sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

Vila Viçosa

Escrito por António Sardinha



Fachada do Paço Ducal de Vila Viçosa


Solar da Dinastia. Principescos,
surgem cortejos de opas roçagantes:
- Altezas-Sereníssimas, tudescos,
freires de Avis, reis-de-armas, passavantes.

Erram de noite, lívidos, dantescos,
no Paço do Reguengo os dois Amantes.
Pinta a Saudade a esmalte velhos frescos.
Quanto não diz esta palavra: - Dantes!

Festa da Padroeira em Sua Ordem.
E os bancos de pinchar e a serpe de oiro
pesam com pompa no brasão ducal.

Mas o Palácio é mudo, - não n'o acordem.
Num sono que é sinal de mau agoiro
lá dentro está dormindo Portugal!

(in «A Epopeia da Planície, Poemas da Terra e do Sangue», Editorial Restauração, 1960, p. 69).






Nenhum comentário:

Postar um comentário