bons elementos e instrumentos de trabalho didáctico.

Não pode ser uniforme o ensino primário para crianças, adolescentes e adultos. O ensino uniforme seria talvez menos dispendioso para os serviços públicos do que o ensino poliforme; não seria, afinal, menos económico. De aqui se infere que seria perder tempo o ensinar a leitura mediante livros redigidos para crianças a homens que se exprimem já com vocabulário muito variado e que manifestam curiosidades muitos superiores às da puerícia na ordem da cultura. A gradação do léxico, da sintaxe, das formas estilísticas e, consequentemente, dos modos de expressão do raciocínio é um delicado problema que se apresenta a quem elabore livros escolares que verdadeiramente auxiliem e facilitem a nobre missão do professor. Como é sabido, em toda a didáctica há três momentos: o jogo, a arte e o trabalho. Para a criança o principal é o jogo, para o adolescente o principal é a arte, para o adulto o principal é o trabalho. Importa que não confunda os termos desta gradação o escritor especializado em literatura didáctica.

Se considerarmos as diferenças que existem entre a adolescência e a adulta idade, muito mais nos convenceremos de que seria um erro ministrar o mesmo tipo de ensino a adolescentes e adultos. A adolescência tem os seus problemas que inevitavelmente condicionam o aprendizato das ciências e das artes. A adolescência é uma idade de crise, de amargura e até de sofrimento, para o homem que ainda não está perfeitamente enquadrado numa profissão e que ainda não constituiu família. Não pode o adolescente ver o mundo com a já tranquila sabedoria do mancebo que prestou provas de serviço militar, entrou numa carreira profissional e encontra no lar a felicidade da vida conjugal. O adolescente e o adulto não são dotados do mesmo tipo de curiosidade, nem da mesma inteligência, nem da mesma imaginação. O professor sabe que para assegurar o êxito do seu ensino tem de falar de maneira diversa a um e a outro; convém que o professor não encontre grande dificuldade em adaptar aos vários tipos de alunos os livros que lhe forem aconselhados pelos serviços públicos.

Entende-se muito bem que os livros de leitura para as crianças sejam principalmente livros de ciências da Natureza, porque a inteligência dos fenómenos naturais e a imaginação das maravilhas, dos prodígios e dos milagres é indispensável a quem se encontra de há poucos anos num mundo que lhe parece estranho. Ao adolescente, porém, o problema que inquieta é o da sua própria existência, o do seu próprio ser. Se não lhe for ministrado um ensino humanista, - o ensino das ciências do Homem, - da inquietação resultará uma crise ética e religiosa. A antropologia é a ciência a partir da qual se desenvolve a série dos assuntos mais interessantes para a educação artística dos adolescentes e científica dos adultos.




Dizemos antropologia, e não psicologia, para nos conformarmos com uma correcta nomenclatura filosófica. A psicologia estuda os espíritos puros e as relações que eles exercem entre si, visto que as ciências psíquicas se completam pelas ciências metafísicas, se não pelo espiritismo. A antropologia é o estudo concreto do composto humano, ciência que enuncia o problema que mais interessa ao adolescente: determinar a razão de existência do corpo do homem. A verdadeira actividade desportiva responde, praticamente, a esse problema, sem esgotar a solução que só poderá ser dada perante a morte.

A intuição feminina é, neste ponto como em outros, muito mais precoce do que a inteligência masculina. Antes da adolescêcia, já a rapariga se exercita para a maternidade quando em seus brinquedos se aplica a lavar, a vestir e a alimentar a boneca. Se uma pedagogia errada não a distraísse do pressentimento do seu destino, atraindo-a para estudos violentos, a mulher nunca desistiria de corresponder à sua vocação natural e sobrenatural de educadora de infância.

Vemos, assim, o papel que o ensino da anatomia, da fisiologia, da ginástica e da higiene desempenha num sistema de educação que pretenda satisfazer a curiosidade dos adolescentes. Tais assuntos devem aparecer nos livros didácticos para estimularem e facilitarem a leitura de opúsculos de divulgação, mas convém não deixar de advertir o educando de que o corpo humano possui uma dignidade ética e religiosa que cada qual respeita em si e nos outros, para garantia da liberdade e da vida moral.

A partir da antropologia, repetimos, se desenvolve a série dos assuntos mais importantes para a educação de adolescentes e adultos. O mancebo que conhece o valor dos seu corpo, que não majora nem minora esse valor, toma assim consciência de que não é só um ser natural mas também um ser cultural; interpreta a finalidade do casamento e a vida de família com mais perfeita inteligência, imaginação e emoção; vê na palavra, e na arte literária, um meio de que foi dotado para realizar uma função superior à dos animais tanto na sociedade nacional como na comunidade religiosa.

O adolescente que não tiver de algum modo estudado as ciências do Homem, e as artes que a essas ciências correspondem, nunca se sentirá perfeitamente educado para entrar na idade adulta. Fácil será inferir as consequências morais deste erro de pedagogia, porque a observação nos faculta diariamente exemplos, que parecem inexplicáveis, de inadaptação humana ao ambiente familiar, profissional e social. A antropologia filosófica é a ciência em relação à qual se ordena todo o sistema de educação, e até de reeducação, dos adolescentes (in A Campanha, 15 de Dez. de 1953, pp. 9-10).







Nenhum comentário:

Postar um comentário