terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

A Grande Fome de Mao (iii)

Escrito por Frank Dikötter








































Ver aqui




Ver aqui



Ver aqui



















Ver aqui

















«A Chinese Cardinal has urged Pope Francis not to sacrifice underground practitioners of Catholicism in order to make a deal with the communist government.

Cardinal Joseph Zen, the highest-ranking Chinese prelate who previously served as Auxiliary Bishop of Hong Kong, expressed concerns about efforts by Pope Francis to establish diplomatic relations with China.

“We are very much worried because it seems that the Vatican is going to make a very bad agreement with China,” Cardinal Zen said in an interview with LifeSiteNews.

Zen suggested Pope Francis “is really naïve” and “doesn’t know the Chinese communists,” and expressed reservations about the people surrounding him.

“The people around him are not good at all. They have very wrong ideas, and I’m afraid that they may sell out our underground Church,” he said.

Pope Francis has regularly indicated his desire for the Vatican to establish formal diplomatic relations with China, which has thus far refused due to the Vatican’s diplomatic recognition of Taiwan and concerns over the selection process for new bishops.

The deal reportedly under consideration would allow the Chinese government to propose a list of names from which the Pope would use to appoint new bishops.

In China, practitioners of Catholicism who do not affiliate themselves with the state-run Chinese Patriotic Catholic Association face repression and imprisonment.

The Chinese government also mandates practitioners of Buddhism, Islam, Protestantism, and Taoism join their respective state-run bodies.

Under Pope Francis, ties between the Vatican and China have steadily improved. The Chinese foreign ministry sent a note of congratulations to Pope Francis upon his election, hoping he would take a “practical and flexible” approach with China.

Pope Francis, for his part, sent a letter congratulating Chinese President Xi Jinping on his selection by the National People’s Congress.

“We are close to China,” Francis said at the time. “I sent a letter to President Xi Jinping when he was elected, three days after me. And he replied.”

Upon his first trip to Asia as Pope, Beijing agreed to let Francis’ Alitalia charter plane fly through its airspace; when Saint John Paul II visited South Korea in 1989, Beijing refused to let him fly through its airspace.

In a clear attempt to placate the communist government, Pope Francis defended religious freedom in China, arguing religion is freely practiced.

“In China the churches are full,” he asserted during an interview with the leftist Spanish daily El País. “You can practice your faith in China.”








Zen argued the communist Chinese government wants nothing more than “total surrender” from the Vatican, and expressed concern over Pope Francis’ willingness to sell out underground Christians who have suffered under brutal repression for decades.

“You cannot go into negotiations with the mentality ‘we want to sign an agreement at any cost,’ then you are surrendering yourself, you are betraying yourself, you are betraying Jesus Christ,” he said».

Clifford Cunningham («Chinese Catholics fear Pope Francis will rat them out to Communists», in INFOWARS, February 24, 2017).


«China’s membership in the United Nations was originally held by the free Republic of China (Taiwan, ROC) not the People’s Republic of China.

But much to the UN’s everlasting shame, in 1971 the dictators’ club on the East River recognized the tyrannical PRC as the only legal government of China and expelled the ROC. As a result, Communist China replaced the ROC as one of the five veto-wielding permanent members of the powerful Security Council, which not only issues resolutions supposedly binding on the world’s nations but also purportedly is authorized to order military action to put teeth behind its decisions.

Despite its deplorable human rights rec­ord, Communist China possesses a seat on the UN’s Human Rights Council. Of course, at the very least this should sound an alarm bell about the UN’s concept of human rights.

Other UN agencies or programs where China’s influence is prominent include:

UN Industrial Development Organization: The little-known UNIDO “aims to improve the living conditions of people and promote global prosperity through … sustainable industrial development” — a euphemism for limiting industrial output to what the UN deems “sustainable.” In 2013, the outfit’s members selected Chinese Communist Li Yong, the regime’s former “vice-minister of finance,” as executive director. “[The regime ruling] China will inevitably need to be given more rights in international activities, such as the right to participate and the right to have a voice in international affairs,” Li was quoted as saying by regime-controlled propaganda outlets.

UN International Telecommunications Union: Communist Chinese agent Houlin Zhao was selected last year to lead the ITU, which promotes international cooperation in assigning satellite orbits, oversees global use of the radio spectrum, and promotes and develops worldwide technical standards. It is also seeking control over the Internet. If an ITU led by a Communist Chinese operative whose bosses run a totalitarian censorship regime dubbed the “Great Firewall of China” were not troubling enough, Zhao’s comments raised even more alarm worldwide. “We [at the ITU] don’t have a common interpretation of what censorship means,” the agency chief was quoted as saying by the Korean Yonhap news agency when asked about censorship. He believes censorship is in the eye of the beholder.

• UN World Health Organization: Communist Chinese loyalist Margaret Chan is the director-general of WHO, which has been attempting to usurp increasingly draconian powers over humanity under the guise of “health” on everything from trying to impose global tobacco taxes and acquiring more draconian quarantine powers to establishing a planetary “mental health” regime. Last year in Western Africa, citing the Ebola outbreak, Chan claimed “global health authorities” would need to help impose “new measures such as deploying soldiers to quarantine stricken neighborhoods in Sierra Leone,” the Wall Street Journal reported. Now, after being “criticized” in the establishment press for not doing enough to stop Ebola, Chan is working to supersize and further empower the WHO with bigger budgets and more authority.

Quartel-General da Organização Mundial de Saúde (Genebra, Suíça).







UN International Civil Aviation Organization: In March of this year, the ICAO selected Dr. Fang Liu of Communist China to sit as secretary-general for a three-year term. That UN agency, among other troubling activities, has been at the forefront of the ongoing effort to impose UN “carbon taxes” on air travel under the guise of stopping alleged man-made global warming and averting a “trade war,” as The New American reported in 2012. A supposed dispute over CO2 taxes between the European Union and Beijing is what drove efforts to have the tax on air travel imposed at the global level — paid straight to the UN. Globalists all agreed that a UN tax would settle the matter, and its promoters are still hard at work.

UN Framework Convention on Climate Change: UNFCCC executive secretary Christiana Figueres, who is Costa Rican, claims that the communist regime in Beijing is “doing it right” when it comes to fighting alleged global warming — despite China being among the most polluted nations on Earth. Figueres told Bloomberg that the Chinese regime is able to implement UN-backed “climate” schemes more efficiently because it does not have to deal with “legislative hurdles” such as those in the United States and other nations where citizens are supposed to have a say in government.

Rio+20 Summit: The secretary-general of the UN Conference on Sustainable Development in Rio de Janeiro in 2012 was notorious anti-American Chinese Communist Sha Zukang. In addition to openly expressing his hatred of America, Zukang had presented an award to the Chinese general responsible for massacring student protesters at Tiananmen Square.

UNESCO: The most recent General Conference of the UN Education, Scientific, and Cultural Organization was chaired by former Beijing “education vice-minister” Hao Ping. UNESCO itself, of course, is chaired by a Bulgarian Communist, Irina Bokova, who is right now considered the “frontrunner” to be the next secretary-general of the broader UN. Last year, UNESCO appointed Peng Liyuan, wife of Communist Chinese dictator Xi Jinping, to serve as a “Special Envoy” for female education. “You are an immense role model for millions of young girls in China and beyond,” UNESCO boss Bokova told Peng at the ceremony in Paris. That UN agency is openly seeking to impose, among other ideas, global “education standards” on humanity.

UN “Peacekeeping”: Of the five permanent UN Security Council members, Beijing is the largest contributor to UN “peacekeeping” operations, deploying thousands of Communist Chinese troops, police, and advisors around the world under UN command. Analysts and even the regime say its growing appetite for participating in UN military schemes is indicative of its rise in global prominence — both in foreign affairs and economics.

The above examples are just the beginning of Beijing’s long-term plan to accumulate power within the UN, according to the dictatorship itself. In a “blue book” published recently by the regime’s China Institute of International Studies, Beijing’s Foreign Ministry reported on April 2, “China will target a bigger role in international affairs after recent successes in global diplomacy.” Senior regime officials have been boasting for months that Beijing is training up an army of staffers to hold key positions of influence in UN agencies and other “global governance” mechanisms.

And it is clear that, for Beijing and its allies, the UN must be at the center of the emerging global order. In a 2013 joint declaration, for example, top Communist Chinese officials joined with their counterparts in the BRICS regimes — Brazil, Russia, India, and South Africa — to openly push the agenda. “The UN enjoys universal membership and is at the center of global governance,” the rulers said. (Emphasis added.) “We underscore our commitment to work together in the UN to continue our cooperation and strengthen multilateral approaches in international relations based on the rule of law and anchored in the Charter of the United Nations.... We are fully committed to a coordinated inter-governmental process for the elaboration of the UN development agenda.”








Líderes do BRICS em 2016: Temer, Modi, Xi, Putin e Zuma.


























Xinhua News Agency


Banco Central da China

Last year, a collection of over 100 of the world’s communist, Islamist, and socialist tyrants, along with some elected but mostly corrupt Third World regimes, gathered in Bolivia at the G77 plus China summit to demand what they called a “New World Order to Live Well.” UN boss Ban Ki-moon joined the anti-American, anti-freedom, anti-national sovereignty, anti-free market festivities, calling on the assembled rulers — the biggest bloc at the UN — to keep pushing “sustainable development” and global-warming alarmism. The goal: foisting what he also called a “New World Order” on humanity. And they all made clear, even in the summit’s final declaration, that the UN would be at the heart of that order.

[...] “As U.S. politicians of both political parties are still shuffling back and forth between the White House and Capitol Hill without striking a viable deal to bring normality to the body politic they brag about, it is perhaps a good time for the befuddled world to start considering building a de-Americanized world,” wrote Liu Chang, a writer for Beijing’s espionage and prop­aganda agency known as Xinhua, in an undoubtedly regime-approved editorial. “Such alarming days when the destinies of others are in the hands of a hypocritical nation have to be terminated, and a new world order should be put in place.... To that end, several corner stones should be laid to underpin a de-Americanized world.” In such a world, the U.S. dollar would no longer be the world’s reserve currency, and U.S. influence in the instruments of global economic governance such as the World Bank and IMF would be diminished. China, on the other hand, would dominate.

Top Chinese officials and central bankers have long been pushing for the IMF to unveil a truly planetary currency to replace the U.S. dollar as the global reserve currency. “A super-sovereign reserve currency not only eliminates the inherent risks of credit-based sovereign currency, but also makes it possible to manage global liquidity,” wrote Chinese central-bank boss Zhou Xiaochuan in his public paper calling for a world currency run by the IMF.

Communist Chinese operatives are already hard at work within the globalist economic institution, including, for example, IMF Deputy Managing Director Zhu Min, a former top official at the Chinese regime’s central bank. Zhu is right now busy trying to include the Chinese yuan in the basket of currencies that make up the special drawing rights (SDR). Now the IMF’s current boss openly says its headquarters may be moved from Washington to Beijing. “The way things are going, I wouldn’t be surprised if one of these days the IMF was headquartered in Beijing,” IMF chief Christine Lagarde said at the London School of Economics last year.

Perhaps not surprisingly, more than a few U.S. allies, and even the Obama administration, have jumped on board the bandwagon to give Beijing, along with the Kremlin, a greater leadership role at the IMF at U.S. expense as the world moves toward a New World Order heavily influenced by Communist China. In fact, when then-U.S. Treasury Secretary Timothy Geithner was asked about Beijing’s global-currency proposal, he said, “We’re actually quite open to that.”

The only serious remaining obstacle now to supersizing the IMF and handing Beijing more power within it at U.S. expense is getting the U.S. Congress to agree to the “reforms,” which include doubling the taxpayer-provided resources while reducing U.S. influence (including potentially the loss of its veto) and empowering Beijing and other foreign governments. So desperate is the Western establishment to empower the IMF and Beijing’s regime that IMF boss Lagarde offered to “belly dance” for U.S. lawmakers if they would just approve the reforms. When the belly-dance offer failed to persuade lawmakers, the IMF and its member regimes began plotting how to bypass the U.S. veto. Globalists in the East and West have said they will not give up until their “reforms” become reality.

“We stress the importance of the central role of the United Nations in global economic governance,” the regime and more than 130 others said in the joint “New World Order” declaration last year, demanding a bigger say in the emerging world economic government for the G77 plus China. “New attempts must now be made to establish proper global economic governance, with the full voice, representation and participation of developing countries in discussions and decision-making.” The despot-dominated UN General Assembly, where the G77 plus China bloc controls almost two-thirds of the votes, should become the “emblem of global sovereignty” and launch “a process to reform the international financial and monetary system,” they said.


Países-membros do G77




[...] The unabashed support that Beijing enjoys from the highest echelons of the globalist Western establishment is nothing new. In fact, though full diplomatic relations between the United States and China were not established until 1978, U.S. policy decisions during and after World War II paved the way for the communist takeover of mainland China in 1949. “American diplomats surrendered the territorial integrity and the political independence of China … and wrote the blueprint for the Communist conquest of China in secret agreement at Yalta,” observed General Patrick Hurley, the U.S. Ambassador to China at the end of World War II. Numerous other senior U.S. officials have echoed those concerns. From equipping the Chinese Communists in the mid-1940s via the Soviet regime (under the guise of fighting Japan) to deliberately betraying nationalist Chinese leader Chiang Kai-shek, the U.S. government and the Western establishment were crucial to the betrayal of China to communism.

The globalists were evidently pleased with their handiwork. In a 1973 op-ed in the New York Times, for example, senior globalist architect David Rockefeller actually celebrated the mass-murdering regime after a trip to China. “Whatever the price of the Chinese Revolution, it has obviously succeeded not only in producing more efficient and dedicated administration, but also in fostering high morale and community of purpose,” he claimed, seemingly oblivious to the ghoulishness of his words. “The social experiment in China under Chairman Mao’s leadership is one of the most important and successful in human history.” The Western banking magnate neglected to mention that it also resulted in the murder of an estimated 77 million innocent people, according to University of Hawaii democide scholar R.J. Rummel.

And in the 1990s, President Bill Clinton made sure that Beijing had access to America’s most sensitive military secrets and technology as part of what came to be known as “ChinaGate,” sparking outrage among senior U.S. military officials. “President Clinton promised to restrain those who ordered the Tiananmen Square massacre, but he has now allowed these men whose hands are stained with the blood of martyrs of freedom into the highest reaches of our military defenses, and made available to them significant portions of our advanced military technology,” wrote former Joint Chiefs of Staff Chairman Admiral Thomas Moorer.

Without Western assistance, the Chinese Communist regime would not have been able to subjugate the mainland much less possess its present clout. Yet globalists believe it should be even more influential on the world stage. “The West has failed to accord China — not to mention the other major emerging economies — the degree of influence in today’s global governance structures that it merits,” complained globalist Javier Solana, the former secretary-general of NATO and EU High Representative for Foreign and Security Policy. “This may be about to change.”

Throughout the piece, Solana also chastises the West for not giving the regime in Beijing even more control over “global governance.” He also calls repeatedly on “advanced countries” to “overcome their strategic mistrust of China.” “The West must still do more not only to welcome China to the table of global governance, but also to accept and cooperate with the institutions that the Chinese are now creating,” the former NATO boss continued. “China’s move into multilateral processes is good news for the world.”

Plenty of evidence suggests that the Western world’s decline and Communist China’s rise have been deliberately aided and even engineered by the globalist establishment in the United States and Europe. Again, as mentioned at the beginning of the article, billionaire George Soros, one of Obama’s most important backers, even put it explicitly, saying Communist China should “own” the “New World Order” in the same way the United States owns the fast-declining current world order. And that is exactly what is happening.





















































Ver aqui


Ver aqui






Ver aqui






Ver aqui




Earlier this year, the globalist Council on Foreign Relations, which played a key role in China’s rise and in the emergence of the “global governance” system being imposed on humanity, came out with a new report calling for revising the U.S. government’s “Grand Strategy” toward China. “Because the American effort to ‘integrate’ China into the liberal international order has now generated new threats to U.S. primacy in Asia — and could result in a consequential challenge to American power globally — Washington needs a new grand strategy toward China that centers on balancing the rise of Chinese power rather than continuing to assist its ascendancy,” wrote CFR Senior Fellow Robert D. Blackwill and Carnegie Endowment for International Peace Senior Associate Ashley J. Tellis.

The admission that Washington, D.C., continues to “assist” China’s “ascendancy” — even if accompanied by a recommendation against continuing to assist — was a rare moment of honesty from the CFR. The rest of the report, though, is less so. Instead of revising strategy, for example, the report mostly advocates more Big Government, more globalism, and more of the same generally. In fact, its “solutions” for “balancing” the glob­alist-backed rise of Communist China read like a wish list of extremist globalist scheming — and would almost be comedic if the implications were not so serious, and likely to accelerate the decline of the United States as China rises.

For example, the CFR report calls on Congress to “substantially increase the U.S. defense budget.” Having the federal government that is $18 trillion in debt borrow even more money from Beijing to rein in Beijing makes about as much sense as George W. Bush’s 2008 claim that he “abandoned free market principles to save the free market system.” Also on the agenda are more pseudo-free trade regimes. “U.S. grand strategy toward China will be seriously weakened without delivering on the TPP [Trans-Pacific Partnership trade agreement],” the report claims. “A major push by the White House for ratification should therefore begin immediately in the new Congress, including seeking trade promotion authority.” Ironically, top Communist Chinese officials are also celebrating the TPP, expressing interest in joining while pointing out that it would serve as a steppingstone toward a broader Beijing/Moscow-led Free Trade Area of the Asia-Pacific (FTAAP). Other proposals include “revitalizing the U.S. economy” (though not with free markets or honest money), passing the draconian Cyber Information Security Protection Act (CISPA), and engaging in “high-level diplomacy with Beijing.”

None of that will do anything to contain Communist China or even slow the glob­alist buildup of its might. It will, however, further damage the United States while paving more road leading toward a more Beijing-centric World Order.

As Communist China’s brutal autocrats begin to wield more and more control over “global governance,” what might the “New World Order” they admit they are building look like — a world where the veto-proof, dictator-dominated UN General Assembly acts as the “emblem of global sovereignty”? The way China’s leaders “govern” the People’s Republic of China should provide a strong clue among many.

Already, with Beijing’s and Washington’s strong backing, the UN is on the verge of becoming a dictator-dominated global government, and the IMF is openly being groomed to serve as the planetary central bank. If liberty and Western Civilization are to survive, the brakes must be slammed on the plot — and soon. Whistleblowers from within the UN system who have spoken to The New American about the issue argue that a U.S. withdrawal from the UN and the broader emerging “global governance” regime is not even enough. Instead, the UN and its tentacles must be entirely abolished.

Still, even simply cutting off U.S. taxpayer funding and U.S. government support for the UN, the IMF, and various other organizations would go a long way toward reducing the threat. Ending the U.S. government’s suicidal policies toward Beijing — borrowing trillions of dollars from it just to stay afloat, for example, or turning a blind eye to the communist regime’s massive espionage apparatus aimed at the United States — will be important as well. Americans concerned about the danger must get educated, organized, and activated. If they do not, a Communist Chinese-style “New World Order” may well become a reality, while liberty and sovereignty disappear».

Alex Newman («China: Staking Claim in the New World Order», in The New American, Tuesday, 09 June, 2015).






















Ver aqui e aqui










A GRANDE FOME DE MAO

Ao contrário de Sichuan, a sua vizinha a norte, Guizhou é uma província pobre, historicamente abalada por revoltas do povo minoritário que constitui pelo menos um terço da população - muitos membros do qual vivem em condições de pobreza nas colinas e terras altas que dominam o chamado «reino das montanhas». Chishui, em tempos próspera por ser uma passagem estratégica para o transporte de sal, é um posto avançado abandonado na fronteira com Sichuan. O rio que corre num vale de arenito vermelho arrasta o sedimento e dá nome ao local, que significa «Água Vermelha». Em Março de 1935, o Exército Vermelho atravessou o rio diversas vezes, transformando o distrito num terreno sagrado entusiasticamente promovido por líderes locais depois da revolução. No alto das montanhas escarlates, escondiam-se pequenas aldeias entre fetos gigantes e bambu verde-claro, mas a maioria das pessoas cultivava arroz e cana-de-açúcar ao longo do rio e seus afluentes. Entre Outubro de 1959 e Abril de 1960, morreram aproximadamente 24 000 pessoas - mais de 10 por cento da população (118).

Wang Linchi, um homem relativamente jovem aos 35 anos, era o responsável pelo distrito. Em 1958 recebeu uma ambicionada bandeira vermelha e foi elogiado pelo comando geral por ter transformado um fim de mundo num «Distrito de Cinco Mil Quilos», graças às muitas inovações anunciadas pelo Grande Salto em Frente. Em Chishui, sob o comando de Wang Linchi, a lavra profunda significou escavar até uma profundidade de 1 a 1,5 metros: quanto mais fundo, melhor. Foram usadas grandes quantidades de sementes, muitas vezes 200 a 450 quilos por hectare, mas por vezes uma ou duas, por vezes até três toneladas. Entre outros grandes esquemas inventados pelo comando do distrito, contava-se um projecto de irrigação no qual a água seria transportada por uma rede de tubos de bambu para todos os terrenos do distrito. O slogan era «Tubos de água nos céus de Chishui», mas o plano falhou lastimosamente depois de vastas extensões de floresta de bambu terem sido cortadas, privando os camponeses de um recurso muito necessário.

O resultado do Grande Salto em Frente em Chishui foi uma queda abrupta da produção de cereais e o extermínio virtual do gado. No entanto, Wang estava determinado a manter a sua reputação. Em Setembro de 1958, muitos meses antes do relatório de Zhao Ziyang sobre ocultação de cereais em Guangdong, Wang decretou que uma parte da colheita estava a ser escondida por «camponeses ricos» e «maus elementos» num ataque sustentado ao sistema socialista. Era preciso um contra-ataque impiedoso com quadros armados para salvar as comunas e prevenir uma contrarrevolução. No terreno, o povo andava aterrorizado. Um ano mais tarde, na sequência da sessão plenária de Lushan, os camponeses foram divididos em «camponeses pobres» e «camponeses ricos». No grupo dos camponeses ricos estavam os proprietários de terras, sabotadores, contrarrevolucionários e outros elementos decididos a destruir a revolução: «Camponeses Pobres e Ricos, Esta Luta É até à Morte!» Vários milhares de quadros foram expulsos do partido por terem as origens de classe erradas e organizaram-se manifestações em massa, sessões de luta e campanhas anti-ocultação para erradicar todos os inimigos da classe. Como Mao, Wang Linchi era um poeta, e compôs versos para celebrar a classe operária e organizou uma ópera tradicional onde brilhou como actor principal - diante de centenas de convidados que atacavam um sumptuoso banquete. Entretanto, a agricultura foi negligenciada: apesar de, em Janeiro de 1960, Wang ter anunciado aos seus superiores em Guiyang uma colheita muito abundante de 33 500 toneladas, 80 por cento desta quantidade existia apenas no papel (119).

Wang Linchi não foi de forma alguma um caso único em Guizhou, uma província radical governada por Zhou Lin, um fiel seguidor de Mao. Zhou Lin encorajou tacitamente uma abordagem radical ao Grande Salto em Frente, o que resultou numa das taxas de mortalidade mais elevadas no país. Em Meitan, famosa pelo seu chá, morreram 45 000 pessoas em seis meses. Wang Qingchen, o primeiro secretário do partido, controlava uma mão de obra de 50 000 pessoas e construiu jardins gigantes, pomares, sistemas de irrigação e edifícios comunitários que transformariam Meitan num modelo nacional. Requisitaram-se 40 000 porcos para uma «Cidade de Dez Mil Porcos». As pessoas que criticavam estes esquemas eram acusadas de «atiçar uma maléfica tendência revisionista» e recebiam o rótulo de «oportunistas de direita». Em 1960, a polícia e as milícias organizaram uma campanha de «Prender muitos e Deter muitos», esquadrinhando a região e prendendo cerca de 3000 pessoas num mês. Um slogan simples pareceu capturar o espírito de Meitan: «Os Incapazes de Produzir Cereais Não Receberão Cereais» (120).


O número de 45 000 mortes é muito alto, mas ainda assim pode ser uma subestimação. Segundo uma investigação de um comité provincial do partido, numa determinada comuna «morreram de fome» 12 000 pessoas, o que representava 22 por cento da população (121). Concentrando-se numa aldeia, um inquérito mais minucioso mostrou que morreu mais de um terço dos camponeses. Nongcha foi em tempos uma aldeia relativamente próspera onde cada família tinha alguns patos e galinhas, mas em 1961 a colheita tinha diminuído para um terço do que foram em 1957. Era difícil encontrar vegetais. A produção de cana-de-açúcar, indispensável para os camponeses locais trocarem por géneros alimentícios e outros produtos, foi praticamente erradicada. Muitos dos campos ficaram destruídos após experiências de lavra profunda e aproveitamento de terrenos. Alguns eram denominados «terrenos da lua» porque o terreno esburacado já não tinha capacidade para reter água. Nunca eram dados postos de trabalho e os camponeses eram alimentados consoante os caprichos dos quadros locais em cantinas caóticas. A propriedade privada foi apreendida, os terrenos particulares, abolidos. Os aprovisionamentos do Estado subiram em flecha, apesar da diminuição da produção de cereais: em 1959, três quartos da colheita foram levados pelos agentes estatais, deixando os camponeses a passar fome. Em 1961, só ficou um porco em toda a aldeia (122).

Quando, em Abril de 1960, foi marcada a visita de uma equipa de inspecção, os quadros locais atarefaram-se dia e noite para enterrar cadáveres em valas comuns à beira das estradas. Os camponeses doentes e crianças negligenciadas foram presos e guardados pelas milícias, enquanto as árvores sem casca denunciadoras foram arrancadas pela raiz (123). Ao viajar pela região em Março de 1960, Nie Rongzhen manifestou o seu êxtase por Guizhou numa carta para Mao: «Na realidade, Guizhou não é nada pobre, é muito rica - no futuro, deverá ser a nossa base industrial no Sudoeste!». (124).

Quando se aproxima do fim da sua longa viagem pelo planalto de loesse, o rio Amarelo cruza-se com o Grande Canal, um rio antigo feito pelo homem que ficou concluído no século XVII para levar o tributo de cereais do Sul para a capital imperial no Norte. Diz-se que eram precisos mais de 47 000 operários para manter o sistema de canais, que no seu auge, em meados do século XV, era usado por cerca de 11 000 barcas de cereais. Qihe é o principal porto fluvial em Shandong, a nordeste de Jinan, e devia ter sido próspero, graças à sua localização estratégica no rio Amarelo. Antes do Grande Salto em Frente, era conhecido como um «armazém de cereais» e tinha uma produção abundante que chegava às 200 000 toneladas num ano bom para uma população de cerca de meio milhão de habitantes. Algodão, tabaco e fruta também eram muito cultivados. Em 1961, o distrito de Qihe tinha perdido mais de 100 000 habitantes, ou um quinto da sua população em comparação com 1957. Metade dos trabalhadores que sobreviveram ou ficaram estava doente. A economia estava em farrapos. As 200 000 toneladas de cereais colhidos em 1956 tinham diminuído para umas meras 16 000 toneladas alguns anos depois. O colapso na produção de amendoins foi ainda mais dramático: enquanto em 1956 tinham sido tiradas 7780 toneladas dos campos, em 1961 foram colhidas apenas 10 toneladas. Foi como se tudo tivesse sido reduzido para cerca de um décimo do que se esperaria antes de 1958. Até a terra cultivada tinha diminuído, pois um quinto fora reservada para sistemas de distribuição de água e estradas, a maior parte dos quais nunca foram concluídos. Como em todo o Norte, a quantidade de solo alcalino duplicou, atingindo quase um terço da superfície cultivada. Apesar - ou antes em consequência - de investimentos de grande envergadura em projectos de conservação de água, a superfície irrigada total encolheu 70 por cento. Fora dos campos, a devastação era igualmente visível. O gado ficou reduzido a menos de metade, o número de carroças diminuiu e dezenas de milhares de utensílios simples como ancinhos e enxadas desapareceram. Mais de metade das árvores foram cortadas. Destruíram-se 38 por cento das casas do distrito. Das que ficaram em pé, um quarto estava muito danificado e precisava de atenção urgente. Cerca de 13 000 famílias nem sequer tinham uma divisão onde viver (125).

Hanzhuang era um dos muitos lugarejos do distrito de Qihe. Tinha 240 habitantes em 1957, mas em 1961 restavam apenas 141. Um quarto da aldeia tinha morrido de fome e uma em cada seis famílias fora completamente extinta - um facto que tinha sempre um peso muito grande numa altura que continuava a dar uma grande importância à descendência, apesar da retórica oficial de guerra de classes. Entre 1958 e 1961 apenas quatro crianças nasceram na aldeia e uma faleceu durante a primeira infância. Muitos camponeses eram solteiros, a maioria estava fraca ou doente e poucas mulheres de outras aldeias se dispunham a casar com homens da localidade. A aldeia tinha perdido cerca de 40 por cento da sua terra e mais de metade da que restava era praticamente estéril devido à forte salinização. Segundo um dito local, «quando saímos de casa, vemos um terreno branco», pois o sal embranquecia a terra até onde o olhar podia alcançar. No meio desta terra fina e esgotada havia cabanas de lama em ruínas.




A aldeia orgulhara-se de ter um total de 240 casas, mas só 80 permaneciam de pé, a maioria das quais com tectos que deixavam passar água ou paredes caídas. Como uma equipa de inspecção revelou, não havia nada no interior destas habitações miseráveis: «Todas as famílias foram à falência durante a fome. As menos afectadas venderam todas as suas roupas e móveis, mas as mais afectadas tiveram de vender as panelas, tigelas e alguidares e tiveram de arrancar a madeira das suas casas. Na aldeia, 27 famílias venderam tudo o que possuíam». Yang Jimao, por exemplo, abandonou a aldeia em 1960. A sua mulher e filho só conseguiram sobreviver vendendo todos os seus bens. Não tinham cama, panelas nem utensílios para cultivar a terra. Partilhavam um cobertor esfarrapado e um casaco puído. Outros estavam ainda pior. Entre as poucas pessoas que tinham ficado em Hanzhuang estava Liu Zailin, de 33 anos, que morreu de fome passado pouco tempo. A sua mulher enforcou-se numa trave, deixando dois filhos, que foram adoptados por camponeses da aldeia.

Em Shandong, as equipas enviadas para investigar o que tinha acontecido durante a fome não tiveram coragem de apontar o dedo a quadros abusivos, ao contrário dos seus colegas em Gansu ou Guangdong. Mas as dimensões políticas da fome foram claras. O chefe da aldeia tinha mudado 15 vezes desde o início do Grande Salto em Frente. Poucos podiam fazer alguma coisa para resistir aos aprovisionamentos punitivos impostos de cima, e em 1959 os habitantes da aldeia ficaram com uma média de 25 quilos de cereais por pessoa - para o ano inteiro. O recrutamento generalizado de mão-de-obra para projectos de irrigação não ajudou. No Inverno de 1959-60, 46 dos melhores trabalhadores foram recrutados em Hanzhuang. Trabalharam durante 40 dias e noites seguidos, no meio da neve, mas não receberam quaisquer cereais, que tinham de ser fornecidos pela aldeia já esvaziada pelos aprovisionamentos estatais. Alguns morreram enquanto cavavam terra ao frio, outros caíram mortos na berma da estrada quando regressavam a casa (126).

Nas zonas rurais de Shandong havia inúmeras aldeias em apuros semelhantes, destruídas por quatro anos de abusos em grande escala. Os primeiros sinais de alerta tinham surgido em Abril de 1959. Tan Qilong, um líder sénior em Shandong, testemunhou pessoalmente como em diversos distritos na região de Jining as árvores tinham sidos descascadas, as crianças eram abandonadas e os camponeses morriam na berma das estradas, com os rostos macilentos devido à fome. Em Juye, as pessoas comiam a palha das próprias almofadas; milhares morreram de fome. Tan Qilong contou a sua situação ao cacique provincial Shu Tong, mas também deu o passo excepcional de enviar uma cópia para Mao Tsé-tung (127). Algumas semanas mais tarde, um contrito Shu Tong teve de explicar o «incidente de Jining» ao Presidente, que estava a passar pela região no seu comboio especial (128).

No entanto, Shu Tong não fez nada para aliviar a fome. Ele próprio reconheceu que detestava más notícias e recusava-se a falar sobre «um dedo» de falhas em Shandong, ameaçando as pessoas que criticavam o Grande Salto em Frente com o rótulo de «conservadores de direita» (129). Segundo outras pessoas que tinham de trabalhar ao lado de Shu Tong, o czar regional explodia numa raiva violenta quando alguém o impedia de implementar uma visão utópica que tinha custado a vida a inúmeras pessoas. «Aquele que ataca primeiro prevalece, aquele que ataca por último falha»: Shu Tong seguiu religiosamente o conselho de Mao de confiscar os cereais antes de os camponeses poderem comê-los, implementando vastos aprovisionamentos para satisfazer os pedidos de Pequim (130).

Gansu, Sichuan, Guizhou, Shandong - todas estas províncias tiveram distritos onde a taxa de mortalidade foi superior a 10 por cento em 1960. Mas nada foi tão mau como Anhui, governada por Zeng Xisheng, um dos mais devotos seguidores de Mao. Como outras províncias, Anhui estava dividida em regiões, tendo mais de uma dúzia. Uma dessas regiões era Fuyang. Em 1958, Fuyang tinha uma população de 8 milhões de habitantes. Três anos mais tarde, tinham morrido mais de 2,4 milhões de pessoas (131).




Uma das razões da elevada taxa de mortalidade foi a própria paisagem. Plana e quase toda estéril, oferecia poucos esconderijos. Muitos dos que queriam fugir daquela região seguiram o rio para Xinyang, na vizinha Henan, onde a fome era ainda pior. O próprio rio Huai era uma teia de morte. Em 1957, tornou-se o centro de um enorme projecto de irrigação que ocupou cerca de 80 por cento da mão-de-obra. Cada hectare teria um tubo, cada dez hectares um canal e cada 100 hectares um grande curso de água. Os campos seriam tão lisos como um espelho e a lavra profunda torná-los-ia tão maleáveis como massa. Fyuang modernizar-se-ia em apenas um ou dois anos (132). Slogans como «Num Dia de Chuva Vemos Um Dia Luminoso, a Noite Transforma-se em Dia» e «Durante o Dia Lutamos contra o Sol, à Noite Combatemos as Estrelas» incentivavam a exploração incessante dos melhores trabalhadores ao longo do rio. Muitos sucumbiram à doença, exaustão e morte (133).

Para impedir que os trabalhadores regressassem a casa durante o Ano Novo chinês, as milícias selaram-lhes as casas. Com o avanço inexorável de barragens, diques e canais, tudo o que estava no caminho foi arrasado. Árvores, sepulturas e até grandes pontes foram derrubadas, obrigando os trabalhadores a caminharem muitos quilómetros todos os dias para cuidar dos campos (134). Aldeias inteiras foram obrigadas a mudar de sítio de um dia para o outro por capricho de um quadro: centenas desapareceram simplesmente do mapa (135).

Outros esquemas gigantescos levaram os melhores trabalhadores dos campos antes do fim da sementeira ou da colheita. A colheita era tão abundante - segundo o partido -, que os cereais deviam ser transformados em álcool. O distrito de Hao, que procurava tornar-se o «Distrito das Cinco Mil Toneladas», construiu mais de 3200 fábricas de álcool em Janeiro de 1959. Menos de metade chegaram a funcionar, e muitas toneladas de cereais foram desperdiçadas (136).

Igualmente ruinosos foram os esforços de mecanização da agricultura. Instalaram-se volumosas rodas de ferro em cerca de 10 000 carroças, que ficaram tão pesadas que os bois não conseguiam puxá-las (137). Para agravar o problema, as carroças velhas foram banidas das estradas e os camponeses vistos a usá-las eram denunciados como membros de direita (138).

A produção de cereais caiu a pique, mas os quadros zelosos duplicavam-na no papel. Seguiram-se requisições punitivas; levadas a cabo com violência rotineira, por vezes extraíam perto de 90 por cento da colheita real (139). Para compensar a escassez de cereais, os quadros invadiam as casas dos camponeses e levavam mesas, cadeiras e camas. Os camponeses eram obrigados a entregar uma quantidade estabelecida de roupas de algodão, até vários quilos por família. A incapacidade de cumprir a quota levava à expulsão da cantina. Zhao Huairen teve de entregar os casacos de algodão da sua mãe de 70 anos e do seu filho. O frio era tão cortante, que eles tiveram de se enterrar debaixo de um pouco de palha para se manter quentes. Em 1960 havia tão pouco para recolher que numa comuna o maior confisco foram 100 caixões (140).

A tortura era generalizada. Usava-se fio de ferro para perfurar as orelhas de «maus elementos» e as mulheres eram despidas e suspensas pelo cabelo. Nas palavras de um líder do distrito de Jieshou, «os seios delas eram torcidos até sair líquido» (141). Em Linquan, o uso de violência foi resumido como se segue pelo cacique local do partido: «As pessoas morreram em circunstâncias trágicas, espancadas e enforcadas até à morte, privadas de alimentos ou enterradas vivas. Algumas foram torturadas e espancadas com violência e cortaram-lhes as orelhas, extraíram-lhes o nariz, arrancaram-lhes a boca. etc., o que muitas vezes causava a morte. Quando começámos a investigar, descobrimos como tudo isto era extremamente sério» (142). O Homicídio era comum. Em Dahuangzhuang, uma pequena aldeia de Linquan, nove em cada 19 quadros tinham matado pelo menos um camponês durante a fome. Li Fengying, um chefe de equipa, matou cinco pessoas (143).





Em alguns casos, os camponeses eram deliberadamente presos em armadilhas. No fim de 1959, no auge da fome, uma das fábricas de processamento de comida pertencentes ao gabinete de cereais do distrito de Funan deixou bolos de feijão num pátio com os portões abertos. Quando os camponeses famintos tentaram roubar a comida, os portões foram fechados. «Alguns dos que foram apanhados foram obrigados a entrar numa saca de cereais com um nó numa ponta. Depois, foram espancados com barras de ferro. As sacas estavam cheias de sangue. A outros, cortaram-lhes o rosto com facas e depois esfregaram óleo nas feridas» (144).

A ajuda para os famintos foi sonegada. Quinze toneladas de cereais enviadas para apoiar os necessitados num distrito foram confiscadas, acelerando a morte de milhares de pessoas (145). Também morriam pessoas quando as autoridades locais tentavam esconder a fome das equipas de inspecção. As milícias, por exemplo, tinham ordens para interditar aldeias e para não deixar ninguém com sinais de fome andar pelas ruas (146). Numa comuna escolhida para uma visita pelo Ministério do Interior em 1960, o governador do distrito conseguiu reunir e esconder mais de 3000 camponeses com edemas. Fechados sem qualquer assistência médica, várias centenas morreram no espaço de alguns dias (147). Um quadro local deu uma olhadela rápida a Qin Zonghuai, uma das pessoas que sofriam de edemas. «Ele não vai viver, enterrem-no depressa», ordenou, quando uma equipa de inspecção vinha a caminho. «Ele ainda estava a respirar quando o enterraram», concluiu o secretário local do partido (148).


CANIBALISMO

Antes da fome, as regiões rurais eram um mundo de barulho. Vendedores ambulantes enchiam o ar com os seus pregões e alguns usavam chocalhos para publicitar as suas mercadorias. O ruído de gongos, címbalos e foguetes acompanhava tradicionalmente os acontecimentos populares, fossem funerais ou casamentos. Os altifalantes presos nas árvores nas esquinas das ruas e praças das aldeias anunciavam propaganda e música revolucionárias. Camiões e autocarros passavam deixando um rasto de pó amarelo e buzinavam incessantemente. Nos campos, gritavam-se conversas ruidosas, tão altas que os forasteiros podiam confundi-las com discussões azedas.

Porém, depois de anos de fome, desceu um silêncio sinistro e nada natural sobre as regiões rurais. Os poucos porcos que não tinham sido confiscados morreram de fome e doença. As galinhas e os patos já tinham sido abatidos há muito tempo. Não havia pássaros nas árvores, cujas folhas e casca tinham sido arrancadas, deixando as estruturas nuas e ossudas apontadas ao céu vazio. Muitas vezes, as pessoas estavam tão famintas que nem conseguiam falar.

Neste mundo espoliado de todas as camadas que poderiam oferecer sustento, até cascas de árvores e lama, os cadáveres eram muitas vezes enterrados em covas pouco profundas ou deixados simplesmente na berma da estrada. Algumas pessoas comiam carne humana. Essa prática teve início em Yunnan, onde a fome começou no Verão de 1958. No começo, desenterraram-se as carcaças de animais mortos, mas, quando a fome se intensificou, algumas pessoas acabaram por desenterrar, cozer e comer corpos humanos (149). Depressa a prática começou a aparecer em todas as regiões dizimadas pela fome, mesmo numa província relativamente próspera como Guangdong. Por exemplo em Tanbin, em Luoding, uma comuna onde morreu um em cada 20 habitantes em 1960, foram comidas várias crianças (150).

Poucos arquivos oferecem mais do que uma referência oblíqua ao canibalismo, mas alguns relatórios policiais são bastante pormenorizados. Numa pequena aldeia no distrito de Xili, em Gansu, os habitantes sentiram o cheiro de carne a cozer vindo da casa de um vizinho. Denunciaram o homem ao secretário da aldeia, que desconfiou que ele tivesse roubado uma ovelha e foi inspeccionar o local. Descobriu carne armazenada em contentores, bem como um gancho de cabelo, ornamentos e um lenço enterrados no fundo de uma cova. Descobriu-se rapidamente que os artefactos pertenciam a uma menina que tinha desaparecido da aldeia um dia antes. O homem não só confessou o crime como reconheceu que tinha desenterrado e comido os cadáveres de crianças em duas outras ocasiões. Depois de a aldeia ter tomado medidas para impedir a profanação das campas, ele tinha-se tornado assassino (151).


A carne humana era comercializada como tudo o resto no mercado negro. Um camponês que trocou um par de sapatos por um quilo de carne na estação ferroviária de Zhagye descobriu que o pacote continha um nariz humano e diversas orelhas. Decidiu denunciar o achado ao Gabinete de Segurança Pública local (152). Por vezes, para evitar a detecção, a carne humana era misturada com carne de cão quando era vendida no mercado negro (153).

No entanto, poucos relatórios foram compilados segundo um sistema. Sob um regime em que a simples menção à fome podia provocar sarilhos a um quadro, os casos de canibalismo eram camuflados sempre que eram encontrados. Na província de Gansu, o líder provincial Zhang Zhongliang foi informado pessoalmente de uma série de casos em Tongwei, Yumen, Wushan, Jingning e Wudu, mas menosprezou imediatamente as evidências de canibalismo, culpando «maus elementos» (154). Shu Tong, líder de Shandong, também suprimiu as provas de canibalismo, temendo que a sua reputação fosse manchada por notícias adversas (155). Wang Linchi, o líder distrital de Chishui, um dos locais de horror [...], censurou as forças de segurança por prenderem camponeses culpados de canibalismo (156). O tópico era um tabu tão grande, que, num relatório distribuído pelo comando do partido, a culpa pela prática foi atribuída a sabotadores que tinham tentado manchar a reputação do partido exumando cadáveres humanos e fingindo comê-los para publicitar a dimensão da fome (157).

Sobreviveram alguns documentos bastante completos. Um deles foi compilado em Março de 1961, por uma unidade municipal em Linxia, uma cidade a sul de Lanzhou. Linxia era fortemente influenciada pelo Islão, predominantemente povoada pelo povo hui e a capital de uma região onde coexistiam uma dúzia de outras minorias étnicas, incluindo tibetanos, salar, bao'an e dongxhiang. A região sofreu uma colectivização em massa durante o Grande Salto em Frente, que atropelou brutalmente os hábitos e costumes das minorias. Uma investigação da região logo depois da fome mostrou que morreram 54 000 pessoas em apenas dois anos (158). O relatório listava cerca de 50 casos - descobertos na cidade, não em toda a região -, exaustivamente organizados no tipo de lista que tanto agradava aos planeadores, ou seja reduzindo o horror a um mero conjunto de factos e números. Eis os pormenores de quatro desses casos:

Data: 25 de Fevereiro de 1960. Localização: Comuna de Hongtai, Aldeia de Yaohejia. Nome do Culpado: Yang Zhongsheng. Posição: Camponês Pobre. Número de Pessoas Envolvidas: 1. Nome da Vítima: Yang Ershun. Relação com o Culpado: Irmão mais Novo. Número de Pessoas Envolvidas: 1. Tipo de Crime: Morto e Comido. Razão: Questões de Sobrevivência.

Data: [vazio]. Localização: [vazio]. Nome do Culpado: Ma Manai. Posição: Camponês Pobre. Número de Pessoas Envolvidas: Família Inteira de 4 Pessoas. Nome da Vítima: [vazio]. Relação com o Culpado: [vazio]. Número de Pessoas envolvidas: 13. Tipo de Crime: Cadáveres Exumados e Comidos. Razão: Questões de Sobrevivência.

Data: 9 de Janeiro de 1960. Localização: Comuna de Maiji, Aldeia de Zhangsama. Nome do Culpado: Kang Gamai. Posição: Camponês Pobre. Número de Pessoas Envolvidas: 1. Nome da Vítima: Maha Maiji. Relação com o Culpado: Habitante da Aldeia. Número de Pessoas Envolvidas: 1: Tipo de Crime: Esfaqueada até à Morte, Cozinhada e Comida. Razão: Questões de Sobrevivência.

Data: Março de 1960. Localização: Comuna de Hongtai, Porta Xiaogou. Nome do Culpado: Zhu Shuangxi. Posição: Camponesa Pobre. Número de Pessoas Envolvidas: 2. Nome da Vítima: [vazio]. Relação com o Culpado: Marido e Filho mais Novo. Número de Pessoas Envolvidas: 2. Tipo de Crime: Cadáveres Exumados e Comidos. Razão: Questões de Sobrevivência.


A maioria dos culpados na lista praticou necrofagia, quer comendo pessoas que tinham falecido ou exumando e comendo cadáveres depois de estes serem enterrados. As 76 vítimas englobavam-se em três categorias: mortas e comidas (12), comidas após a morte (16) e exumadas e comidas (48). Entre as pessoas que foram assassinadas, aproximadamente metade habitava na aldeia e metade estava de passagem. Apenas um homicídio ocorreu no seio familiar (159).

Linxia não foi excepção. Quando uma equipa de inspectores foi enviada para reavaliar a comuna de Qiaotou no distrito de Shizhu, em Sichuan, no início de 1961, ficou estupefacta com a amplitude do canibalismo. Em vez de tomarem notas de alguns casos para assinalar a prática, como era costume, fizeram o esforço de investigar profundamente uma brigada, com a ajuda do Gabinete de Segurança Pública local. A lista que compilaram apresentou os pormenores sobre 16 vítimas e 18 perpetradores. Aparentemente, a necrofagia tinha começado depois de Luo Wenxui, uma mulher de 70 anos, ter desenterrado e cozinhado os cadáveres de suas crianças pequenas para comer. Em alguns casos, só foram comidas certas partes do corpo. O coração de Ma Zemin, por exemplo, foi retirado com uma colher. Isto pode ter sido por a maioria dos cadáveres já se encontrar num estado avançado de decomposição. Algumas pessoas cobriam a carne com malaguetas (160).

Em russo existe uma distinção entre luidoedstvo, literalmente «comer pessoas», e trupoedstvo, «comer cadáveres». É uma distinção muito útil, que introduz uma diferença necessária num tópico estigmatizado, não apenas pelo partido, mas também pelos seus inimigos, ansiosos por retratar o canibalismo como uma metáfora do próprio sistema. E quando os próprios camponeses contaram e recontaram histórias sobre ladrões de cadáveres, canibais com olhos vermelhos ou famílias que trocavam os filhos entre si antes de os comerem, toda a questão foi exagerada ao ponto de ser vista sob uma nuvem de cepticismo (161).

No entanto, como mostram os casos de Linxia e Qiaotou, muito poucas pessoas eram realmente canibais que matavam para comer. A maioria era necrófaga, pessoas que estenderam as suas técnicas de sobrevivência à ingestão de cadáveres. Como foi tomada a decisão de comer carne humana, terá seguramente variado de pessoa para pessoa. No entanto, enquanto sobreviventes desesperados, todos devem seguramente ter testemunhado muitos dos horrores infligidos a seres humanos vivos, desde partes do corpo a ser cortadas até pessoas a ser enterradas com vida. No meio da violência patrocinada pelo Estado, a necrofagia não foi seguramente a forma mais comum nem a mais generalizada de desonrar um ser humano (ibidem, pp. 438-454).


Notas:

(118) Relatório do comité de supervisão, Chishui, 1961, 2-A6-2, pp. 25-6.

(119) Chishui, 30 de Setembro de 1958, 1-A9-4, pp. 30-1; 14 de Janeiro de 1961, 1-A12-1, pp. 83-7; Dezembro de 1960, 1-A11-30, pp. 67-71; também 25 de Abril de 1960, 1-A11-39, pp. 11-5.

(120) Chishui, 9 de Maio de 1960, 1-A11-9, pp. 5-9.

(121) Ghizhou, 1960, 90-1-2234, p. 24.

(122) Ghizhou, 1962, 90-1-2708, páginas impressas 1-6.

(123) Chishui, 9 de Maio de 1960, 1-A11-9, pp. 5-9.

(124) Carta de Nie Rongzhen para Mao Tsé-tung enviada de Chengdu, em Gansu, 16 de Março de 1960, 91-9-134, p. 2.

(125) Shandong, 1962, A1-2-1130, pp. 39-44.

(126) Shandong, 1962, A1-2-1127, pp. 7-11.

(127) Relatório de Tan Qilong para Shu Tong e Mao Tsé-tung, Shandong, 11 de Abril de 1959. A1-1-465, p. 25.





(128) Confissão de Shu Tong, Shandong, 10 de Dezembro de 1960, A1-1-634, p. 23.

(129) Ibid., p. 9.

(130) Carta para Yang Xuanwu sobre Shu Tong para o comité provincial do partido, Shandong, 9 de Abril de 1961, A1-2-980, p. 15; ver também 1961, A-1-2-1025, pp. 9-10.

(131) Esta é a estimativa de um grupo de historiadores oficiais do partido de Fuyang: Fuyang shiwei dangshi yanjiushi (eds), Zhengtu: Fuyang shebuizbuyi shiqi dangshi zbuanti buibian [Compédio de tópicos especiais sobre a história do partido de Fuyang durante a era socialista], Fuyang: Anhui jingshi wenhua chuanbo youxian zeren gongsi, 2007, p. 155.

(132) Fuyang, 17 de Agosto de 1961, J3-2-280, p. 114.

(133) Fuyang, 12 de Março de 1961, J3-1-228, p. 20; 18 de Agosto de 1961, J3-2-280, p. 126.

(134) Fuyang, 10 de Janeiro de 1961, J3-2-278, p. 85.

(135) Ibid., p. 86.

(136) Fuyang, 12 de Agosto de 1961, J3-1-228, p. 96b.

(137) Fuyang, 17 de Agosto de 1961, J3-2-280, p. 115.

(138) Fuyang, 10 de Janeiro de 1961, J3-2-278, p. 86.

(139) Fuyang, 30 de Janeiro de 1961, J3-2-278, pp. 2-9.

(140) Confissão de Hao Ruyi, líder de Jieshou, Fuyang, 10 de Janeiro de 1961, J3-2-280, p. 48.

(141) Ibid.

(142) Confissão de Zhao Song, líder de Linquan, 15 de Fevereiro de 1961, Fuyang, J3-2-280, p. 91.

(143) Fuyang, 6 de Janeiro de 1961, J3-1-227, pp. 54-5.

(144) Fuyang, 12 de Junho de 1961, J3-2-279, p. 15.

(145) Fuyang, 20 de Março de 1961, J3-2-278, pp. 67 e 69.

(146) Ibid.

(147) Fuyang, 29 de Fevereiro de 1961, J3-2-278, p. 64.

(148) Relatório do secretário do partido Liu Daoqian para o comité regional do partido, Fuyang, 6 de Janeiro de 1961, J3-1-227, pp. 54-5.

(149) Yunnan, 28 de Fevereiro de 1959, 2-1-3700, p. 103.

(150) Guangdong, 1961, 217-1-646, pp. 25-30.

(151) Na época, o distrito de Xili era uma combinação do distrito de Lixian e do distrito de Xihe; relatório da polícia para o Ministério da Segurança Pública, Gansu, 13 de Abril de 1961, 91-9-215, p. 94.

(152) Ibid.

(153) Relatório do grupo de trabalho enviado pelo comité provincial do partido, Shandong, 1961, A1-2-1025, p. 7.

(154) Confissão de Zhang Zhongliang, Gansu, 3 de Dezembro de 1960, 91-18-140, p. 19.

(155) Confissão de Shu Tong, 10 de Dezembro de 1960, A1-1-634, p. 10.


Frank Dikötter


(156) Minutas de reunião do comité distrital do partido, Chishui, 9 de Dezembro de 1960, 1-A11-34, pp. 83 e 96.

(157) Neibu cankao, 14 de Abril de 1960, pp. 25-6.

(158) Gansu, Janeiro-Fevereiro de 1961, 91-18-200, p. 271.

(159) Gansu, 3 de Março de 1961, 91-4-898, pp. 82-7.

(160) Sichuan, 1961, JC1-2608, pp. 93 e 96-7.

(161) Aconteceu aproximadamente a mesma coisa na União Soviética; ver Bertrand M. Patenaude, The Big Show in Bololand: The American Relief Expedition to Soviet Russia in the Famine of 1921, Stanford: Stanford University Press, 2002, p. 262.