segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

A Pátria

Escrito por António Correia de Oliveira



Mosteiro da Batalha

Primeiro, amai vossa Pátria;
Às mais, depois, vez e hora;
No altar acendem-se as velas,
- Mas de dentro para fora.

Nações diversas: e sonham
Fundi-las numa! Bem vês:
Só Deus é um; e, assim mesmo,
Quantas Pessoas? São três!

Amai a Pátria; e, na Pátria,
Amai o mundo em redor;
Seja a terra como a igreja
E a Pátria o seu altar-mor.

O amor da Pátria, - qual facho
Erguido à mão de Jesus, -
Não tenta queimar as outras,
Mas dar-lhes a própria luz.

Roteiro de Gente Moça


D. Nun'Álvares Pereira

Nenhum comentário:

Postar um comentário