sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

A Grande Fome de Mao (i)

Escrito por Frank Dikötter



A Grande Muralha da China


«[...] What surprises many Americans: the regime ruling China was largely put there by the United States. In the 1930s, Japan, then militarily powerful, was the main barrier to Soviet ambitions to communize Asia. Benjamin Gitlow, founding member of the U.S. Communist Party, wrote in I Confess (1940):

When I was in Moscow, the attitude toward the United States in the event of war was discussed. Privately, it was the opinion of all the Russian leaders to whom I spoke that the rivalry between the United States and Japan must actually break out into war between these two.

The Russians were hopeful that the war would break out soon, because that would greatly secure the safety of Russia’s Siberian borders and would so weaken Japan that Russia would no longer have to fear an attack from her in the East.... Stalin is perfectly willing to let Americans die in defense of the Soviet Union.

In 1935, U.S. Ambassador to Moscow William C. Bullitt sent a dispatch to Secretary of State Cordell Hull:

It is … the heartiest hope of the Soviet Government that the United States will become involved in war with Japan.... To think of the Soviet Union as a possible ally of the United States in case of war with Japan is to allow the wish to be father to the thought. The Soviet Union would certainly attempt to avoid becoming an ally until Japan had been thoroughly defeated and would then merely use the opportunity to acquire Manchuria and Sovietize China.

In the 1930s Japan moved troops into Manchuria (northern China). U.S. history books routinely call this an imperialistic invasion. While there is certainly truth in this interpretation, the books rarely mention that Japan was largely reacting, in its own version of the Monroe Doctrine, to the Soviets’ incursions into Asia — namely their seizure of Sinkiang and Outer Mongolia. Anthony Kubek, Chairman of Political Science at the University of Dallas, wrote in How the Far East Was Lost:

It was apparent to Japanese statesmen that unless bastions of defense were built in Manchuria and Inner Mongolia, Communism would spread through all of North China and seriously threaten the security of Japan. To the Japanese, expansion in Manchuria was a national imperative.... But the Department of State seemed not to regard Japan as a bulwark against Soviet expansion in North China. As a matter of fact, not one word of protest was sent by the Department of State to the Soviet Union, despite her absorption of Sinkiang and Outer Mongolia, while at the same time Japan was censured for stationing troops in China.

[...] China had been ruled by emperors until 1911, when the Qing Dynasty was overthrown. The revolution is largely attributed to Sun Yat-sen, who sought to make China a constitutional republic, led by the Kuomintang, or Nationalist Party of China. However, Sun encountered extreme difficulties in unifying the enormous nation under his idealistic principles. After the emperors’ fall, China was largely ruled by local warlords, and following Dr. Sun’s 1925 death, the task of unifying China fell to Chiang Kai-shek, a Christian and Kuomintang leader.


The Soviets tried infiltrating the Kuomintang, but Chiang Kai-shek eventually saw through their schemes, and by 1928 had deported many USSR agents. That same year, 1928, Foreign Affairs, American’s most powerful foreign policy journal, published its first article criticizing Chiang. From then on, he became the enemy of both the Soviet Union and the American establishment — which had ironically sought to support communism since the 1917 Russian Revolution.






Emblema do Kuomintang











[...] But China’s destruction came not only from communists. Fateful decisions resulted when Roosevelt met with Stalin at the Teheran Conference (late 1943) and Yalta Conference (February 1945). Stalin, though our ally against Germany during World War II, maintained a nonaggression pact with Japan. This suited Stalin, as he wished the Japanese to wear down China’s Nationalist forces.


At the Teheran and Yalta wartime conferences, however, Roosevelt asked Stalin if he would break his pact with Japan and enter the Far East war. Stalin agreed, but attached conditions. He demanded that America completely equip his Far Eastern Army for the expedition, with 3,000 tanks, 5,000 planes, plus all the other munitions, food, and fuel required for a 1,250,000-man army. Roosevelt accepted this demand, and 600 shiploads of Lend-Lease material were convoyed to the USSR for the venture. Stalin’s Far Eastern Army swiftly received more than twice the supplies we gave Chiang Kai-shek during four years as our ally.

General Douglas MacArthur protested after discovering that ships designated to supply his Pacific forces were being diverted to Russia. Major General Courtney Whitney wrote: “One hundred of his transport ships were to be withdrawn immediately, to be used to carry munitions and supplies across the North Pacific to the Soviet forces in Vladivostok.... Later, of course, they were the basis of Soviet military support of North Korea and Red China.”


But Stalin didn’t just want material in return for entering the Asian war. He also demanded control of the Manchurian seaports of Dairen and Port Arthur — which a glance at the map shows would give him an unbreakable foothold in China — as well as joint control, with the Chinese, of Manchuria’s railroads. Roosevelt made these concessions without consulting the Chinese. Thus, without authority, he ceded to Stalin another nation’s sovereign territory. The president made these pledges without the knowledge or consent of Congress or the American people.


The State Department official representing the United States in drawing up the Yalta agreement was Alger Hiss — subsequently exposed as a Soviet spy. General Patrick Hurley, U.S. Ambassador to China, wrote: “American diplomats surrendered the territorial integrity and the political independence of China … and wrote the blueprint for the Communist conquest of China in secret agreement at Yalta.”

The decision to invite and equip Stalin — a known aggressor — into the Far East must go down among the worst acts of U.S. foreign policy. Stalin’s divisions entered China to fight the already-beaten Japanese on August 9, 1945 — five days before Japan’s surrender. The atom bomb had already pounded Hiroshima.

After barely firing a shot, the Soviets received surrender of Japan’s huge arsenals in Manchuria. These, with their American Lend-Lease supplies, they handed over to Mao Tse-tung’s communists to overthrow the Nationalist government.

[...] Dean Acheson, who as a young attorney had represented Soviet interests in America, became Assistant Secretary of State in 1941. As such, he ensured the State Department’s Far Eastern Division was dominated by communists and pro-communists, including Alger Hiss (subsequently proven a Soviet spy); John Carter Vincent, director of the Office of Far Eastern Affairs, later identified by Daily Worker editor Louis Budenz as a communist; John Stewart Service, Foreign Service Officer in China who turned State Department information over to the Chinese communists, and was arrested by the FBI in the Amerasia spy case (about which more later); Foreign Service Officer John P. Davies, who consistently lobbied for the communists; Owen Lattimore, appointed U.S. adviser to Chiang Kai-shek but identified as a communist by ex-communists Whittaker Chambers and Elizabeth Bentley; and several others.



Dean Acheson




























“The Communists relied very strongly on Service and John Carter Vincent,” said Budenz, “in a campaign against Ambassador Hurley.” Hurley, an honest statesman, was shocked by the maneuverings of those under him. “The professional foreign service men,” he reported to President Truman, “sided with the Communists’ armed party.”


Hurley was compelled to dismiss 11 State Department members. Upon return from China, however, they were mysteriously promoted, and some became Hurley’s superiors — after which he resigned. “These professional diplomats,” he wrote, “were returned to Washington and were placed in the Far Eastern and China divisions of the State Department as my supervisors.”



[...] At World War II’s close, Mao’s troops, armed by the Russians — both from American Lend-Lease and captured Japanese arsenals — began a full assault on the Nationalist government. Mao’s rebellion would have undoubtedly failed if not for interventions by George Marshall, whom President Truman designated his special representative to China.


Marshall had a remarkable penchant for being in “the wrong place at the wrong time.” President Franklin D. Roosevelt had advanced him over dozens of senior officers to become U.S. Army Chief of Staff. In that capacity, on December 7, 1941, he absented himself from his office on a notoriously long “horseback ride,” while junior officers sought his permission to warn Pearl Harbor of the impending attack. During the Korean War, he was conveniently named Secretary of Defense; as such he overruled General MacArthur, saving the Yalu River’s bridges from destruction by the U.S. Air Force, and thus permitting Communist Chinese soldiers to invade Korea, which precluded victory by MacArthur, guaranteeing the stalemate that ultimately occurred. Regardless of where Marshall served, his actions fortified communism and defeated American interests — a record summarized by the wrongfully maligned Senator Joseph McCarthy in his book America’s Retreat from Victory: The Story of George Catlett Marshall.

Before leaving for China, Marshall revealed he already accepted the communist propaganda line. Five-star Fleet Admiral William Leahy reported: “I was present when Marshall was going to China. He said he was going to tell Chiang that he had to get on with the Communists or without help from us. He said the same thing when he got back.” And when told Mao Tse-tung and his followers were communists, Marshall remarked: “Don’t be ridiculous. These fellows are just old-fashioned agrarian reformers.”

When Marshall first arrived in China, the Nationalists outnumbered the communists 5-1 in both troops and rifles, and were successfully driving them back. Marshall, however, imposed a total of three truces — which the communists violated, allowing them to regroup, bring up Soviet supplies, and further train their guerillas. This expanded their control from 57 Chinese counties to 310. General Claire Chennault recounted the impact of Marshall’s truces:

North of Hankow some 200,000 government troops had surrounded 70,000 Communist troops and were beginning a methodical job of extermination. The Communists appealed to Marshall on the basis of his truce proposal, and arrangements were made for fighting to cease while the Communists marched out of the trap and on to Shantung Province, where a large Communist offensive began about a year later. On the East River near Canton some 100,000 Communist troops were trapped by government forces. The truce teams effected their release and allowed the Communists to march unmolested to Bias Bay where they boarded junks and sailed to Shantung.

Marshall’s disastrous 15-month China mission ended in January 1947. Upon his return to the United States, President Truman rewarded his failures with appointment as Secretary of State. Marshall imposed a weapons embargo on the Nationalists, while the communists continued receiving a steady weapons supply from the USSR. Marshall boasted that he disarmed 39 anti-communist divisions “with a stroke of the pen.” This doomed Chinese freedom.










[...] Critical to the China sellout was manipulation of U.S. public opinion. A plethora of books and news reports perpetuated the myth that Mao’s communists were “democratic agrarian reformers,” even though, once in power, they established a totalitarian communist dictatorship, executing tens of millions of Chinese, in an orgy of atrocities that reached its height during the bloody Cultural Revolution. Chiang Kai-shek and the nationalists were portrayed as “fascist,” “reactionary,” and “corrupt.”


Soviet Prime Minister Vyacheslav Molotov outlined this strategy:

Who reads the Communist papers? Only a few people who are already Communists. We don’t need to propagandize them. What is our object? Who do we have to influence? We have to influence non-Communists if we want to make them Communists or if we want to fool them. So, we have to try to infiltrate in the big press.

The most influential U.S. writers fulfilling this were probably Edgar Snow, author of the pro-communist book Red Star Over China, and Owen Lattimore, author of Thunder Out of China, a Book-of-the-Month selection that attacked Chiang Kai-shek. Writing in the Saturday Review, Snow audaciously told readers, “There has never been any communism in China.” And he reported in the Saturday Evening Post that Chu Teh, Mao’s military commander, possessed the “kindliness of Robert E. Lee, the tenacity of Grant and the humility of Lincoln.”

In his monumental book While You Slept, John T. Flynn exposed the media bias favoring Chinese communists. Between 1943 and 1949, 22 pro-communist books appeared in the U.S. press, and only seven pro-Nationalist ones. Also, reported Flynn:

Every one of the 22 pro-Communist books, where reviewed, received glowing approval in the literary reviews, I have named — that is, in the New York Times, the Herald-Tribune, the Nation, the New Republic and the Saturday Review of Literature. And every one of the anti-Communist books was either roundly condemned or ignored in these same reviews.

One reason the pro-communist books received such favor: reviews were written by writers of other such books. Flynn documented that 12 authors of the 22 pro-Red Chinese books wrote 43 complimentary reviews of the others’ books. This cozy “in-house” system guaranteed laudatory reviews. It left the American public — which generally knew little of Asian affairs — with indelible impressions. So severe was the bias, Flynn noted, that New York Times reviews were barely distinguishable from those in the communist Daily Worker.

[...] Perhaps the most sinister influence on America’s Far East policy and opinion was the now-defunct Institute of Pacific Relations (IPR). The recipient of grants from the Rockefeller and Carnegie foundations, the institute published hundreds of thousands of pamphlets on China for U.S. public schools and the military. These pamphlets extended the myth that the communists were “agrarian reformers” and the Nationalists “fascists.” The Senate Internal Security Subcommittee eventually found IPR included 54 persons connected with the communist world conspiracy. Among them were such communists or pro-communists as Alger Hiss, Frederick Vanderbilt Field, Owen Lattimore, and John Stewart Service. Alexander Barmine, a brigadier general who defected from the Communist Army, testified IPR was “a cover shop for military intelligence work in the Pacific.”

The IPR organized a magazine, Amerasia. In 1945, U.S. officials were shocked when Amerasia published an article reprinting — almost word-for-word — a top-secret government document. Agents of the OSS (the CIA’s forerunner) invaded Amerasia’s offices and discovered 1,800 documents stolen from the American government, including papers detailing the disposition of Nationalist army units in China. The magazine had been a cover for Soviet spying.


Although the FBI arrested numerous Amerasia employees for espionage, all the cases were either completely dismissed or dispensed with fines. John Stewart Service, despite arrest for giving stolen government documents to Amerasia editor Philip Jaffe, was rewarded by Dean Acheson, who put Service in charge of State Department placements and promotions. This was not the only time powerful “hidden hands” have conspired against American interests.

























Quartel-General da National Security Agency (NSA), em Fort Meade, Maryland.



National Security Operations Center (NSOC). Ver aqui



Royal Air Force Menwith Hill. Ver aqui













[...] The embargo and subsequent sabotaging of congressionally mandated aid to the Nationalists spelled their doom. In 1949, the communists completed conquest of China. Chiang Kai-shek and approximately two million followers escaped to Formosa (now called Taiwan), where they maintained the Republic of China’s government, establishing the island as a bastion of freedom.

The propaganda myth that Mao Tse-tung was an “agrarian reformer” evaporated as he formed a totalitarian communist regime, slaughtering millions. Acheson and the State Department clique still hoped to recognize Communist China, but after Mao’s thugs seized U.S. consular officers, imprisoned and even murdered our citizens, and poured their troops into Korea to kill American soldiers, this U.S. recognition of China ended up being deferred for many years.

The China disaster did not result from “blunders.” Congressman Walter Judd, an acknowledged Far East expert, said: “On the law of averages, a mere moron once in a while would make a decision that would be favorable to the United States. When policies are advocated by any group which consistently work out to the Communists’ advantage, that couldn’t be happenstance”».

James Perloff («China Betrayed Into Communism», in The New American, Friday, 24 July 2009).





A GRANDE FOME DE MAO


O GULAG

Shen Shanqing, um homem de 54 anos que trabalhava numa quinta colectiva em Xangai, cometeu um erro fatal num dia de Verão em 1958. Em vez de juntar água ao estrume para reduzir os sólidos, despejou o fertilizante, sem o diluir, directamente numa plantação de cenouras. Shen estava obviamente mais interessado em coleccionar pontos de trabalho do que em devoção altruísta ao Grande Salto em Frente na agricultura. E também era descarado. Em vez de mostrar contrição depois da sua detenção, afirmou provocadoramente que a comida era escassa e na prisão teria pelo menos cama e comida. Um escrutínio mais minucioso revelou que Shen também tinha caluniado o partido dois anos antes. Foi mandado rapidamente para um campo de trabalho durante 10 anos nas planícies áridas de Qinghai, 2000 quilómetros a noroeste de Xangai. O seu cadastro mostra que foi libertado em Setembro de 1968, doente e destruído, disposto a escrever as confissões mais humilhantes, desde o seu «acto deliberado de sabotagem» 10 anos antes, até àquela que parecia ser a sua maior infracção durante uma década de trabalhos forçados, nomeadamente, a destruição acidental de «propriedade do governo» sob a forma de uma vidraça (1).

A sua pena foi severa, mas muitas pessoas comuns enfrentaram um período de um a cinco num campo por delitos insignificantes. A maior parte das provas está muito bem trancada nos arquivos fechados dos gabinetes de segurança pública, mas os relatórios de crime e castigo eram ocasionalmente copiados para outros orgãos do partido, como foi o caso de um documento a pormenorizar que em Nanjing, no Verão de 1959, até os pequenos furtos eram condenados a penas que iam dos cinco aos 10 anos (2). Em Pequim, um registo prisional interno com pormenores de 400 presos do sexo masculino mostra que uma sentença de cinco a 10 anos por pequenos crimes não era nada fora do normal. Ding Baozhen, um camponês que se tinha juntado ao Exército de Libertação Popular em 1945 e foi desmobilizado uma década mais tarde, surripiou dois pares de calças num valor total de 17 iuanes. A 11 de Fevereiro de 1958, começou a cumprir uma pena de 12 anos. Chen Zhiwen, um camponês analfabeto que roubava viajantes na estação rodoviária de Qianmen na capital, foi condenado a 15 anos de prisão. Outro pedinte, que ganhava a vida como guardador de vacas antes de ir para a capital em 1957, foi apanhado a roubar diante do Grande Armazém de Pequim: também ele foi condenado a 15 anos de prisão (3).

No entanto, foram mortas menos pessoas que em anos anteriores - pelo menos depois de 1958. A política era «aprender menos, matar menos e supervisionar menos», explicou o ministro da Segurança Pública Xie Fuzhi ao seu pessoal em Abril de 1960. A morte por execução, como tudo o resto na economia planificada, era número, uma meta para ser alcançada, um quadro estatístico onde tinham de ser acrescentados números: Xie Fuzhi anunciou mais baixo que no ano anterior. Em 1959 foram mortas cerca de 4500 pessoas (o termo era sempre matar, sha, pois os regimes comunistas raramente sentiam a necessidade de disfarçar a morte jurídica com eufemismos como «pena de morte» ou «pena capital»), enquanto 213 000 pessoas foram presas e outras 677 000 foram humilhadas em público (4).

Não é fácil encontrar estes dados sensíveis, mas um documento de segurança pública de Hebei mostra como isto funcionava a nível provincial. Na província que rodeava a capital, cerca de 16 000 «contrarrevolucionários» foram detidos em 1958, o triplo dos dois anos anteriores, tal como 20 000 criminosos comuns, o número mais elevado desde 1949, com excepção de 1955. Esses números caíram drasticamente em 1959, ano em que as autoridades detiveram 1900 «contrarrevolucionários» e 5000 criminosos de delitos comuns. Pouco mudou em 1960 e 1961, exceptuando que o número de delinquentes comuns desceu para pouco mais de 1000 (5). Cerca de 800 foram mortos em 1959 (6).




Poucos podem ter sido mortos, mas até agora uma curta estada num campo de trabalho podia significar doença e morte. Uma constelação de campos de trabalho estendia-se pelas regiões mais inóspitas do país, desde o «grande ermo do Norte», como eram conhecidas as vastas extensões de Heilongjiang, até às montanhas e desertos áridos de Qinghai e Gansu, no Nordeste. A vida era miserável e até frágil fora do sistema do gulag, mas, no interior das minas de sal e urânio, das fábricas de tijolos, das quintas estatais e dos campos de trabalho, um regime brutal combinou-se com a fome generalizada para enterrar um em cada quatro ou cinco detidos. Em Huangshui, em Sichuan, mais de um terço dos detidos morreu de fome (7). Em Jiabiangou, uma zona de dunas de areia perto do deserto de Gobi em Gansu, o primeiro grupo de 2330 pessoas chegou em Dezembro de 1957. Quando os presos foram transferidos para outra quinta, em Setembro de 1960, 1000 já tinham morrido em condições abjectas. A estas mortes seguiram-se mais 640 em Novembro e Dezembro, quando o campo foi finalmente fechado na sequência da queda de Zhang Zhongliang do poder (8). Globalmente, em toda a província, em Junho de 1960, cerca de 82 000 presos trabalhavam em campos de «reforma através do trabalho» (9). Em Dezembro de 1960, só restavam 72 000 presos, tendo aproximadamente 4000 morrido só naquele mês (10). As taxas anuais de mortalidade mais baixas em campos de trabalho registadas nos arquivos consultados para este livro foram de 4 a 8 por cento por ano desde 1959 até 1961 em Hebei, que tinha apenas alguns milhares de presos (11).

Qual era o tamanho da população dos laogai, ou «campos de reforma através do trabalho»? Xie Fuzhi avalia o total - excluindo o Tibete - em 1,8 milhão em 1960. Os presos trabalhavam em 1077 fábricas, minas e pedreiras, bem como em 440 quintas (12). Uma taxa de mortalidade aproximada de 5 por cento em 1958 e 1962 e 10 por cento ao ano entre 1959 e 1961 ascenderia a 700 000 mortes por doença e inanição. Não admira que algumas pessoas quisessem fugir. Mas a vigilância era apertada, até porque os campos de trabalho davam um contributo crucial para a economia nacional - estimado por Xie Fuzhi em 1960 nos 3 mil milhões de iuanes por ano, sem contar com as 750 000 toneladas de produtos das quintas (13).

Os «campos de reforma através do trabalho» eram apenas uma parte de um sistema muito mais vasto de gulags. As pessoas que eram sujeitas a sessões de luta ou colocadas sob vigilância formal - pouco menos de um milhão em 1959 - eram muitas vezes enviadas para uma prisão local (14). E, mais importante, entre 1957 e 1962 a justiça formal foi reduzida. Como sempre, isto começou no topo, na pessoa de Mao Tsé-Tung. Em Agosto de 1958, Mao anunciou que «Cada resolução do nosso partido é uma lei. Quando temos uma conferência, ela torna-se lei [...]. A grande maioria das regras e regulamentos (90 por cento) é emitida pela administração judiciária. Não devemos basear-nos neles, devemos basear-nos essencialmente em resoluções e conferências, quatro [conferências] por ano em vez da lei de direito comum e da lei de direito criminal para manter a ordem» (15).

A palavra do Presidente foi de facto lei, quando os comités do partido - «com o apoio das massas» - se encarregaram das questões judiciárias. Foi esta pressão política que provocou a abolição do Ministério da Justiça em 1959. Nas regiões rurais, isto significou que o poder passou das autoridades judiciárias para as milícias locais. Em todo o distrito de Ningjin, em Hebei, com uma população de 830 000 pessoas, apenas 80 quadros eram responsáveis pela polícia, pelo inspectorado e pelos tribunais. Era metade do que existia antes do advento das comunas populares (16).

As milícias locais basearam-se numa dimensão completamente nova acrescentada ao mundo do encarceramento a partir de Agosto de 1957, nomeadamente a «reeducação através de campos de trabalho», chamada laojiao. Os criminosos de delito comum como Shen Shanqing eram condenados por um tribunal popular, mas os presos em campos de reeducação não eram sujeitos a quaisquer procedimentos judiciários e podiam ser detidos indefinidamente - até estarem plenamente «reeducados». Em contraste com os «campos de reforma através do trabalho», eles não eram organizados pelo Ministério da Segurança Pública, mas por províncias, cidades, distritos, comunas populares e até aldeias. Qualquer pessoa suspeita de furto, vadiagem, difamação do partido, pintura de slogans reaccionários nas paredes, obstrução do trabalho ou realização de um acto considerado contrário ao espírito do Grande Salto em Frente podia ser presa num campo de reeducação. Estes campos eram tão duros como os campos de trabalho mais formais e, depois de 1957, multiplicaram-se por toda a parte. Xie Fuzhi referiu 440 000 presos em campos de reeducação em 1960, mas o que ele via à distância do seu gabinete em Pequim não era mais do que a ponta de um icebergue (17).









Laogai Museum (Dupont Circle, Washington, D. C.).





Só a partir do fim de 1960, quando foram mandadas equipas para as regiões rurais para supervisionar uma expurgação de quadros locais, é que as dimensões do encarceramento local vieram finalmente à luz. Não havia praticamente nenhuma cooperativa que não tivesse o seu gulag privado, apoiado pelas poderosas milícias criadas no Verão de 1958. Inúmeros relatórios mencionaram como esta ou aquela unidade - esquadras de polícia locais, equipas de aldeias, comunas populares - tinha estabelecido um «campo de castigo privado» (sili xingchang). Por cada criminoso como Shen Shanqing formalmente entregue aos tribunais, vários contornavam o sistema judiciário e acabavam numa prisão local. O tamanho deste mundo-sombra nunca será conhecido. Como vimos, na comuna-modelo de Xushui, Guozhong edificou um complexo sistema de gulags que se estendia do distrito até cada brigada. Continha 1, 5 por cento da população local (18). Em Fengxian, próximo de Xangai, os camponeses eram levados rotineiramente para campos de trabalho especiais, um dos quais criado especificamente para prender crianças desobedientes (19). No distrito de Kaiping, uma única brigada gabava-se de ter nada menos que quatro campos, e centenas de pessoas eram mandadas para lá por poucos dias ou por períodos mais longos, que podiam ir até aos 150 dias. Quando estavam nos campos, muitas pessoas eram espancadas ou torturadas, algumas ficaram estropiadas para toda a vida (20). Por vezes, as pessoas nem sequer eram trancadas numa prisão formal. Para dar o exemplo, um quadro em Kaiping acorrentou uma avó acusada de roubo durante 10 dias na cantina usando grilhões de 4,5 quilos. Um jovem elemento das milícias acendia fósforos para lhe queimar os pés (21).

Em todo o país foram criados campos especiais e sanções especiais, pois a justiça local tinha carta-branca. No distrito de Yinjiang, em Guizhou, os presos de um campo tinham o carácter que significa «roubo» pintado na testa com tinta vermelha. Em toda a província, as comunas populares criaram «centros de treino» (jixundui), para onde eram mandados para «reeducação» e obrigados a realizar trabalhos forçados aqueles que expressavam opiniões críticas ou se recusavam a assistir a reuniões (22). O Gabinete de Segurança Pública em Liuzhou também estabeleceu vários «campos de treinos» em 1959, para cuidar de elementos subversivos que se opunham à colectivização (23). No distrito de Yanqing, a norte de Pequim, a mais leve suspeita de preguiça resultava em detenção: um homem de 62 anos passou um mês preso por não ter apanhado pardais suficientes (24).

Se, por cada criminoso entregue ao sistema formal de justiça, cerca de três ou quatro pessoas tenham sido presas num campo de reeducação local, a população total de presos terá atingido os oito a nove milhões em qualquer ano durante o Grande Salto em Frente (1,8 a 2 milhões em campos de trabalho, 6 a 8 milhões em campos de reeducação). O número total de mortes por doença e inanição, anteriormente estimado de forma conservadora em cerca de 700 000 em campos de trabalho formais, terá de ser multiplicado por três ou quatro, o que significa que pelo menos três milhões de pessoas morreram em gulags durante a fome (25). A taxa de mortalidade era elevada, mas, comparada com a União Soviética na década de 1930, a taxa de encarceramento era relativamente baixa. Isto deve-se ao facto de comparativamente poucas pessoas cumprirem pena por crimes. Em vez disso, eram espancadas e privadas de comida.


VIOLÊNCIA

O terror e a violência eram as bases do regime. Para ser eficaz, o terror tinha de ser arbitrário e implacável. Tinha de ser bastante generalizado para chegar a todos, mas não tinha de reclamar muitas vidas. Este princípio era bem compreendido. «Matar uma galinha para assustar o macaco» era um dito tradicional. Os quadros que obrigavam os camponeses em Tongzhou - nos arredores da capital - a ajoelhar-se antes de lhes baterem chamavam-lhe «castigar um para dissuadir cem» (26).

Porém, durante o Grande Salto em Frente aconteceu uma coisa de uma natureza completamente diferente nas regiões rurais. A violência tornou-se uma ferramenta rotineira de controlo. Não era usada ocasionalmente em alguns para provocar medo na maioria, mas dirigida de forma sistemática e habitual contra qualquer pessoa vista a mandriar, obstruir ou protestar, e ainda mais a furtar ou roubar - uma maioria dos camponeses. Todos os incentivos importantes para o trabalho do cultivador foram destruídos - a terra pertencia ao Estado, os cereais que o cultivador produzia eram comprados a um preço muitas vezes inferior ao custo de produção, o seu gado, ferramentas e utensílios já não lhe pertenciam e muitas vezes até a sua casa era confiscada. Por outro lado, o quadro local enfrentava uma pressão maior do que nunca para cumprir e ultrapassar o plano, sendo obrigado a chicotear a mão de obra em implacáveis esforços sucessivos.

O matraquear constante da propaganda pode ter ajudado nos primeiros tempos do Grande Salto em Frente, mas as reuniões diárias a que os camponeses eram obrigados a assistir contribuíam para generalizar a privação de sono. «Reuniões todos os dias, altifalantes por toda a parte», recordou Li Popo quando entrevistado acerca da fome em Sichuan (27). As reuniões, algumas da quais demoravam vários dias, estavam de facto no centro da colectivização, mas não eram tanto um fórum de democracia socialista, onde as massas camponesas expressavam abertamente as suas opiniões, como um local de intimidação onde os quadros repreendiam, atormentavam, ameaçavam e gritavam durante horas a fio até ficarem roucos. Os camponeses eram acordados muitas vezes a meio da noite para trabalhar nos campos depois de um serão passado numa reunião na aldeia, por isso dormiam menos de três ou quatro horas por dia numa época de lavra (28).














Em todo o caso, quando a promessa de utopia seria seguida por mais um turno de trabalho extenuante, a disponibilidade para trocar trabalho duro por promessas vãs foi desaparecendo gradualmente. Em breve, a única forma de fazer com que uma mão de obra exausta obedecesse era a ameaça de violência. Nada a não ser o medo da fome, dor ou morte parecia capaz de galvanizá-la. Em alguns lugares, os camponeses e os quadros tornaram-se tão embrutecidos, que a dimensão e o nível da coerção tinham de ser constantemente aumentados, criando uma espiral ascendente de violência. Com muito menos cenouras para oferecer, o partido apoiava-se muito mais fortemente no pau.

O pau era a arma de eleição nas regiões rurais. Era barato e versátil. Um movimento do bastão castigava um vagabundo, enquanto uma série de golpes podia lacerar as costas dos elementos mais teimosos. Em casos sérios, as vítimas eram amarradas e espancadas. As pessoas eram obrigadas a ajoelhar-se sobre conchas partidas e, depois, sovadas. Aconteceu, por exemplo, a Chen Wuxiong, que se recusou a trabalhar num projecto de irrigação muito longe de casa. Foi obrigado a ajoelhar-se e a segurar um pesado tronco sobre a cabeça, enquanto era espancado com um pau pelo quadro local Chen Longxiang (29). Como os camponeses esfomeados sofriam frequentemente de edemas, escorria-lhes líquido pelos poros a cada golpe do pau. Era comum usar-se a expressão «espancado até sair a água toda», que foi por exemplo o caso de Lu Jingfu, um camponês perseguido por um bando de rufiões. O líder do bando, Ren Zhongguang, primeiro secretário do partido da comuna de Napeng, no distrito de Qin, estava tão enraivecido que espancou o homem durante 20 minutos (30).

Os funcionários do partido davam muitas vezes o exemplo. O relatório compilado pelo comité local do partido que investigou abusos numa comuna em Qingyuan explicou que o primeiro secretário do partido, Deng Zhongxing, espancou pessoalmente mais de 200 camponeses, matando 14, numa tentativa de cumprir as quotas (31). Os miolos de Liu Shengmao, demasiado doente para trabalhar no reservatório de Huaminglou, em Hunan, ficaram espalhados devido à tareia que recebeu do secretário da brigada, que continuou a massacrar o seu corpo sem vida numa fúria cega (32). Ou Desheng, secretário do partido de uma comuna em Hunan, esmurrou sozinho 150 pessoas, quatro das quais morreram. «Quem quer pertencer ao partido tem de saber espancar pessoas», era o seu conselho aos novos recrutas (33). No distrito de Daoxian - «é um campo de tortura por toda a parte», escreveu uma equipa de investigação -, os camponeses eram agredidos com mocas regularmente. Um chefe de equipa espancou pessoalmente 13 pessoas até à morte (outras nove faleceram posteriormente devido aos ferimentos) (34). Alguns destes quadros eram verdadeiros bandidos e até a sua aparência incutia medo. No distrito de Nanhai, o chefe de brigada Liang Yanlong andava com três armas e percorria a aldeia com um grande casaco de pele (35). Li Xianchun, chefe de equipa em Hebei, injectava-se diariamente com morfina e pavoneava-se pela aldeia com calças vermelhas berrantes, a praguejar em voz alta e a bater aleatoriamente em quem tinha o azar de chamar a sua atenção (36).

Globalmente, em todo o país, talvez cerca de metade dos quadros agredia regularmente a soco ou com paus as pessoas que devia servir, como demonstram inúmeros relatórios. Quatro mil dos 16 000 camponeses que trabalharam no reservatório de Huangcai, em Hunan, durante o Inverno de 1959-60 foram pontapeados e espancados e 400 morreram em resultado das agressões (37). Numa comuna de Luoding, em Guangdong, mais de metade dos quadros batiam nos camponeses; cerca de 100 foram agredidos com mocas até à morte (38). Uma investigação mais minuciosa sobre Xinyang em Henan, mostrou que mais de um milhão de pessoas morreram em 1960. A maioria morreu de fome, mas aproximadamente 67 000 foram espancadas até à morte pelas milícias (39).

O pau era comum, mas era apenas uma ferramenta no arsenal de horror engendrado pelos quadros locais para humilhar e torturar aqueles que não conseguiam aguentar. Quando as regiões rurais mergulharam na fome, teve de ser infligida uma violência ainda maior aos famintos, para os levar para os campos. O engenho da minoria para infligir dor e sofrimento à maioria parecia ilimitado. As pessoas eram atiradas para lagos, por vezes amarradas, por vezes despidas. Em Luoding, um rapaz de 10 anos foi amarrado e atirado para um pântano por ter roubado algumas espigas de trigo. O menino morreu alguns dias depois (40).




As pessoas eram despidas e deixadas ao frio. Por roubar um quilo de feijões, o agricultor Zhu Yufa foi multado em 120 iuanes. As suas roupas, cobertor e esteira foram confiscados, depois Zhu foi despido e submetido a uma sessão de luta (41). Numa comuna em Guangdong, onde milhares de camponeses foram mandados para trabalhos forçados, retirou-se a roupa aos retardatários a meio do inverno (42). Noutro lugar, na presa de terminar um reservatório, mais de 400 camponeses foram obrigados a trabalhar com temperaturas negativas sem roupas adequadas. Não houve excepções para as mulheres grávidas. Pensava-se que o frio obrigaria os camponeses a trabalhar mais vigorosamente (43). Em Liuyang, em Hunan, uma equipa de 300 homens e mulheres foi obrigada a trabalhar de peito nu no meio da neve. Um em cada sete morreu (44).

No Verão, as pessoas eram obrigadas a ficar ao sol abrasador com os braços abertos (outras tinham de se ajoelhar em pedras ou vidro partido). Isto aconteceu desde Sichuan, no Sul, até Liaoning, no Norte (45). Também se queimavam pessoas com ferramentas incandescentes. Agulhas quentes eram usadas para queimar umbigos (46). Quando os camponeses recrutados para trabalhar num reservatório na comuna de Lingbei se queixavam de dor, as milícias queimavam-lhes os corpos (47). Em Hebei, os habitantes eram marcados com um ferro em brasa (48). Em Sichuan, houve pessoas regadas com petróleo e incendiadas, e algumas morreram mesmo (49).

Despejava-se água a ferver sobre as pessoas. Como o combustível era escasso, era mais comum a cobri-las com urina e excrementos (50). Uma mulher de 80 anos que teve a temeridade de acusar o chefe de equipa de ter roubado arroz pagou o preço quando foi encharcada com urina (51). Na comuna de Longgui, perto de Shantou, as pessoas que não conseguiam acompanhar o ritmo de trabalho eram empurradas para um monte de excrementos, obrigadas a beber urina ou eram queimadas nas mãos (52). Noutro lugar, uma mistura de excrementos diluídos com água foi despejada na garganta de uma vítima. Huang Bingyin, um camponês enfraquecido pela fome, roubou uma galinha mas foi apanhado e obrigado pelo chefe da aldeia a engolir excrementos de vaca (53). Liu Desheng, culpado de roubar uma batata-doce, foi coberto de urina. Ele, a mulher e o filho também foram obrigados a entrar numa pilha de excrementos. Depois, quando o homem se recusou a comer excrementos, foram usadas tenazes para lhe manter a boca aberta. Liu morreu três semanas depois (54).

As mutilações aconteciam por toda a parte. Rapava-se cabelo (55). Cortavam-se orelhas e narizes. Depois de Chen Di, um camponês de Guangdong, roubar alguma comida, foi amarrado pelo miliciano Chen Qiu, que lhe cortou uma das orelhas (56). O caso  de Wang Ziyou foi comunicado ao comando central: cortaram-lhe uma orelha, amarraram-lhe as pernas com arame, fizeram-lhe cair sobre as costas uma pedra de 10 quilos e depois marcaram-no com um ferro em brasa - como castigo por desenterrar uma batata (57). No distrito de Yuanling, em Hunan, espancavam-se testículos, marcavam-se solas dos pés com ferros em brasa e enchiam-se narizes com grãos de pimenta quentes. Pregavam-se orelhas à parede (58). Na região de Liuyang, em Hunan, usou-se fio de ferro para acorrentar camponeses (59). Em Jianyang, em Sichuan, fazia-se passar pelas orelhas dos ladrões um fio de ferro que pendia um pedaço de cartão onde se lia «ladrão habitual» (60). A outros, eram inseridas agulhas debaixo das unhas (61). Em várias zonas de Guangdong, os quadros injectavam água salgada em pessoas com agulhas usadas normalmente no gado (62).

Por vezes, maridos e mulheres eram obrigados a bater uns nos outros, alguns até à morte (63). Um homem idoso, quando entrevistado para este livro em 2006, soluçou baixinho ao recordar como, quando era rapaz, ele e outros habitantes da aldeia tinham sido obrigados a espancar uma avó, amarrada no templo por ter tirado lenha da floresta (64).




As pessoas eram intimidadas com execuções e enterros simulados (65). Também eram enterradas vivas. Era uma prática mencionada frequentemente nos relatórios sobre Hunan. As pessoas eram trancadas numa cave e deixadas a morrer num silêncio arrepiante depois de um período de gritos frenéticos e de tentativas de abrir o alçapão (66). A prática foi vulgar o suficiente para inspirar uma investigação do cacique provincial Zhou Xiaozhou durante uma visita ao distrito de Fengling em Novembro de 1958 (67).

A humilhação era a fiel companheira da dor. Em toda a parte se exibiam as pessoas - por vezes com orelhas de burro, por vezes com um cartaz nas costas e outras vezes completamente nuas (68). Pintavam-se rostos com tinta preta (69). As pessoas recebiam cortes de cabelo yin e yang, ficando com metade da cabeça rapada e a outra metade com cabelo (70). Os insultos verbais eram frequentes. Dez anos mais tarde, durante a Revolução Cultural, os Guardas Vermelhos inventaram muito pouco.

O castigo também se estendia à outra vida. Por vezes, os cadáveres de pessoas que tinham sido espancadas até à morte eram simplesmente deixados a apodrecer na beira das estradas, destinados a tornar-se párias na outra vida, pois os seus fantasmas errantes - segundo a crença popular - nunca poderiam descansar sem os devidos ritos fúnebres. Junto de algumas sepulturas eram colocadas placas. Na comuna de Longgui, em Guangdong, onde um em cada cinco habitantes morreu em 1959, algumas pessoas foram apressadamente enterradas na berma da estrada e o local foi marcado com uma placa com a palavra «preguiçosos» (71). Em Shimen, em Hunan, toda a família de Mao Bingxiang morreu de fome, mas o chefe da brigada recusou-se a dar-lhes um enterro. Passada uma semana, as ratazanas tinham-lhes comido os olhos. Mais tarde, os habitantes da aldeia contaram a uma equipa de investigação que «nós, povo, nem sequer somos como os cães, ninguém nos enterra quando morremos» (72).

Membros de uma família podiam ser castigados por tentar enterrar um parente que se tinha desentendido com a justiça social. Quando uma mãe de 70 anos se enforcou para escapar à fome, a sua filha correu apressadamente dos campos para casa em pânico. Mas o quadro local ficou furioso com a falta de disciplina. Perseguiu a filha pela estrada, bateu-lhe na cabeça e depois, quando ela estava no chão, pontapeou-lhe a parte superior do corpo. Ficou estropiada para a vida inteira. «Podes ficar com ela e comê-la», disse ele em relação à mãe dela, cujo corpo foi deixado em decomposição durante dias (73). A pior forma de profanação era cortar o corpo para usá-lo como fertilizante. Aconteceu com Deng Daming, espancado até à morte porque o seu filho tinha roubado algumas favas. O secretário do partido Dan Niming ordenou que o corpo do homem fosse fervido para fertilizante de um campo de abóboras (74).

A dimensão da violência é difícil de subestimar: numa província como Hunan, que não é uma das piores em termos de baixas globais, um relatório de um comité central de inspecção dirigido a Zhou Enlai na época referiu que, em 82 de 86 distritos e cidades, se tinham espancado pessoas até à morte (75). No entanto, é mais difícil encontrar números fiáveis e é improvável que alguma vez seja apresentado um número para o país inteiro. Foi muito difícil para os investigadores na época determinar quantas pessoas tinham morrido durante a fome, e ainda mais determinar a causa de morte. Mas algumas das equipas enviadas para as regiões rurais aprofundaram a investigação e ficaram com uma ideia aproximada do que tinha acontecido no terreno. No distrito de Daoxian, em Hunan, muitos milhares de pessoas pereceram em 1960, mas apenas 90 por cento das mortes puderam ser atribuídos a doença e inanição. Depois de analisar todas as provas, a equipa concluiu que 10 por cento das vítimas tinham sido enterradas vivas, mortas com mocas ou de outra forma por membros do partido e das milícias (76). No distrito de Shimem, em Hunan, cerca de 13 500 pessoas morreram em 1960, 12 por cento das quais foram «espancadas ou levadas à morte» (77). Em Xianyang, uma região que foi alvo de uma investigação orientada por líderes de topo como Li Xiannian, morreu um milhão de pessoas em 1960. Um comité de investigação formal calculou que 6 a 7 por cento foram espancadas até à morte (78). Em Sichuan, as taxas foram muito mais altas. No distrito de Kaixian, uma investigação minuciosa levada a cabo na época por uma equipa enviada pelo comité provincial do partido concluiu que na comuna de Fengle, onde 17 por cento da população tinha perecido em menos de um ano, cerca de 65 por cento das vítimas tinham morrido devido a espancamentos, a castigos com privação de alimentos ou sido obrigadas a suicidar-se (79).






Inúmeros relatórios pormenorizaram as formas como as pessoas eram torturadas, e a imagem que emerge deste corpo de provas é que pelo menos 6 a 8 por cento das vítimas da fome foram directamente mortas ou faleceram em resultado de ferimentos infligidos por quadros e elementos das milícias. Como veremos no Capítulo 37, morreram pelo menos 45 milhões de pessoas acima de uma taxa de mortalidade normal durante a fome, entre 1958 e 1962. Dadas a dimensão e a envergadura da violência tão abundantemente documentada nos arquivos do partido, é provável que pelo menos 2,5 milhões dessas vítimas tenham sido espancadas ou torturadas até à morte.

Não existe uma explicação simples para a violência que sustentou a colectivização em massa. Podíamos referir uma tradição de violência secular na China, mas como teria isso sido diferente do resto do mundo? Na primeira metade do século XX, a Europa estava ensopada em sangue e o homicídio em massa ceifou um número inaudito de vítimas. As ditaduras modernas podem ser particularmente sanguinárias na sua combinação de novas tecnologias de poder, exercido através de um Estado unipartidário, com novas tecnologias de morte, desde a metralhadora até à câmara de gás. Quando Estados poderosos decidem juntar esses recursos para exterminar grupos inteiros de pessoas, as consequências globais podem ser devastadoras. Afinal de contas, o genocídio só se tornou possível com o advento do Estado moderno.

O Estado unipartidário sob o comando de Mao não concentrou todos os seus recursos no extermínio de grupos específicos de pessoas - com excepção, evidentemente, de contrarrevolucionários, sabotadores, espiões e outros «inimigos do povo», categorias políticas bastante vagas para poderem incluir potencialmente toda e qualquer pessoa. Porém, Mao lançou o país no Grande Salto em Frente, estendendo a estrutura militar do partido a toda a sociedade. «Cada pessoa é um soldado», tinha proclamado Mao no auge da campanha, pondo de parte minúcias burguesas como salário, um dia de folga por semana ou um limite estabelecido para a quantidade de trabalho que um operário devia efectuar (80). Haveria sempre um exército popular gigante na economia planificada à disposição dos seus generais. Todos os aspectos da sociedade eram organizados segundo regras militares - com cantinas, infantários com internato, dormitórios colectivos, tropas de choque e camponeses vistos como soldados de infantaria -, numa revolução contínua. Estes termos marciais não eram meramente retóricos, destinados a aumentar a coesão de grupo. Todos os líderes eram militares de carreira acostumados aos rigores da guerra. Tinham passado muitos anos a combater na guerra de guerrilha em condições extremas de privação. Tinham enfrentado sucessivas campanhas de extermínio levadas a cabo pelo regime nacionalista de Chiang Kai-shek e depois tinham conseguido sobreviver à chacina do exército japonês na Segunda Guerra Mundial. Tinham sobrevivido às cruéis expurgações e aos períodos de tortura que abalavam periodicamente o próprio partido. Glorificavam a violência e estavam preparados para uma perda de vidas em grande escala. E todos partilhavam uma ideologia em que os fins justificavam os meios. Em 1962, depois de ter perdido milhões de pessoas na sua província, Li Jingquan comparou o Grande Salto em Frente à Grande Marcha, em que apenas um em cada 10 tinha conseguido chegar ao fim: «Nós não somos fracos, nós somos fortes, nós conservámos a coragem» (81).

(in A Grande Fome de Mao, Publicações Dom Quixote, 2012, pp. 404-421).


Notas:

(1) «Shanghai shi donjiaoqu renmin fayuan xingshi panjueshu: 983 hao», colecção particular, Frank Dikötter.

(2) Quarenta por cento foram condenados a uma pena de um a cinco anos, 25 por cento foram postos sob supervisão; Nanjing, 8 de Junho de 1959, 5003-3-722, p. 83.

(3) Ver Frank Dikötter, «Crime and Punishment in Post-Liberation China: The Prisoners of a Beijing Gaol in the 1950s», China's Quarterly, n.º 49 (Mar. 1997), pp. 147-59.

(4) Documentos da décima conferência nacional de segurança nacional, Gansu, 8 de Abril de 1960, zhongfa (60) 318, 91-18-179, pp. 11-12.

(5) Hebei, 1962, 884-1-223, p. 149.

(6) Hebei, 23 de Outubro de 1960, 884-1-183, p. 4.

(7) Guangdong, 1961, 216-1-252, pp. 5-7 e 20.

(8) Gansu, 3 de Fevereiro de 1961, 91-18-200, pp. 291-2; o romancista Yang Xianhui descreveu intensamente as condições do campo com base em entrevistas a sobreviventes e calculou que 1300 de 2400 presos pereceram, o que é confirmado pelos arquivos de Gansu; Yang Xianhui, Jiabiangou jishi; Yang Xianhui zhongduan pian xiaoshuo jingxuan [Um registo do vale de Jiabian: uma colectânea de histórias de Yang Xianhui], Tianjin: Tianjin guji chubanshe, 2002, p. 356.

(9) Relatório do Gabinete de Segurança Pública provincial, Gansu, 26 de Junho de 1960, 91-9-63, pp. 1-4.

(10) Gansu, 15 de Janeiro de 1961, 91-18-200, p. 62.

(11) Hebei, 1962, 884-1-223, p. 150.

(12) Documentos da décima conferência nacional de segurança nacional, Gansu, 8 de Abril de 1960, zhongfa (60) 318, 91-18-179, p. 26.

(13) Ibid.

(14) Ibid., pp. 11-12.

(15) Discurso a 21 de Agosto de 1958, Hunan, 141-1-1036, p. 29.











(16) Hebei, 27 de Junho de 1959, 884-1-183, p. 128.

(17) Documentos da décima conferência nacional de segurança nacional, Gansu, 8 de Abril de 1960, zhongfa (60) 318, 91-18-179, p. 26.

(18) Hebei, 16 de Abril de 1961, 884-1-202, pp. 35-47.

(19) Yunnan, 22 de Maio de 1959, 2-1-3700, pp. 93-8.

(20) Guandong, 2 de Janeiro de 1961, 217-1-643, pp. 61-6.

(21) Kaiping, 22 de Setembro de 1960, 3-A10-31, p. 10.

(22) Neibu cankao, 30 de Novembro de 1960, p. 16.

(23) Guangdong, 15 de Agosto de 1961, 219-2-318, p. 120.

(24) Pequim, 11 de Janeiro de 1961, 1-14-790, p. 17.

(25) Esta é também a estimativa de Jean-Luc Domenach, que escreveu aquela que continua a ser a história mais pormenorizada e fiável do sistema de campos na China: Jean-Luc Domenach, L'Archipel oublié, Paris: Fayard, 1992, p. 242.

(26) Pequim, 13 de Maio de 1959, 1-14-574, pp. 38-40.

(27) Entrevista com Li Popo, nascido em 1938, distrito de Lagzhong, em Sichuan, Abril de 2007.

(28) Neibu cankao, 27 de Junho de 1960, pp. 11-12.

(29) Guangdong, 25 de Janeiro de 1961, 217-1-645, p. 13.

(30) Guangdong, 30 de Dezembro de 1960, 217-1-576, p. 78.

(31) Guangdong, 5 de Fevereiro de 1961, 217-1-645, pp. 35-49.

(32) Hunan, 3 de Abril de 1961, 151-1-24, p. 6.

(33) Hunan, 1960, 146-1-520, pp. 97-106.

(34) Hunan, 8 de Abril de 1961, 146-1-583, p. 96.

(35) Guangdong, 1960, 217-1-645, pp. 25-8.

(36) Hebei, 4 de Janeiro de 1961, 880-1-11, p. 30.

(37) Hunan, 1960, 146-1-520, pp. 97-106.

(38) Guangdong, 16 de Abril de 1961, 217-1-643, pp. 123-31; 25 de Janeiro de 1961, 217-1-646, pp. 15-17.

(39) Xinyang diwei zuzhi chuli bangongshi, «Guanyu diwei changwu shuji Wang Dafu tongzhifan suo fan cuowu ji shishi cailiao», 5 de Janeiro de 1962, pp. 1-2.

(40) Guangdong, 16 de Abril de 1961, 217-1-643, pp. 123-31.

(41) Isto aconteceu em Rongxian; Sichuan, 1962, JC1-3047, pp. 37-8.

(42) Guangdong, 16 de Abril de 1961, 217-1-643, pp. 123-31; 25 de Janeiro de 1961, 217-1-646, pp, 15-17.

(43) Guangdong, 23 de Março de 1961, 217-1-643, pp. 10-13.

(44) Hunan, 15 de Novembro de 1960, 141-1-1672, pp. 32-3.

(45) Neibu cankao, 21 de Novembro de 1960, p. 12; Sichuan, 25 de Maio de 1959, JC1-1721, p. 3.

(46) Guangdong, 23 de Março de 1961, 217-1-643, pp. 10-13.






(47) Guangdong, 1960, 217-1-645, pp. 60-4.

(48) Hebei, 27 de Junho de 1961, 880-1-7, p. 55.

(49) Sichuan, 27 de Janeiro de 1961, JC1-2606, p. 65; 1060, JC1-2116, p. 105.

(50) Guangdong, 12 de Dezembro de 1960, 217-1-643, pp. 33-43.

(51) Guangdong, 23 de Março de 1961, 217-1-642, p. 33

(52) Guangdong, 1961, 217-1-644, pp. 32-8.

(53) Guangdong, 29 de Janeiro de 1961, 217-1-618, pp. 42-6; também Hebei, 27 de Junho de 1961, 880-1-7, p. 55.

(54) Hunan, 3 e 14 de Abril de 1961, 151-1-24, pp. 1-3 e 59-68; também 3 de Fevereiro de 1961, 146-1-582, p. 22.

(55) Neibu cankao, 21 de Outubro de 1960, p. 12.

(56) Guangdong, 1960, 217-1-645, pp. 60-4.

(57) Neibu cankao, 30 de Novembro de 1960, p. 17.

(58) Hunan, 3 de Fevereiro de 1961, 146-1-582, pp. 22.

(59) Hunan, 10 de Agosto de 1961, 146-1-579, pp. 32-3.

(60) Sichuan, 1960, JCI-2112, p. 4.

(61) Guangdong, 16 de Abril de 1961, 217-1-643, pp. 123-31; 25 de Janeiro de 1961, 217-1-646, pp. 25-17.

(62) Guangdong, 1961, 217-1-644, pp. 32-8; 1961, 217-6-618, pp. 18-41, especialmente pp. 21 e 35.

(63) Hunan, 1961, 151-1-20, pp. 34-5.

(64) Entrevista com o Sr. Leung, nascido em 1949, distrito de Zhongshan, em Guangdong, 13 de Julho de 2006.

(65) Guangdong, 1960, 217-1-645, pp. 60-4.

(66) Hunan, 8 de Abril de 1961, 146-1-583, p. 96; também 12 de Maio de 1960, 146-1-520, pp. 69-75.

(67) Hunan, Setembro de 1959, 141-1-1117, pp. 1-4.

(68) Macheng, 20 de Janeiro de 1959, 1-1-378, p. 14; Guangdong, 1960, 217-1-645, pp. 60-4; Neibu cankao, 30 de Novembro de 1960, p. 17.

(69) Pequim, 7 de Janeiro de 1961, 1-14-790, p. 10.

(70) Hunan, 1961, 151-1-20, pp. 34-5.

(71) Guangdong, 1961, 217-1-644, pp. 32-8.

(72) Relatório de Xu Qiwen, Hunan, 12 de Março de 1961, 141-1-1899, p. 222.

(73) Yunnan, 9 de Dezembro de 1960, 2-1-4157, p. 171.

(74) Relatório do grupo de trabalho do comité provincial do partido, Sichuan, 1961, JC1-2616, pp. 110-11.

(75) Hunan, 15 de Novembro de 1960, 141-2-125, p. 1.

(76) Hunan, 8 de Abril de 1961, 146-1-583, p. 95.




República Popular da China



(77) Relatório de Xu Qiwen, Hunan, 12 de Março de 1961, 141-1-1899, p. 222.

(78) Xinyang diwei zuzhi chuli bangongshi, «Guanyu diwei changwu shuji Wang Dafu tongzhifan suo fan cuowu ji shishi cailiao», 5 de Janeiro de 1962, pp. 1-2.

(79) Sichuan, 5 de Janeiro de 1961, JC1-2604, p. 35.

(80) Discursos a 21 e 24 de Agosto de 1958, Hunan, 141-1036, pp. 24-5 e 31.

(81) Discurso de Li Jingquan a 5 de Abril de 1962, Sichuan, JC1-2809, p. 11.


Continua


Nenhum comentário:

Postar um comentário