quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Oliveira Salazar versus Franklin D. Roosevelt

Escrito por José Freire Antunes













«(...) Franklin D. Roosevelt privately believed that the U.S. government was owned by a financial élite. There is, of course, nothing notably original about this observation: it was commonplace in the 19th century. In modern times, it has been averred by such dissimilar writers as Robert Welch and William Domhoff that America is controlled by a financial élite based in New York. The Soviets, who are not always altogether inaccurate, have used this theme in their propaganda for decades, and it was a Marxist theme before Lenin came along.

(...) It may be superfluous to record this literature, but for the sake of completeness and the benefit of the innocent reader, a few titles may be included: William Domhoff, Who Rules America? (Englewood Cliffs, N.J.: Prentice-Hall, 1967); Ferdinand Lundberg, The Rich and the Superrich (New York: Lyle Stuart, 1968), and Gary Allen, None Dare Call It Conspiracy (Seal Beach, Calif.: Concord Press, 1972).

It was under Roosevelt that Keynesian notions - the modern versions of Jonh Laws' con game with paper money - were introduced to Washington, and so the seeds of our present economic chaos were laid in the early 1930s under Roosevelt. Contemporary double digit inflation, a bankrupt Social Security system, bumbling state bureaucracy, rising unemployment - all this and more can be traced to Franklin Delano Roosevelt and his legislative whirlwind.

But while we now pay the price for these unsound and irresponsible policies, so pervasive is prevailing misinformation that even the identity of the originators of Roosevelt's New Deal and their reasons have been forgotten. While our economists cover their blackboards with meaningless static equations, a dynamic looting operation of the economy has been in progress by the authentic formulators of the liberal New Deal. While the bleeding heart social engineers have screamed at capitalism as the cause of the world's misery, they have been blissfuly unware that their own social formulas in part emanated from - and have certainly been quietly subsidized by - these same so-called capitalists. The tunnel vision of our academic world is hard to beat and equalled only by their avarice for a piece of the action.

What we do find is that government intervention into the economy is the root of our present problems; that a Wall Street cotérie has substantive, if subtle, muscle within this government structure to obtain legislation beneficial to itself; and that a prime example of this self-seeking legislation to establish legal monopoly under big business control was FDR's New Deal and, in particular, the National Recovery Administration.

The name Franklin Delano Roosevelt should suggest, but rarely does, a link with Wall Street. Both Delano and Roosevelt are prominent names in the history of American financial institutions.

Who was Franklin Delano Roosevelt?







Roosevelt's prepolitical career can be described only as that of financier. Both his family and career before 1928 and his election as Governor of New York were in the business world, more specifically the financial world. Between 1921 and 1928 Roosevelt was a director of 11 corporations headquartered in the Wall Street golden circle and president of a major trade association, The American Construction Council. Furthermore, Roosevelt was not only president of United European Investors, Ltd., formed to take pecuniary advantage of the misery of German hyperinflation, but was one of the organizers of American Investigation Corporation, a high-powered financial syndicate. Roosevelts formed the financial firm Roosevelt & Son in the late 18th century, and Delanos operated in the financial arena from at least the mid-19th century. Roosevelts and Delanos may not have reaped the great wealth of Morgans and Rockfellers, but they were known and respected names in the halls of international finance. Even in the 1920s we find Frederic Delano on the Federal Reserve Board, and George Emlen Roosevelt as a director of Guaranty Trust, the bête noire of the Street if there ever was one.

It is also reliably recorded that Theodore Roosevelt's Progressive Party, the first step to the modern welfare-warfare state, was financed by the J.P. Morgan interests; consequently, it should not surprise us to find Wall Street backing Roosevelt in 1928, 1930, and 1932.

In brief, we have shown that Roosevelt was a Wall Streeter, descended from prominent Wall Street families and backed financially by Wall Street. The policies implemented by the Roosevelt régime were precisely those required by the world of international finance. It should not be news to us that international bankers influence policy. What appears to have been negleted in the history of the Roosevelt era is that, not only did FDR reflect their objectives, but was more inclined to do so than the so-called reactionary Herbert Hoover.

(...) The ideas behind the Roosevelt New Deal were not really those of Wall Street; they actually go back to Roman times. From 49 to 44 B.C. Julius Caesar had his new deal public works projects; in 91 A.D. Domitian had his equivalent of the American Construction Council to stop overproduction. The ultimate fall of Rome reflected all the elements we recognize today: extravagant government spending, rapid inflation, and a crushing taxation, all coupled with totalitarian state regulation.

Under Woodrow Wilson Wall Street achieved a central banking monopoly, the Federal Reserve System. The significance of the International Acceptance Bank, controlled by the financial establishment in Wall Street, was that the Federal Reserve banks used the police power of the state to create for themselves a perpetual money-making machine: the ability to create money with a stroke of a pen or the push of a computer key. The Warburgs, key figures in the International Acceptance Bank - an overseas money-making machine - were advisers to the Roosevelt administration and its monetary policies. Gold was declared a "barbaric relic", opening the way to worthless paper money in the United States. In 1975, as we go to press, the fiat inconvertible dollar is obviously on the way to ultimate depreciaton.

Did Wall Street recognize the result of removing gold as backing for currency? Of course it did! Witness Paul Warburg to a Congressional Commitee:

Abandonment of the gold standard means wildly fluctuating foreign exchanges and, therefore, the destruction of the free inflow of foreign capital and business. Weak countries will repudiate - or, to use the more polite expression, "fund their debts" - but there will be no general demonetization of gold. Gold at the end of the war will not be worth less but more.












The inevitable conclusion forced upon us by the evidence is that  there may indeed exist a financial élite, as pointed out by Franklin D. Roosevelt, and that the objective of this élite is monopoly acquisition of wealth. We have termed this élite advocates of corporate socialism. It thrives on the political process, and it would fade away if it were exposed to the activity of a free market. The great paradox is that the influential world socialist movement, which views itself as an enemy of this élite, is in fact the generator of precisely that politicization of economic activity that keeps the monopoly in power and that its great hero, Franklin D. Roosevelt, was its self-admitted instrument».

Antony C. Sutton («Wall Street and FDR»).


«Em 1946, terminada a guerra mundial, realizou-se o Acordo de B. Woods e até 1971, durante vinte e cinco anos, viveu-se um período de "crescimento económico sem precedentes" que justificou deixarem-se esquecidas as sombrias perspectivas do teorizador austríaco [von Mises].

O Acordo conservava a referência das moedas ao padrão-ouro, mas tratava-se de uma referência ameaçada e, na realidade, já destruída pela política económica adoptada por F. D. Roosevelt a partir de 1933 quando proibiu o entesouramento do ouro e estabeleceu a obrigação de todos, incluindo os bancos, o entregarem ao Estado a um preço que era fixado todos os dias pelo próprio Presidente dos EUA da forma mais arbitrária e leviana. Reside aqui mais um exemplo da indiferença dos Governos pelos interesses da economia e das populações. Transcrevendo uma página do "Diário", de H. Morgenthau, na época secretário do Tesouro ou ministro das Finanças, dos EUA, Paul Bareau conta-nos que "numa ocasião, quando Morgenthau e o presidente estavam estudando o preço do ouro para esse dia, Roosevelt propôs um aumento de 21%, justificando-o assim: é um número de sorte, três vezes sete...". As consequências de tanta leviandade levaram o Congresso ou o Parlamento americano a retirar ao Presidente o poder de alterar o preço do ouro e a fixá-lo por lei em 35 dólares a onça. Tratava-se, igualmente, de uma prepotência do Estado, pois só o mercado está em condições de determinar o preço das mercadorias. Fixado pelo Estado, o preço do ouro não podia corresponder à mobilidade das transacções. Era, porém, um acto político que consagrava orgulhosamente a "inviolabilidade do dólar" e já reflectia a opinião keynesiana de que o padrão-ouro é "remanescente de uma era de barbárie". Criou-se deste modo a anarquia financeira, em grande parte responsável pela Segunda Guerra Mundial, e foi em tais condições de falsificação do preço da moeda que, terminada a guerra, o Acordo de Bretton Woods se propôs estabelecer uma certa ordem criando o "sistema monetário internacional" ainda hoje existente. O FMI que, com o Banco Mundial e o GATT, saiu daquele Acordo, destinava-se a constituir com as quotas dos diversos países nele reunidos, um fundo financeiro para ocorrer às exigências do comércio internacional. Ora aconteceu que aquelas quotas se mostraram inferiores aos recursos necessários e as reservas que elas constituíam tiveram de ser reforçadas com suplementos que foram, quase exclusivamente, de dólares americanos. "Quase sem disso se aperceber - escreve P. Bareau - o mundo transitou do padrão-ouro ao padrão-dólar". Aproveitando tal situação e movidos por imperativos nacionalistas, os EUA emitiram tais quantidades de moeda que o dólar deixou de ser escasso, deixou de ser estável e deixou de merecer confiança. Mas como ainda se mantinha, em parte, convertível em ouro e como os EUA detinham a maior reserva de ouro do mundo, conseguia ir concitando, para ele e para o sistema de B. Woods, uma certa confiança. Ora, em 1971, o Presidente Richard Nixon "suspendia até essa restrita e parcial convertibilidade que restava", numa decisão que acompanhou de uma exclamação decerto abusiva, ai dele!, a Milton Friedman: "Agora sim, agora é que somos todos keynesianos!". Paul Bareau comenta: "Aqui desceu o pano sobre o Acordo de Bretton Woods"».

Orlando Vitorino («Exaltação da Filosofia Derrotada»).







Hawaii daily paper, The Honolulu Advertiser, Sunday, Nov. 30, 1941



Ver aqui



Ver aqui

















































Ver aqui
















Ver aqui



Faith Hill. Ver aqui






FDR no Congresso dos Estados Unidos no dia a seguir ao ataque a Pearl Harbor (1941).
























Ver aqui













Adolf Hitler


















Jesse Owens nos Jogos Olímpicos de 1936





















































Ver aqui



Steven Spielberg e Ban Ki-moon



Ver vídeos 12 e 3











FDR e Joseph Stalin


«Quanto à África, será preciso dar à Espanha e a Portugal compensações pela renúncia dos seus territórios para que haja um melhor equilíbrio mundial. Os Estados Unidos instalar-se-ão aí por direito de conquista e reclamarão inevitavelmente alguns pontos vitais para a zona de tutela americana. Será mais que justo.

Queira transmitir a Staline, meu caro senhor Zabrusky, que para o bem geral e para o aniquilamento do Reich ceder-lhe-emos as colónias africanas se ele refrear a sua propaganda na América e cessar a interferência nos meios laborais».

Carta de Roosevelt dirigida ao Kremlin em 1942 e revelada a 7 de Fevereiro de 1951 pelo jornal parisiense Le Figaro.


«Ao receber para almoço na Sala dos Cisnes do Palácio da Vila, em Sintra, o ministro dos Estrangeiros da Argentina Henrique Ruiz Guinazu, Salazar fala em linguagem tranquila das nações latinas da América, que considera prolongamento da Europa latina. E parece muito calmo, sem cuidados. Da sua serenidade exterior não transparece a sua perturbação íntima, a sua angústia. Desabafa com o seu amigo Mário de Figueiredo: "Há umas semanas que atravesso forte trovoada no ministério dos Estrangeiros, que me não tem deixado atender a mais nada». E confessa-se: «A verdade é que a situação internacional pesa sobre todos nós e a mim preocupa-me de tal maneira que o espírito se me recusa a seguir, com a atenção que devia ser, outras coisas, o que é aliás lamentável". E os membros do governo não estão atentos, mas descuidosos, e Salazar queixa-se: "só nós e o ministro da Economia é que estamos em Lisboa; os das Finanças, Obras Públicas, Interior, Marinha e Colónias veraneiam cada um por seu lado; e o da Justiça nem sei onde está". Não obstante, prossegue com decisão resoluta a sua política. Nestes princípios de Maio de 1941, novas forças embarcam para os arquipélagos, sobretudo para Cabo Verde, e Salazar, como ministro da Defesa, timbra em despedir-se de soldados e oficiais. Em muitos círculos no estrangeiro, é compreendida a orientação que adoptou. Pierre Bernus, no Journal des Débats, afirma que Portugal está a defender a "sua alma e a sua existência próprias"; e II Giornale de Italia, o Corriere della Sera, o Osservatore Romano, o Temps, Le Jour, La Croix, elogiam a política do chefe do governo português. Mas este sente-se mais do que apreensivo: suspeita o pior da parte dos beligerantes. E com efeito, naquele mês de Maio, e sem que Salazar o saiba, um alto funcionário do Foreign Office, Sargent, escreve: "É uma questão em aberto a de saber se não devemos instigar secretamente o governo dos Estados Unidos a ocupar ou arrendar bases nos Açores e em Cabo Verde, e isto para começar. Não temos que participar nisso, e podíamos manter relações correctas com Portugal. Portugal queixar-se-ia, mas nada poderia fazer". E o subsecretário Butler, ao referir o assunto a Churchill, endossa a sugestão, embora a considere "drástica". Para Lisboa, era dito a Campbell que o governo inglês não podia auxiliar Portugal, e que aconselhava o governo português, no caso de ataque, a oferecer uma resistência simbólica e a partir para as ilhas ou para as colónias. Salazar reúne entretanto o Conselho de Ministros, e a decisão tomada é no sentido de não abandonar Portugal; se este fosse invadido, um ministro partiria para o ultramar levando consigo a legitimidade e o mandato de governar: e o governo demitir-se-ia. Campbell tem conhecimento desta deliberação por Vieira Machado, e ao comunicá-la para Londres deixa o Foreign Office preocupado. Mas em 6 de Maio o senador americano Pepper profere no Senado um discurso em que advoga a ocupação dos Açores, Cabo Verde, Canárias e Dacar. Bianchi sabe que o discurso teve a aprovação prévia de Roosevelt e do gabinete dos Estados Unidos. Em Portugal, a opinião pública reage vivamente; e o país sente-se possuído de um profundo sentimento antiamericano. Salazar fica exasperado. Em passeio no parque da sua residência com Sebastião Ramires, depois de jantar, este pergunta-lhe que fará se os americanos atacarem as ilhas. Salazar responde: "Vou mandar dar tiros. Quero ver se as democracias fazem guerra apenas para defender a soberania dos pequenos países". E três dias mais tarde publica uma nota oficial: "o governo português, embora lamente a desenvoltura com que de vários lados se traça o destino de países estranhos ao conflito actual, não pode evitar, nem mesmo apresentando queixas ou protestando junto dos respectivos governos, que as várias agências emissoras se acusem mutuamente e lancem as piores suspeitas sobre a intenção de uns e outros Estados violarem os direitos de terceiros países". E conclui por afirmar que nenhum pedido de bases nas ilhas portuguesas foi feito por qualquer país, e que o governo preparou a defesa dos três arquipélagos do Atlântico "em termos de poderem resistir a qualquer ataque de que porventura sejam objecto, embora o não espere". Reage sobretudo com vivacidade a opinião brasileira: o Jornal do Brasil, a Gazeta de Notícias, repudiam a atitude dos americanos ao quererem ocupar ilhas do Atlântico "como se fossem habitadas por selvagens". Depois, Ronald Campbell tem nova entrevista com Salazar. Insiste em que este defina desde já uma posição nítida em caso de ataque germânico. Salazar recusa. Diz Campbell: "Mas, Senhor Primeiro-Ministro, Portugal não tem uma grande esquadra, nem um grande exército, nem uma forte aviação. Que tem V. Ex.ª para prosseguir esta política". Replica o chefe do governo: "Tenho razão, Senhor Embaixador".

14 de Abril de 1941: Oliveira Salazar envia um batalhão para os Açores.














Está agora Salazar de posse do relatório que sobre as conversas de Estado-Maior foi apresentado pelo coronel Barros Rodrigues. Há que estudá-lo, e elaborar a resposta escrita a dar às autoridades britânicas. Santos Costa é encarregado de redigir um projecto, e para sua discussão é chamado a Lisboa Armindo Monteiro. Em reuniões sucessivas, e com participação de Teixeira de Sampaio, o texto é discutido, e aprovado, e quando regressa a Londres na segunda quinzena do mês de Maio, já Monteiro é portador do memorando definitivo.

(...) Regressado a Londres, Monteiro entrega a Eden, a 21 de Maio, o memorando português. Eden escuta sem interromper quanto lhe diz Monteiro; e depois lê atentamente todo o documento. Mostra surpresa pelo facto de o Estado-Maior português julgar improvável a resistência espanhola: é o inverso do que sempre lhe afirma o embaixador espanhol. Depois, o secretário de Estado comenta que é considerável o material de guerra que o governo português pretende adquirir. Se nas presentes circunstâncias não fosse possível fornecê-lo, qual seria a atitude de Lisboa? Monteiro não está habilitado a responder, fala de uma resistência simbólica; e nesse caso os Açores emergiam como segunda linha de resistência, onde se poderiam salvar elementos preciosos de reconstituição nacional. Eden significa a sua compreensão. E afirma que o documento está redigido com grande lealdade e clareza, e que naquele mesmo dia o entregará ao primeiro-ministro e aos chefes do Estado-Maior britânico. "É claro que o seu exame demorará algum tempo", conclui o secretário de Estado, "mas vou tratar do assunto activamente".

Tem a entrevista de Monteiro com Eden uma importância decisiva, todavia, e excede em muito o problema que fora tratado. Com efeito, os americanos estão impacientes quanto aos arquipélagos portugueses do Atlântico, e Roosevelt pensa em enviar a Salazar um emissário secreto para se ocupar do assunto. Mas Eden em 23 de Maio telegrafa a Halifax para Washington: se Salazar estava reticente até agora, a verdade é que "acaba de nos fazer uma comunicação cujo exame nos poderá conduzir a um arranjo sobre as ilhas atlânticas", e enquanto existir a possibilidade de se conseguirem os objectivos através de conversações seria "um erro táctico mandar um emissário americano a Lisboa". E aos seus próprios militares Eden declara que é preferível obter o que se pretende por negociação: "é a mais desejável solução sob o ponto de vista político". Por outro lado, os chefes do Estado-Maior britânico, ao considerarem o memorando português, em 27 de Maio, admitem que estariam erradas as sugestões e conclusões que anteriormente haviam apresentado ao governo de Lisboa; mas declaram que não é possível ajudar Portugal. Churchill e Eden comentam esta última afirmação, classificando-a de "penosa e desnecessária", e entendem que não deve ser transmitida ao governo português. Em Lisboa, Sir Ronald também está preocupado com a situação, e escreve ao Foreign Office: "Salazar é um homem perante quem a única política possível é a fraqueza"; "se não podemos salvar Portugal, ao menos devemos assegurar que a bandeira portuguesa livre continue a flutuar no ultramar"; e insistindo na necessidade de ser leal para com Portugal, Sir Ronald adverte o seu colega em Madrid, Sir Samuel Hoare, de que não confunda a Espanha com Portugal, porque este prefere uma vitória inglesa e "porque o sistema nazi é anátema para Salazar e para oitenta por cento do povo português". Em reposta a Sir Ronald, o Foreign Office concorda: "aceitamos inteiramente a sua opinião quanto à necessidade de ser completamente franco com Salazar".











De novo, contudo, causam os americanos um embaraço na situação. Nos últimos dias de Maio, também a 27, Roosevelt pronuncia um discurso em que, salientando a importância fundamental das ilhas portuguesas para a defesa dos Estados Unidos, e vincando que a Alemanha tem o poder militar de as ocupar, sugere que seria "estúpido esperar que o inimigo provável se firme numa posição de que possa atacar". Salazar reage vigorosamente. Está sendo celebrado o décimo quinto aniversário do 28 de Maio, com participação das Forças Armadas, Legião Portuguesa, Mocidade Portuguesa, cumprimentos em Belém ao presidente Carmona, e uma sessão da União Nacional no Teatro D. Maria II. Mas nesse mesmo dia Salazar comunica a Londres a sua reacção, e põe o gabinete britânico de sobreaviso: não tendo compromissos políticos com Washington, ao contrário do que sucede quanto a Londres, o governo português consideraria qualquer acto dos Estados Unidos "como acto de agressão ao território português com as lógicas reacções que o caso exigiria". Entretanto o New York Times, o Herald Tribune, o Washington Post, outros orgãos da imprensa americana, comentam o discurso de Roosevelt dando a entender que no ânimo do presidente estaria assente a ocupação das ilhas portuguesas. No dia imediato, a 29, Salazar determina que Bianchi se aviste com Cordell Hull, e faça o reparo apropriado com entrega de uma nota escrita. Envia por outro lado instruções a Martinho Nobre de Melo, embaixador no Rio de Janeiro, para que submeta à atenção do governo brasileiro o problema, embora sem pedir qualquer diligência; mas aquele não deixa, dias depois, de levantar a questão em Washington por forma favorável a Portugal. E Salazar encarrega Monteiro de uma diligência junto de Eden; mas Monteiro tem dúvidas, e pondera que o reparo português, sendo politicamente favorável à Alemanha, pode levantar suspeitas quanto à atitude de Lisboa; Salazar, contudo, mantém as suas instruções, que foram dadas após "cuidadoso exame dos termos do discurso" que não pode deixar de provocar "impressões desagradáveis notadas também pelo embaixador de Inglaterra"; e para mais "a opinião pública está muito excitada, chegando a considerar o discurso como resposta à nota oficiosa do governo". Eden, porém, compreende bem a atitude portuguesa: Roosevelt tratara o caso dos Açores "sem cerimónia": não tinha ouvido Londres sobre o assunto: estava convencido de que não eram agressivas as intenções daquele: mas ia dizer em Washington uma palavra.

Sir Anthony Eden


(...) Em 31 de Maio, Bianchi é recebido por Cordell Hull. Faz os seus reparos ao discurso de Roosevelt. E entrega a nota escrita que fora redigida em Lisboa por Salazar. Se os Estados Unidos, diz o chefe do governo português, se arrogam o direito de decidir como hão-de empregar a sua força para se defenderem e para defenderem outrem, o governo português julga do seu imperioso dever pedir esclarecimentos acerca dessa tese, "porque ela pode ser interpretada como conduzindo à admissão de que, para defender outros países ou para se defender a si própria, poderia uma grande nação cometer atropelo análogo do que se diz existir a ameaça por parte de terceiros países". Hull lê toda a nota, medita, e diz a Bianchi que responderá por escrito. E depois expande-se em considerações sobre a necessidade de o Ocidente se defender da Alemanha hitleriana. Salazar, porém, não espera pela resposta de Hull. Retoma o assunto em Londres. E diz vigorosamente: "A construção de uma política relativa à Península assenta na conveniência de a Inglaterra manter a Espanha neutral e fora da guerra, para o que a neutralidade portuguesa é condição essencial. A ocupação das ilhas do Atlântico pela Inglaterra ou pelos Estados Unidos arrastaria imediatamente a ocupação de Portugal continental, que a Inglaterra bem sabe não pode evitar". E continua: "Seria, portanto, gravíssimo erro procurar o nosso acordo para aquele fim. Mas a ocupação violenta pelos Estados Unidos, contra a nossa vontade, violando a nossa soberania sob pretexto igual ao usado pela Alemanha com respeito a outros países, é hipótese tão inconcebível que só perante atitudes patentes se pode apresentar ao espírito como possível. Contra tal agressão, a que resistiríamos, teríamos o direito de invocar, e não deixaríamos de o fazer, obrigações da Inglaterra para connosco. Além das consequências de ordem material que acima indico, surgiria esta de ordem moral e jurídica. Pergunto: em que situação viria a achar-se a Inglaterra? Se as consequências para nós seriam as mais trágicas, não creio que para ela não fossem graves sob mais de um ponto de vista". E Salazar comenta: "Há muito que vejo que a situação da Europa perante a América se está a inverter, perdendo aquela as suas possessões e bases junto da costa americana, que a segunda adquire, avançando para a Europa". Monteiro transmite estas considerações a Eden, que envia a Halifax uma palavra no sentido de dissipar a ebulição suscitada por Roosevelt.

Como prometera, Hull responde por escrito. Nota a reafirmação da neutralidade portuguesa, e a resolução de o governo de Lisboa em defendê-la, e à soberania portuguesa, contra qualquer ataque; o governo dos Estados Unidos não tem intenções agressivas, mas pacíficas, e apoia os princípios da não-agressão e de não-interferência; e a referência às ilhas portuguesas no Atlântico foi feita somente no contexto do perigo que as mesmas representam para o hemisfério ocidental se controladas ou ocupadas por forças dispostas a uma política de conquista e domínio mundial. Salazar não se tem por completamente esclarecido, e assim o afirma a Washington, com agastamento do departamento de Estado; mas compreende não ser possível ao departamento de Estado negar claramente o discurso de Roosevelt; e não insiste. Na grande imprensa a nota americana foi entendida como uma garantia dos Estados Unidos dada a Portugal. No mais, e neste incidente, Salazar pensa que a Grã-Bretanha se mostra "bastante silenciosa e tíbia".



Winston Churchill e Franklin D. Roosevelt



(...) Perante o discurso de Roosevelt e a reacção portuguesa, a Inglaterra não fica tão silenciosa e tíbia como Salazar julga. Com efeito, no mesmo dia em que recebe Monteiro, Eden telegrafa a Halifax pedindo-lhe que "avise" o governo americano de que não deve intrometer-se numa questão em que serão obtidos melhores resultados se for deixada apenas ao gabinete de Londres. Mas Churchill está por seu lado a discutir o assunto directamente, numa base pessoal, com Roosevelt, e pretende a cooperação deste para a tomada das ilhas atlânticas. O Foreign Office, no entanto, intervém, e diz a Churchill que "é muito mais provável conseguir do Dr. Salazar o que pretendemos se mantivermos os Estados Unidos afastados das negociações". Na conversa com Halifax, Roosevelt diz estar pronto a deixar os ingleses conduzir as conversas; mas acrescenta que "está a aprontar a expedição aos Açores e Cabo Verde" e que, uma vez concluídas pelos ingleses as negociações, os "americanos tomariam mais tarde a posição daqueles". De Lisboa, Campbell informa que o discurso de Roosevelt causara no país apreensão e ressentimento generalizados, e mesmo indignação, salvo talvez nos círculos oposicionistas por motivos políticos; e o "Dr. Salazar, tendo dado a sua palavra, honrá-la-á, como espera que a Inglaterra honre a sua"; e "para ele constitui um choque ver o chefe de uma nação, com a qual Portugal não tem laços especiais, falar como se a soberania portuguesa não fosse embaraço ao que os Estados Unidos possam considerar exigências estratégicas do hemisfério ocidental"; e "além disso o Dr. Salazar não confia nos Estados Unidos". E sentindo a irritação do chefe do governo português, Eden multiplica em Washington as suas intervenções para travar os americanos, e promove em Londres um encontro entre Monteiro e Winant, embaixador dos Estados Unidos, e personalidade escutada por Roosevelt.

Verdadeiramente, no entanto, Salazar apenas dá o incidente como encerrado quando, com data de 8 de Julho, recebe uma longa carta pessoal de Roosevelt. É então claro o presidente americano, e quase solene a sua garantia: "na opinião do governo dos Estados Unidos, o exercício permanente e sem limitação dos poderes soberanos do Governo de Portugal sobre o território de Portugal, os Açores e todas as colónias portuguesas representa uma segurança completa para o Hemisfério Ocidental no que respeita àquelas áreas. Em consequência, constitui firme desejo dos Estados Unidos que não seja violado o domínio soberano de Portugal sobre aqueles territórios". Rumores em sentido contrário provêm de fontes inimigas, com o objectivo de perturbar as relações tradicionais entre os dois países; regozija-se o governo americano com as medidas de defesa tomadas por Portugal, de modo a inutilizar qualquer ataque da Alemanha; o governo americano está pronto a auxiliar a defesa da soberania portuguesa nos Açores e outras possessões portuguesas, mas apenas se o governo português assim o desejar; e nesse caso o governo do Brasil estaria também disposto a cooperar. Roosevelt espera assim haver desanuviado qualquer mal-entendido entre ele e Salazar; e conclui por recordar que, como secretário de Estado assistente da Marinha, visitara em 1914-1918 os portos dos Açores quando o Governo português de então havia permitido aos aliados o uso da Horta. Finalmente, Roosevelt afirma que qualquer colaboração entre os dois países deverá ser baseada no respeito mútuo dos direitos soberanos de cada um e com salvaguarda dos melhores interesses do povo português. Mas esta carta apenas em 21 de Julho é entregue a Salazar, pelo ministro dos Estados Unidos em Lisboa. E oito dias depois responde o chefe do governo português: agradece, regista as garantias de Roosevelt, explica as dúvidas suscitadas, reitera a disposição de fazer respeitar a soberania e a neutralidade portuguesas, e reafirmando a posição especial da Inglaterra não exclui o apoio do Brasil nem a cooperação dos Estados Unidos, se na guerra em curso a situação neutral portuguesa, por violação da sua soberania, viesse a ser alterada. "Tudo são razões de peso para que do nosso lado se vigie com cuidadosa atenção o que interessa à limpidez e consistência das nossas relações. Confio em que do lado de V. Ex.ª encontrarei a mesma compreensão e simpatia". Está nesta fase encerrado o incidente. Para que não fiquem dúvidas, no entanto, sobre as intenções do lado português, o chefe do governo sugere a Carmona uma visita oficial aos Açores. Acede o presidente, sem embargo da fragilidade dos seus setenta e dois anos. E os governos civis dos três distritos autónomos deslocam-se a Lisboa para convidar o chefe de Estado a efectuar aquela viagem de soberania e unidade política. Mas quando Monteiro lembra a vantagem de se conseguir que uma unidade da esquadra americana seja deslocada para os Açores durante a estadia de Carmona, para saudar este, Salazar rejeita a ideia.

Oliveira Salazar e Óscar Carmona


Na mesma altura, Salazar faz entregar ao gabinete britânico um outro documento que implica uma atitude fundamental. Monteiro apresenta a Eden um memorial em que, depois de responsabilizar a Inglaterra pelo não rearmamento de Portugal e em vista do non-possumus confessado pelo gabinete britânico quanto à defesa do continente português, o governo de Lisboa comunica a Londres haver tomado a grave decisão de, no caso de ataque contra o continente, se deslocar para os Açores e estabelecer no arquipélago, sob protecção de forças nacionais, os orgãos de soberania e de administração. Estando nesta hipótese perdida a neutralidade portuguesa, Lisboa conta então com o poder naval britânico para manter a liberdade de comunicações, ao mesmo tempo que solicita algum material antiaéreo para completar a defesa dos Açores, e tornar estes invulneráveis a qualquer agressão. Sir Ronald Campbell acredita nesta decisão de Salazar, e assim o comenta para Londres: "mais uma vez sublinho a minha convicção de que o Dr. Salazar será leal para connosco desde que lhe mostremos a nossa confiança"; mas há que tomar a sério a sua afirmação de que defenderá as ilhas contra quaisquer ataques, e por isso convirá não esquecer que "as forças britânicas não serão bem-vindas nos Açores antes que os portugueses façam um apelo" em nome da aliança.


No dia 4 de Agosto o gabinete britânico discute a atitude de Salazar. Considera esta satisfatória. Mas num ponto há divergência: Salazar abandonará o continente no caso de ataque pela Alemanha, com forças germânicas apenas ou em conjunto com forças de outro país, naturalmente a Espanha, o que supõe a ideia de que Portugal pode continuar neutral ainda que a Espanha entre na guerra contra a Grã-Bretanha ao lado da Alemanha, desde que as forças espanholas e alemãs respeitem Portugal; o gabinete de Londres, pelo contrário, deseja que Salazar siga para os Açores, logo que Portugal "esteja ameaçado". E isso porque, entrada a Espanha na guerra e na suposição de ataque a Gibraltar, a neutralidade portuguesa deixa de interessar à Inglaterra e o uso dos arquipélagos portugueses atlânticos torna-se indispensável para substituir Gibraltar. Sir Ronald é encarregado de persuadir Salazar a aceitar este segundo ponto de vista. Desde logo o embaixador afirma ser de excluir qualquer ameaça, que levaria Salazar a rever a sua decisão, ou tentar resolver uma questão de princípio sob o disfarce de conversações militares; e para Campbell o melhor método consiste em nunca pôr em dúvida a aliança e "criar para Salazar uma obrigação que o vá conduzindo pelo caminho desejado". E Eden comenta sobre este despacho como quem pensa alto: "sempre acreditei que seria extremamente difícil pedir ao governo português que abandonasse Lisboa muito cedo".

Entretanto, o presidente Carmona partira para os Açores, a bordo do Carvalho Araújo, escoltado pelos contratorpedeiros Dão e Lima. Acompanham-no Pais de Sousa e Ortins de Bettencourt. Salazar assinala que por todas as ilhas é o chefe do estado recebido com "grande entusiasmo e as mais inequívocas provas de portuguesismo", tendo a imprensa dos grandes países seguido a viagem com o maior interesse, "com excepção talvez da dos Estados Unidos, que parece não dispuseram de informações". E nas capitais de distrito autónomos Carmona proclama: "Aqui é Portugal!".





















Ver aqui






(...) Entretanto, Roosevelt e Churchill haviam-se encontrado algures no alto mar, em pleno Atlântico, e acordavam numa declaração de oito pontos que consubstanciavam os objectivos da guerra e os princípios a que deveria obedecer a paz: é a Carta do Atlântico [por muito conhecidos, não se reproduzem aqui os oito pontos. Sendo um resumo dos quatorze pontos de Wilson, da guerra de 1914-18, consagram a livre vontade dos povos, a livre escolha de governo por cada um, igualdade no comércio mundial e no acesso às matérias-primas, colaboração económica internacional, segurança colectiva, liberdade dos mares, desarmamento, não engrandecimento territorial]. No seu regresso a Londres, Churchill informa o gabinete de que Roosevelt está "ansioso por ocupar os Açores", e que esperava um convite de Salazar nesse sentido. Churchill ponderara que tal convite lhe parecia improvável, salvo no caso de agressão alemã contra a Península. Deste modo, Churchill pensava que a Inglaterra teria de ocupar as ilhas, independentemente de qualquer provocação, pois não poderia correr o risco de se ver privada de Gibraltar sem uma base alternativa. Roosevelt afirmara que teria forças americanas prontas para a ocupação em meados de Setembro. Nessa reunião do gabinete, Eden intervém para dizer que Roosevelt lera na carta de Salazar o que esta não continha. Churchill replica que o presidente decidira dar-lhe a interpretação que mais convinha. Mas o gabinete conclui com mais prudência: convida apenas Eden a ponderar as palavras do primeiro-ministro.

(...) De harmonia com o convite feito na reunião do gabinete inglês de novo o Foreign Office pondera as relações com Portugal, em particular quanto aos Açores. Antes de mais não julga o Foreign Office possível qualquer atitude de má-fé: seria fatal quando se trata com Salazar: e tornaria mais difícil obter facilidades no arquipélago. Por outro lado, se Salazar se tem mostrado partidário da aliança luso-britânica, e desta faz a base da sua política, não se sente no entanto obrigado para os Estados Unidos, de que desconfia e por que não tem a menor simpatia. Comenta depois o Foreign Office: "Se é ou não desejável que os americanos estejam nos Açores, é assunto da mais alta política. A óbvia obsessão com que o Estado-Maior americano pretende aquelas ilhas é menos uma expressão do desejo americano de ajudar o esforço de guerra aliado do que uma expressão do expansionismo imperial americano. É isto que precisamente o Dr. Salazar receia, e deve ser tido em consideração". Conclui o Foreign Office que um arranjo anglo-português sobre os Açores é coisa natural, no quadro da Aliança; mas os americanos devem ser mantidos afastados, tanto quanto possível, no interesse britânico e no interesse português; e as conversações com Portugal devem prosseguir, por isso, antes de qualquer atitude violenta e antes que se "intrometa a complicação americana nas nossas negociações directas com os portugueses". Eden concorda com este parecer do seu departamento, e envia a Churchill uma minuta em que defende uma política de negociações com Portugal, ao mesmo tempo que mantém à distância os americanos, sem prejuízo de estes serem informados do progresso das conversas. Para travar Roosevelt, Churchill expede um telegrama ao presidente sublinhando que apenas em face de provocação alemã ou espanhola seriam os Açores tomados pela força. Nesta base continua Campbell as suas entrevistas com Salazar.

(...) Nos escaninhos superiores da política anglo-americana, no entanto, cruzam-se novas ideias quanto aos Açores. Roosevelt, com efeito, sente-se obcecado pelos Açores, e é encorajado pelo seu Estado-Maior. Fora sustado o seu golpe-de-força pela negociação luso-britânica, que tornara politicamente impossível aos Estados Unidos precipitarem-se sobre o arquipélago, e pelo acordo entre Londres e Lisboa, que privara Washington de qualquer pretexto ou fundamento. Mas o presidente americano exprime a Churchill o desejo de enviar aos Açores uma força naval dos Estados Unidos oito ou dez dias após a entrada em vigor do acordo anglo-português; Roosevelt sugere que de nada seja o governo português avisado; as forças navais americanas, e aéreas, entram simplesmente nos Açores; e aos portugueses seria depois dito que ingleses e americanos "estavam imensamente penalizados" pelo que acontecera mas que, perante o facto consumado, "muito pouco poderiam os portugueses fazer". Churchill concorda, e entende que se deve reafirmar a disposição de declarar guerra à Espanha, se esta atacar Portugal em razão do acordo dos Açores; e salienta que o compromisso com os portugueses não especifica as forças a serem usadas para defender Portugal. Ainda em Setembro, o Estado-Maior americano apresenta ao Estado-Maior britânico "um plano para uso dos Açores". Segundo esse plano, os Estados Unidos pretendem os Açores como base de patrulhas e de luta anti-submarina, de protecção a comboios, e de apoio para transporte de tropas e abastecimentos destinados ao Reino Unido, Mediterrâneo, Índia e China. Para este efeito, os chefes militares americanos, querem uma base naval em Ponta Delgada e outra na Horta; uma base militar nas Lajes, na Terceira; e uma base militar nas Flores. E propõem-se enviar para os Açores um efectivo de cerca de 10 000 homens. No pensamento do Foreign Office, este plano equivale à ocupação americana do arquipélago.



























(...) Churchill, todavia, continua sob a influência de Roosevelt, e quer a todo o preço satisfazer este. Telegrafa por intermédio de Dill ao almirante americano King: "a minha decisão e o meu compromisso são no sentido de estabelecer os americanos plenamente naquelas ilhas para fins de guerra; mas King deve recordar-se de que os portugueses estão atemorizados com os americanos pois julgam que estes querem os Açores enquanto os ingleses são, pelo menos neste caso, inocentes cordeiros". Eden lê este telegrama, e fica perturbado. Protesta vigorosamente junto de Churchill: "A satisfatória reacção dos portugueses, baseada inteiramente na sua lealdade à aliança luso-britânica, contrasta mais do que favoravelmente com a conduta de outros neutros, como a Turquia ou a Irlanda"; e "se os americanos querem mais, como parece quererem por razões suas, tem de tentar consegui-lo por si mesmos". Churchill não força o seu secretário de Estado; procura ganhar tempo; e pede a King que se mantenha calmo porque está decidido a levar os americanos aos Açores.

(...) Do mesmo passo, o Estado-Maior britânico responde ao ambicioso plano dos chefes militares americanos. Dizem aqueles: "atendendo à história das negociações com os portugueses e sendo extremamente indesejável envolver Portugal na guerra nas condições presentes, confiamos em que o Estado-Maior americano não espere obter concordância imediata ao seu programa que excede largamente o conjunto das facilidades que solicitámos aos portugueses". Sustentam a necessidade de uma expansão gradual, para evitar uma reacção alemã e não apavorar os portugueses. Parece, afirmam os ingleses, que Washington não se dá conta das dificuldades do arquipélago; devem as facilidades ser progressivamente ampliadas até que, avaliadas as circunstâncias, se possa apresentar o assunto a Salazar; e não pode esquecer-se que tudo quanto afecte Portugal se repercutirá na Península, no Mediterrâneo e na África do Norte. Ao mesmo tempo, para travar Churchill, Eden escreve a este último: "Temos diante de nós um ambicioso plano americano, elaborado em completa ignorância das negociações de Lisboa e dos termos do acordo final"; "até novos comentários dos americanos, não devemos praticar qualquer diligência junto dos portugueses em nome daqueles"; de outro modo, se se precipitar tudo, o caso "teria um péssimo efeito sobre o Dr. Salazar e, vista a sua profunda desconfiança dos americanos, poderia alterar a presente atitude portuguesa de cooperação para uma atitude, que, na melhor das hipóteses, seria de relutante consentimento"; "é fundamental que os americanos compreendam que o Portugal moderno, que para todos os efeitos práticos é o Dr. Salazar, não é uma segunda Guatemala, de que os americanos podem obter tudo o que desejam simplesmente com ameaças e suborno"; além disso, os ingleses haviam assegurado que os americanos dariam garantias de respeito pela soberania portuguesa; o peso das forças portuguesas está nos Açores, e resistiria a um acto de força; e o "Dr. Salazar não é homem para concordar no que teria de ser considerado a dissolução do Império Português". Mas o primeiro-ministro, embora amolecido por Eden, continua obstinado: "compreende os seus sentimentos", diz ao secretário de Estado, "mas temos de trabalhar para obter para os americanos facilidades pelo menos iguais às nossas"; essas facilidades seriam a contrapartida da garantia americana quanto à soberania portuguesa; e "os portugueses devem tomar nota das profundas mudanças que ocorreram desde que todas estas conversas principiaram". Entretanto, é recebido em Washington o parecer dos chefes militares ingleses, e Eden comunica directamente com o Departamento de Estado: os americanos são travados na sua ávida precipitação

(...) Logo que desembarcam nos Açores as forças britânicas, Roosevelt precipita-se na sua ânsia de utilizar também o arquipélago. Escreve ainda em Outubro a Churchill: "Salazar pode estar certo de que os Estados Unidos não têm o desejo de permanecer depois da guerra em qualquer território português e de que será bem-vindo como beligerante ao nosso lado". Churchill está desejoso de satisfazer o presidente americano, e sugere que dentro de oito ou dez dias, sem aviso aos portugueses, algumas forças dos Estados Unidos cheguem aos Açores. Eden não concorda: parece-lhe que Roosevelt trata o arquipélago como se este não fosse português: e quer que decorra muito mais tempo antes de anuir ao pedido americano, até para certeza de qualquer reacção alemã ou falta desta. Diz o primeiro-ministro que não faz questão de data; mas o assunto não pode ser esquecido, porque assim o prometeu ao presidente. Eden conversa então com Churchill e dissuade-o de qualquer acção. Mas não tem, neste particular, confiança no primeiro-ministro, e anota para o Foreign Office: "Falei neste assunto ontem à noite ao P. M. e instei no sentido de passar pelo menos um mês antes de satisfazermos os americanos. Ele concordou mas o departamento deve estar vigilante sobre este problema durante a minha ausência". Mas na verdade Churchill propõe a Roosevelt que a esquadra americana comece a ser reabastecida nos Açores a partir de 7 de Novembro e que na mesma altura aterrem nas ilhas aparelhos da força aérea dos Estados Unidos. São propostas que excedem os termos do acordo, e o Foreign Office nota-o. Depois, Roosevelt muda de pensamento, e informa Churchill de que prefere tratar directamente com Salazar, sem os ingleses como intermediários. Replica o primeiro-ministro: "Com certeza, faça o seu próprio pedido ao governo português! O único problema consiste em saber se lhe deve dar mais alguns dias para ver a reacção alemã, mas a responsabilidade desta decisão pertence-lhe a si".  Simultaneamente, é assinado em Lisboa, pelos brigadeiros Ian Grant e Luiz Lello, um acordo para defesa do continente português, e em que se consideram quatro hipóteses: ataque pela Alemanha com resistência espanhola; ataque alemão com anuência de Espanha; ataque conjunto pela Alemanha e pela Espanha; e ataque apenas por esta última, havido aliás como pouco provável. E Campbell recebe instruções para apoiar o representante americano, Kennan, nas diligências que este vai empreender. Entretanto, Kennan fora chamado a Washington, e aí procurara moderar os departamentos de Estado e da Guerra quanto aos pedidos a apresentar sobre os Açores. Regressa Kennan, e solicita uma audiência ao chefe do governo: durante esta deve prestar as garantias anunciadas pelo governo britânico: e deve iniciar as diligências para obter nos Açores facilidades independentes para os Estados Unidos. Mas cinco minutos antes de partir para a entrevista recebe Kennan um telegrama de Washington determinando-lhe que retenha a prestação de garantias. Fica embaraçado, e preenche a conversa com banalidades, acabando por declarar que a sua diligência perdera o sentido uma vez que fora julgado preferível praticá-la em Washington junto do representante português. "Fico curioso de saber o que será", comenta Salazar. Mas a Bianchi, em Washington, nada é dito. Salazar compreende o jogo: os Estados Unidos querem obter primeiro as facilidades nos Açores anunciando as garantias para depois: e alcançado o seu objectivo apenas dariam garantias contra mais concessões noutros domínios.



Oliveira Salazar



Entretanto, também ainda em Outubro, Kennan recebe novas instruções de Washington, em nome pessoal do presidente. Segundo aquelas, deve pedir a Salazar: uma base aeronaval em Ponta Delgada, uma base aeronaval na Horta, uma base aérea em São Miguel, uma base aérea na Terceira, uma base aérea nas Flores; facilidades de comunicações, de observação e postos de radar; instalações para pessoal civil e militar; e autorização para estacionamento de forças maciças nas ilhas. Kennan deve invocar uma frase da aliança luso-britânica que alude aos "amigos dos amigos". E deve cumprir as suas instruções até ao dia 18 de Outubro, "se até essa data a Alemanha não houver empreendido qualquer acção militar contra Portugal". Kennan sente-se estonteado. Protesta para Washington: "tenho relutância em discutir com o Departamento ou pedir ao Departamento que discuta com o Presidente uma instrução que me é dada por este"; mas entende que se não podem apresentar pedidos aos portugueses; e "estou pronto a assumir a responsabilidade pessoal desta atitude". E declara-se disposto a ir a Washington para expor o seu ponto de vista. Ao mesmo tempo, dá a conhecer a Campbell o teor das suas instruções. Campbell fica desvairado. Comenta para o Foreign Office: "a minha opinião é que os Estados Unidos seriam mal avisados em reter as suas garantias na esperança de as usarem como meio de pressão para conseguirem as facilidades que pretendem. Isso pode dar resultado com alguns governos mas não dará resultado - repito, não dará resultado - com o Dr. Salazar". E o Foreign Office reforça este parecer: "o governo dos Estados Unidos não tem facilitado os seus objectivos pela maneira altamente inepta como se tem comportado com o Dr. Salazar"; e além disso "temos informação secreta, mas fidedigna, de que o Dr. Salazar, tranquilizado embora quanto à reacção alemã, continua a justificar a sua decisão na base da aliança luso-britânica e não concederá facilidades aos Estados Unidos, salvo possivelmente sob cobertura inglesa". Mas o Foreign Office tem ainda outra preocupação mais profunda: "o Dr. Salazar não acreditará que nós ignoramos as pretensões americanas, e seremos certamente responsabilizados pela conduta dos americanos e acabaremos por ter de encontrar uma saída para as dificuldades criadas pela sua precipitação"; e é de esperar que os americanos não pensem "como último recurso em usar a força, uma vez que isso permitiria ao Dr. Salazar invocar a aliança anglo-portuguesa e pedir-nos que defendêssemos território português contra os americanos". Aliás, observa o Foreign Office, esse acto americano "não teria justificação possível em face da Carta do Atlântico e de qualquer código de moral internacional". Churchill fica dividido entre o alarme e a irritação. Responde ao Foreign Office: "Tudo isto pode acabar mal para Salazar. Mas que podemos nós fazer excepto dizer a Campbell que dê a Kennan os melhores conselhos possíveis? É seguro que os Estados Unidos têm de ter facilidades pelo menos iguais às nossas. Não podemos separar-nos do pedido deles, e podemos imaginar que em apoio daquele podem usar a força". E na ausência de Eden, o primeiro-ministro pergunta a Cadogan: "Acha que Salazar pode ser convencido a tomar um avião para Gibraltar e encontrar-se ali comigo no próximo mês?". Mas Cadogan desencoraja a ideia: era improvável que Salazar aceitasse, salvo se se julgasse em muito sérias dificuldades: Churchill retira a sugestão: e esta fica em suspenso para a hipótese das diligências americanas correrem mal: nesse caso seria de tentar um encontro entre Salazar e Churchill ou Eden. A Campbell, todavia, é dada latitude para mencionar aquela possibilidade em Lisboa, se o julgar útil. Mas Campbell, por seu turno, sente alarme extremo, e agasta-se com Washington: "os americanos, com perfeita inconsciência, julgam que nós ocupamos as ilhas todas", e "os conselheiros do Presidente não devem ter lido o texto do acordo". E para Londres Campbell admoesta o Foreign Office: "o Dr Salazar quer eliminar o sentido mórbido de subserviência perante a influência britânica"; e "inculcar um novo espírito de dignidade e respeito próprio" e o sentimento de "que os portugueses, embora materialmente fracos, podem, se moralmente fortes, lidar com quem quer que seja em termos de igualdade". E repisa em carta para Frank Roberts: "os americanos não obterão o que querem se se excederem"; "se insistirem ou ameaçarem, Salazar mostrará aos alemães e aos espanhóis que foi enganado pelos americanos, e depois recorrerá aos ingleses para se oporem àqueles, e se tudo falhar resistirá pela força e apresentará ao mundo o caso moral".






Impressionado com a reacção de Kennan, Roosevelt, embora dispensando-o de ir a Washington, autoriza-o no entanto a suspender o cumprimento de instruções e pede-lhe que exponha em telegrama o seu ponto de vista. No intervalo, Churchill apercebe-se da amplitude das exigências americanas nos Açores: vão para além de tudo o que imaginara. E intervém junto de Roosevelt: receia que haja um mal-entendido; quando concordou com negociações directas luso-americanas, julgava que estas se destinavam a obter facilidades semelhantes às concedidas aos ingleses; é agora informado de que Washington pretende regressar às exigências que em tempos haviam sido formuladas pelo Estado-Maior americano, e às quais objectara; e se é assim, "não posso deixar de sentir que é inviável obtê-las imediatamente, e pergunto-me se tem alguma informação precisa de Lisboa que o leve a ver ser possível alcançá-las por negociação directa". Entretanto, Kennan por seu turno expõe em longo telegrama o seu parecer. Afirma claramente: se forem apresentados a Salazar todos os pedidos constantes das instruções de Outubro, não só aquele os repudiará sem apelo como ficará tão suspeitoso que recusará no futuro o mais insignificante pedido. E Kennan enumera as suas razões: Salazar não está "preparado" para tais exigências, e a muito menores solicitações inglesas só acedeu com relutância e em virtude da aliança; as relações luso-alemãs estão tensas, quase no ponto de ruptura, e provocar esta é contrário ao interesse americano de manter neutral a Península; Salazar receia uma associação com os Estados Unidos pouco menos do que com a Rússia; estar-se-ia a jogar a favor da propaganda alemã, que apresenta as facilidades concedidas aos ingleses como simples abertura de uma porta por onde penetrará a torrente americana; Salazar há-de pensar que os Estados Unidos pretendem todo o arquipélago; não se está em troca a oferecer seja o que for a Salazar, enquanto os ingleses reafirmaram a aliança e as garantias de defesa do império português; se as exigências americanas, tal como formuladas, forem submetidas a Salazar, este chamará imediatamente Campbell e torná-lo-á responsável pelo que se passa; e, finalmente, há que notar haverem sido recusados a Londres muitos dos pedidos que agora Washington se propõe fazer. Deste modo, conclui Kennan, "salvo se estamos dispostos a conspirar para derrubar o Dr. Salazar, o que envolveria uma responsabilidade que me faz estremecer", há que ganhar a confiança do chefe do governo português e apresentar os problemas "docemente e gradualmente". E por isso, quem quer que venha negociar deve poder usar de grande latitude discricionária. Perante esta firmeza de Kennan e os seus argumentos, e em face da intervenção de Churchill, Roosevelt modifica a sua atitude. Diz a Kennan: "Em virtude da sua compreensão e conhecimento da situação local e da psicologia dos portugueses, e da possibilidade de reacções alemãs, nós confiamos no seu julgamento quanto aos limites práticos até onde deve ir". E uma vez que não é lícito pedir sem compensação, Kennan fica autorizado a prestar ao governo português a garantia territorial anunciada, relativa a "todo o império colonial português e sua soberania". A Churchill diz o presidente americano quais as novas instruções que expediu para Lisboa; e o primeiro-ministro e Eden convencem-se de que "os americanos não sabem o que querem". Mas em 24 de Outubro, de posse das suas novas instruções, Kennan apresenta-se a Teixeira de Sampaio. Este pergunta pelas garantias americanas, esperadas desde Agosto. Kennan responde que está autorizado a prestá-las imediatamente. E em 25 daquele mês endereça a Salazar uma nota em que diz: "No cumprimento de instruções do meu governo, tenho a honra de informar V. Ex.ª de que, em ligação com o acordo recentemente concluído entre Portugal e a Grã-Bretanha, o governo dos Estados Unidos toma o compromisso de respeitar a soberania portuguesa em todas as colónias portuguesas". Dias mais tarde, Roosevelt dirige-se pessoalmente a Salazar. Escreve: Kennan dir-lhe-á "quanto eu tenho acentuado, como meio de encurtar a guerra e de salvar vidas, o uso de facilidades na Terceira e na Horta por americanos assim como por ingleses. Mas posso eu aproveitar esta oportunidade para lhe recordar uma história que decerto lhe é familiar?". E o presidente dos Estados Unidos lembra que em 1918, quando subsecretário da Marinha, visitara a Horta e Ponta Delgada, onde os aliados desfrutavam de facilidade de abastecimento, de reparação e de bases para a campanha anti-submarina. "Nesse tempo, nunca foi posta em causa a boa-fé dos Estados Unidos em cumprir a sua promessa de, tão cedo quanto possível após a guerra", abandonarem essas bases; tudo inspeccionara pessoalmente; as relações entre os dois países eram então de confiança e amizade mútua; e "em 1919 todas as nossas forças foram retiradas". E Roosevelt conclui por dizer que gostaria de ver Salazar "num dia próximo" e tratar da aproximação cultural entre os Estados Unidos, Portugal e o Brasil. "Não preciso de lhe dizer que os Estados Unidos não têm quaisquer desígnios sobre o território de Portugal e suas possessões". Salazar compreende a notificação suavemente feita por Roosevelt. Mas desconhecendo as intenções iniciais americanas, e suspeitando-as somente, não pode avaliar com rigor quanto a sua política fizera sustar aquelas e quanto recuo há na carta de Roosevelt. Nem pode tão-pouco pesar o serviço que no episódio fora prestado por Kennan e por Churchill.


(...) Em 1 de Dezembro, Kennan tem com Salazar a nova conversa que solicitara. Reitera o desejo americano de facilidades nos Açores, à sombra e em compensação das garantias escritas prestadas pelo governo de Washington, e faz-se eco das necessidades da aviação civil norte-americana, que pretende um aeroporto comercial nas ilhas para as suas carreiras transatlânticas. Salazar continua a não se comprometer, todavia. Kennan levanta problemas económicos, e de abastecimento a Portugal, e suscita a questão das exportações do volfrâmio para a Alemanha, que Washington desejava ver sustadas; e refere-se à eventual construção de mais um aeroporto nos Açores, que de início os americanos encaravam nas Flores e que agora pretendem em Santa Maria. Salazar, apoiado em números, demonstra a sem-razão dos aliados no problema do volfrâmio, que considera muito delicado por poder arrastar à perda da neutralidade portuguesa e à prática de actos de guerra por parte da Alemanha; e quanto aos aeroportos, cuja construção Kennan tentara ligar à guerra contra o Japão, repisa Salazar a tese de que na situação actual não são possíveis facilidades nos Açores fora do quadro da aliança luso-britânica. E por seu lado sublinha que Portugal aguarda reacção à pergunta que há muito fizera: de que maneira e com quem deve ser discutida a participação portuguesa em operações militares para expulsar os japoneses de Timor? Kennan não está habilitado a satisfazer Salazar; mas julga compreender que no espírito deste as duas questões se apresentam como ligadas e interdependentes. Neste contexto e nestas linhas, Salazar entrega a resposta à carta de Roosevelt. E ausenta-se de Lisboa, para uns breves dias em Santa Comba e no Vimeiro. Entretanto, em Londres e Washington debatem-se os dois problemas. De parte americana, mantém-se a ideia de um acto brutal de violência que coloque Salazar perante um facto consumado. De parte inglesa, pretende-se resistir às pressões norte-americanas, por um lado; e por outro lado os chefes do Estado-Maior britânico ambicionam ampliar as facilidades de que as forças britânicas dispõem nos Açores e julgam ser vantajoso, para a causa aliada, que Portugal declare guerra ao Japão. Campbell, que meditara profundamente o discurso de Salazar de 26 de Novembro na Assembleia Nacional e começa a ser permeado pelas razões profundas da política do chefe do governo português, sente-se alarmado. Intervém, escreve uma carta pessoal a Eden: o que a Londres parecia líquido não o era, e podia suscitar consideráveis dificuldades; se os alemães haviam "engolido" o acordo dos Açores, porque resultava de uma aliança anterior às hostilidades, não aceitariam sem reagir uma declaração de guerra contra o aliado nipónico; há o risco de os japoneses tomarem Macau, de que os portugueses são "extraordinariamente orgulhosos", e onde se encontram centenas de milhar de refugiados, cujo sacrifício Salazar considera um dever evitar; e, embora conste que já fez algumas sondagens em Madrid, Salazar não desejara precipitar uma atitude que, de momento, pode perturbar o alinhamento neutral da Península. E Campbell comenta que é errado presumir que o chefe do governo português se sente impressionado com os triunfos aliados: "não há que pensar que Salazar deseja subir para o comboio da vitória; a essência da sua política é a independência e a não-subserviência a qualquer potência, incluindo as potências aliadas; e está firmemente resolvido a não ser peão no jogo de quem quer que seja". Salazar poderá declarar guerra ao Japão quando o julgar da sua conveniência: não o fará quando essa declaração for apenas da conveniência dos aliados.

(...) No termo de 1943 chega a Lisboa o novo ministro dos Estados Unidos, Henri Norweb. Amigo pessoal de Roosevelt, é homem que desconhece dificuldades, melindres alheios, interesses diversos, e que se sente estupefacto e desorganizado se alguém ou algum governo tiver ponto de vista diferente do de Washington. No dia 31 de Dezembro de 1943, Norweb é recebido por Salazar. Desde logo ataca todo o problema frontalmente: os Estados Unidos pretendem facilidades próprias em Ponta Delgada, a extensão do aeroporto das Lajes, um novo aeroporto em Santa Maria, uma estação meteorológica e de navegação nas Flores. Salazar mantém absoluta reserva quanto aos pedidos de fundo; e apenas declara que não vê inconveniente em que as facilidades concedidas aos ingleses sejam utilizadas pelos americanos, nem se opõe a que estes tenham nas instalações daqueles alguns oficiais, desde que não ostentem as insígnias dos Estados Unidos, não constituam unidades de combate e se mantenham nominalmente sob comando britânico. Salazar duvida, no entanto, que a sua reacção haja sido claramente entendida por Norweb, cuja atitude de insensibilidade lhe pareceu perigosa e cujo tom se lhe afigurou confuso. Depois, de harmonia com os desejos do Estado-Maior inglês, Campbell apresenta em 6 de Janeiro um memorial em que solicita a extensão de algumas facilidades concedidas, à luz da experiência adquirida em três meses. Campbell amplia e desenvolve verbalmente o conteúdo do documento. Salazar não suscita quaisquer dificuldades em examinar o novo pedido de Londres. Mas queixa-se de Norweb, e mostra a maior relutância em discutir a diligência daquele com o enviado britânico. Desvenda a Campbell um aspecto capital: quando em nome de Berlim apresentara o seu protesto pelo acordo dos Açores, Huene afirmara que o governo alemão compreendia os ingleses no arquipélago, mas não compreenderia nem aceitaria os americanos. Campbell entende a implicação, sente-se alarmado, comunica urgentemente a Eden o que se passa; e afirma estar seguro de que, se as forças americanas tenderem a desembarcar nos Açores para além da fórmula já admitida por Salazar e contra a vontade do governo português, ou sem acordo deste, as forças portuguesas resistiriam militarmente. Eden comenta: "uma péssima amostra da diplomacia americana".






Salazar pressente que os americanos podem resolver usar a força. E na noite de 8 para 9 de Janeiro de 1944, às duas da madrugada, chama Campbell: faz-lhe uma comunicação sóbria, é breve, incisivo: e com simplicidade informa o embaixador de que acaba de dar instruções ao comando português nos Açores para atacar as forças americanas, até ao extremo limite dos meios militares disponíveis, se aquelas procurarem desembarcar. Não tem Campbell dúvidas sobre a decisão de Salazar, e transmite a Londres a sua ansiedade. As autoridades militares portuguesas nos Açores confirmam ao comando inglês as ordens recebidas, e a sua decisão de cumpri-las. Depois, Campbell comunica durante a noite a Norweb e a Crocker, conselheiro americano, as consequências de um acto de força dos Estados Unidos. Norweb e Crocker ficam entorpecidos de assombro: "parecia que uma mola se desprendera subitamente de uma caixa e lhes esmagara o nariz". E Norweb cai doente, fica de cama. Mas Churchill, no seu americanismo, sente irritação: não tem paciência para os neutros que querem escapar às dificuldades e ainda beneficiar: e pretende que Campbell apoie os americanos vigorosamente. Então, de meias-palavras deixadas cair por Palmela, o Foreign Office torna na primeira quinzena de Janeiro à sua ideia anterior de fazer um convite a Salazar para uma visita oficial a Londres. No pensamento do Foreign Office, o convite não deveria ser apresentado, para não lhe diminuir a amplitude, como destinado apenas a discutir os Açores, ou Timor, ou o problema do volfrâmio. Dir-se-ia ao chefe do governo português que o governo britânico julgou chegado o momento de examinar em conjunto o futuro imediato, o desenvolvimento ulterior da aliança luso-britânica, a posição dos dois países no após-guerra. Em 13 de Janeiro, Eden telegrafa a Churchill, ausente no norte de África, e obtém a concordância deste ao convite a Salazar. Entretanto, em Lisboa, Campbell insistia, em 17, por uma resposta ao seu pedido de princípios de Janeiro, relativo à extensão de facilidades nos Açores. Salazar escreve pessoalmente ao embaixador uma longa carta em 20, e é firme, mesmo sobranceiro: o governo português tem em muita conta os interesses britânicos, e procura satisfazê-los; mas não tem em menor conta a defesa dos seus próprios interesses, ou dos seus direitos, ou dos acordos concluídos e no espírito em que o foram, nem pode afastar-se dos princípios políticos em que se baseia; e um certo número de acções precipitadas obrigam-no a dizer, como já foi dito em Londres, que não deseja trabalhar sob pressões que imponham soluções mal pensadas ou semivoluntárias, nem está disposto a aceitar factos consumados; e em qualquer caso o governo português quer nas suas decisões salvaguardar a sua completa liberdade de espírito. Salazar reage como quem pressente perigos iminentes. E na verdade, no mesmo momento, a embaixada britânica em Washington acentua junto do Foreign Office toda a amplitude das ambições americanas sobre os Açores. E sublinha: Roosevelt afirmara a Halifax que o governo americano estava "vivamente interessado no destino do arquipélago" e a "ideia de uma qualquer forma de ocupação americana das ilhas está de há muito no seu pensamento" uma vez que as "encaram como uma importante base avançada para defesa deste continente". Corroborando a informação da embaixada britânica nos Estados Unidos, Roosevelt envia uma mensagem pessoal a Churchill: baseando-se nas entrevistas iniciais entre Salazar e Norweb, que este interpretara para Washington como consentimento de Lisboa ao desembarque de forças americanas, o presidente americano, embora admita que Salazar haja depois mudado de opinião, informa Churchill da sua intenção de não ter em conta tal mudança e do seu desejo de enviar em breve forças americanas para os Açores, que ficariam sob controle inglês para efeitos de operações. Mas em 20 de Janeiro, Norweb, já refeito, volta a avistar-se com Salazar: fala de Timor, da guerra no Oriente, da eventual participação portuguesa: mas não é discutido o problema dos Açores. Eden entretanto lê a mensagem de Roosevelt para Churchill, e com urgência intervém junto deste. Para Eden, "não há a menor dúvida de que o ministro americano não compreendeu Salazar de todo, e está fora de questão que este haja faltado à sua palavra". Dera o chefe do governo português o seu acordo à estadia de algumas forças americanas nos Açores sob comando inglês: não dera acordo ao desembarque de forças americanas independentes, nem à permanência de uma esquadra aérea dos Estados Unidos, como Roosevelt pretende. E a verdade é que Salazar "tem sido muito compreensivo em todos estes importantes problemas, não obstante a confusão e inépcia das diligências americanas"; se Washington persistir na sua atitude, "poderá prejudicar outros importantes desejos americanos e britânicos"; e é óbvio que o "Presidente não conhece Salazar, que é perfeitamente capaz de repetir a sua ameaça de resistir pela força a desembarques americanos - ainda que isso possa ser havido como loucura - se estes preferirem o facto consumando à negociação". Não se contentando em enviar ao primeiro-ministro os seus comentários escritos, Eden fala pessoalmente a Churchill sobre o assunto, no dia imediato, e submete-lhe um projecto de resposta a Roosevelt, que na sua substância é perfilhado pelo primeiro-ministro. Este afirma ao presidente não ter dúvidas de que Norweb está agindo num equívoco, baseado num acordo que Salazar não deu; Salazar está pronto a cooperar, desde que salvaguardados os princípios; não se pode esquecer que os alemães aceitam os ingleses nos Açores, mas não os americanos, porque a aliança não se aplica a estes; e sem embargo dos anglo-americanos possuírem força esmagadora, seria "incoerente com a nossa atitude geral para com pequenas potências tratá-las brutalmente em questões de neutralidade". Churchill recomenda que quaisquer forças americanas se apresentem como britânicas, e promete enviar a Salazar uma mensagem pedindo-lhe para satisfazer os desejos dos Estados Unidos. Em Lisboa, também a 20 de Janeiro, é dada resposta oficial a pedido inglês de extensão das facilidades nos Açores: Salazar recusa a utilização de Ponta Delgada: e vai considerar o problema das Lajes. No dia seguinte Norweb, em nota, limita-se a solicitar autorização para que seja construído, em local a escolher, um aeroporto, que possa ser usado em alternativa ao das Lajes. E ao receber João Neves, embaixador do Brasil, Salazar queixa-se da rudez e insensibilidade de Norweb; João das Neves confidencia as queixas a Campbell; e este confidencia-as ao Foreign Office e a Norwerb. Desde este momento, os americanos actuam cautelosamente, e com extremo respeito pelos escrúpulos e princípios de Salazar.









































































Entretanto, chegam a Campbell as instruções de Londres para convidar Salazar a uma visita oficial a Inglaterra. Salazar recebe o embaixador em 22 de Janeiro, e este faz o convite em termos prementes e persuasivos. Salazar agradece: mas lamenta desde logo não o poder aceitar. Campbell insiste: "estou certo de que gostaria de ir a Londres, pense bem no convite". Salazar responde: "não tenho dúvidas, vou pensar". Depois, Campbell levanta uma outra questão: as exportações de volfrâmio. Londres atribui máxima importância àquela matéria-prima, e ao seu valor estratégico; e desejaria que fosse embargada a sua exportação, estando Londres disposta em princípio a compensar os prejuízos económicos. Salazar exprime dúvidas; queixa-se de que no assunto o ponto de vista inglês parece mudar constantemente; salienta que dois terços da produção portuguesa se destinam aos aliados; e invoca mais uma vez as possíveis reacções alemãs. Mas pretende-se discutir a matéria imediatamente? Não, responde o embaixador, apenas quereria que o governo português reflectisse no caso. Para Londres, Campbell informa ser pouco provável que Salazar aceite o convite, pois está convencido de que se estiver ausente três ou quatro dias "todo o país ficará em pedaços"; e no problema do volfrâmio parecem-lhe genuínas as preocupações de Salazar. Mas dois dias mais tarde Campbell avista-se com Teixeira de Sampaio, e repisa junto deste todas as questões. Passam duas horas em conversa. Sampaio tinha estado doente, com violento ataque de gripe; e retomava agora o serviço. E confidencia a Campbell que não é bom o estado de espírito de Salazar. Este ficara ressentido com a pressão de Campbell para que tudo fosse decidido com urgência: e despendera dezasseis horas seguidas, sozinho, a estudar os assuntos pendentes e a redigir respostas às notas do embaixador. Além disso, Sampaio não ocultava que Salazar continuava desconfiado, e que tinha razões para tanto. Sob a capa dos serviços de informação ingleses a polícia descobrira factos de onde se concluía o envolvimento da embaixada britânica numa conspiração, em conluio com os oposicionistas, para derrubar o governo português. Campbell desmente com energia as conclusões da polícia. Na sua transmissão desta conversa para Londres, todavia, Campbell comenta que já sabia que Salazar sabia; assim o dissera Catela [inspector-superior da Polícia de Vigilância e Defesa do Estado, colaborador da confiança de Agostinho Lourenço. Havido ao tempo por pró-alemão, e mesmo nazi, as suas simpatias reais estavam no entanto do lado inglês], informador da embaixada, a Risso-Gil, que imediatamente o comunicara ao embaixador. E quanto aos oposicionistas, Campbell dá o seu parecer em carta a Roberts, do Foreign Office: "a minha impressão sobre a oposição aqui é a de que esta consiste em pequenos grupos, trabalhando em segredo, e desprovidos de qualquer coesão. Estou convencido de que, se Salazar desaparecesse subitamente, começariam a apunhalar-se uns aos outros. E duvido que Monteiro (ou qualquer outro) seja suficientemente forte para pôr todas as cabeças de acordo e formar um governo homogéneo". Decerto: Salazar sabe que, ao aproximar-se a vitória aliada, "os portugueses, de harmonia com os seus hábitos, hão-de querer imitar o resto de uma Europa em que o autoritarismo sofrerá um forte desconto"; mas a verdade é que, segundo as informações chegadas à embaixada, Salazar tem motivos para "estar satisfeito com a situação que considera haver melhorado". Nos primeiros dias de Fevereiro, a 3, Sampaio chama Campbell, e em nome de Salazar declina o convite para este visitar oficialmente Londres.

Paralelamente, Salazar responde aos pedidos americanos. Todos são recusados. Exceptua a construção de um aeroporto alternativo nos Açores, que poderá interessar à aviação civil em futuro próximo. Concorda em estudar a sua localização, na ilha do Faial ou na de Santa Maria. Mas para o efeito o governo português dirigir-se-á a uma companhia civil americana quando puder dispor dos técnicos necessários para acompanharem os daquela [na altura, a Pan American Airways]. Quando a conhece, Campbell ressente esta concessão: considera-a como significando a penetração dos Estados Unidos num país até agora na exclusiva esfera de influência britânica. E em carta comenta para Roberts: "creio que os americanos, por estarem muito fortes, julgam que ninguém lhes deve recusar coisa alguma"».

Franco Nogueira («Salazar», III).








«A Inglaterra é um pioneiro e um mestre no campo da propaganda. A sua acção durante a 1.ª guerra foi imbatível. Sob a direcção de Lord Northcliffe montou uma máquina pequena mas sofisticada, que teve uma importância imensa na mobilização da frente interna, na entrada dos EUA e de diversos países neutros na guerra - entre os quais Portugal - e na desmoralização das potências centrais. É em grande parte à acção desenvolvida nestes anos que se deve a difusão na Europa Ocidental da imagem da Alemanha como um poder brutal, inimigo da cultura e dos "valores superiores" da civilização ocidental.

Com o fim da primeira guerra a máquina de propaganda inglesa é desfeita em poucas semanas, pois a concepção da ligação entre a sociedade e o indivíduo impede que se mantenha em tempo de paz. No entanto, Londres não pode assistir indiferente ao esforço alemão de propaganda desde 1933 e aos seus efeitos no exterior. Logo em 1934 cria-se o British Council, com o objectivo final de difundir a língua e a cultura inglesa no exterior, e o fim oculto de responder à propaganda de Berlim e servir de fachada a outras organizações. O British Council abre nos anos trinta um escritório em Portugal, onde a iniciativa é bem acolhida e encontra um público numeroso.

Seria preciso esperar até à crise de Munique para que a Inglaterra desse um novo passo. Em 1938, a BBC inicia as emissões em língua estrangeira, dirigidas inicialmente para a América do Sul e o Médio Oriente, onde o crescimento da influência alemã era especialmente preocupante. No ano seguinte começariam as emissões em português.

Com a guerra a Inglaterra lança-se decididamente na batalha da propaganda, que sabe melhor que ninguém ser um aspecto essencial de qualquer conflito moderno, sem o qual não se obtém nenhuma vitória duradoura. A actividade da propaganda é dividida em duas grandes esferas, na medida em que as diferenças de políticas e métodos são tão grandes que o justificam: por um lado, a frente interna e os países aliados e neutros; por outro, o inimigo e os países ocupados. A primeira é entregue ao Ministério da Informação (MOI); a segunda ao Departamento de Propaganda, dirigido inicialmente pelo imaginoso e inesperado Hugh Dalton e onde depois se viria a destacar Sir Robert Bruce-Lockhart, o grande mestre da propaganda negra. Portugal como neutro manter-se-ia na esfera do MOI, que colabora estreitamente com o FO no caso português, ao contrário do que acontece para outros países. Em 1942, por exemplo, realizam-se reuniões semanais entre o M. da Informação e o FO, representado por Makins, onde este defende que em nenhuma circunstância se deve mencionar a fraqueza de Portugal, para não despertar o muito forte "sentimento de inferioridade".





(...) O FO teve um importante efeito moderador na propaganda para Portugal. Era ele o principal responsável pela definição da linha de propaganda perante o regime e as figuras do Governo, que se podia resumir da seguinte maneira: louvar as autoridades como representantes do Estado, mas não o regime, pois tal só serviria para irritar a maioria dos "amigos" da Inglaterra em Portugal, sem lhe dar vantagens junto das autoridades. A propaganda de Sua Majestade mantinha uma atitude neutra perante o Estado Novo, enquanto regime político. Este só seria criticado pela propaganda inglesa em dois períodos curtos: em meados de 1944 durante alguns dias, no âmbito do golpe que o FO pretendia então promover para resolver a questão do volfrâmio; no fim da guerra, de forma indirecta e muito moderada, de modo a tentar incentivar a liberalização interna.

Estes princípios gerais foram mantidos ao longo de todo o conflito, mas a linha concreta da propaganda variou muito. Podem-se distinguir três fases: uma defensiva até 1942; uma de equilíbrio relativo até meados de 1943; uma final, ofensiva.

Nos primeiros tempos, a Inglaterra viu-se surpreendida pela qualidade da propaganda do Eixo, em especial, foi um golpe terrível para a colónia inglesa em Portugal que, nas palavras da própria Embaixada, "entrou em pânico". O resultado, foi uma apressada reorganização da propaganda, com o empenhamento de recursos substanciais. Até meados de 1941, a sua linha centra-se nalguns pontos básicos:

a) a secular ligação com Portugal e as actividades britânicas de longa data no país;

b) a força inglesa, especialmente o poder da sua marinha, da RAF e das novas unidades blindadas em criação, como resposta à imagem recém-criada da invencibilidade dos panzer;

c) apoio ao império, não se perdendo uma ocasião de realçar que a Inglaterra sustenta o domínio português nas ilhas e em África, de modo a combater a ideia da propaganda germânica que Londres tinha ambições sobre as colónias;

d) o carácter da luta conjunta contra o Eixo, realçando-se o contributo da Commonwealth e o poder americano, como uma imensa reserva.

É nestes primeiros anos que encontramos Salazar mais vezes presente na propaganda inglesa, especialmente nas publicações feitas em Portugal, como o Mundo Gráfico e o Anglo Portuguese News. No entanto, mesmo neste período não há uma identificação com o regime, e os orgãos da propaganda inglesa promovem preferencialmente a figura de Carmona e dos vultos mais ligados ao regime.

Na fase de equilíbrio relativo, os pontos básicos de propaganda inglesa alteram-se:

a) salienta-se que os aliados defendem a religião e os valores ocidentais, de modo a tentar combater a campanha alemã contra o avanço soviético;

b) realça-se a inevitabilidade da derrota alemã, cercada de todos os lados, apresentando-se a situação de tal maneira, que por vezes há dificuldade em explicar a lentidão do avanço;

c) promovem-se os pontos de contacto com os EUA, de modo a melhorar a sua imagem em Portugal, o que coincide com a chegada dos financiamentos americanos.






É nesta fase que a propaganda aliada tende a superar a do Eixo, notando-se nela um crescente tom de vitória e um maior distanciamento em relação ao regime. Por vezes, há mesmo algumas críticas veladas, como seja a elogiosa reportagem fotográfica sobre a visita de Armindo Monteiro a várias fábricas inglesas, numa altura em que Londres já sabe que o Embaixador está demitido.

Na última fase, a partir de fins de 1943, o tom de crítica indirecta acentua-se. As reportagens sobre a guerra são pouco a pouco retiradas dos lugares de honra e as revistas de propaganda tendem a realçar as tarefas futuras da Inglaterra na paz e na reconstrução da Europa. A partir de meados de 1945, são inseridos vários artigos sobre a prática da democracia na Inglaterra e nos EUA, combatendo a ideia de que as eleições estão associadas a desordens.

Os dois pontos principais da propaganda a partir de 1944, são:

a) a ideia de que a vitória aliada não representa a revolução social nem o comunismo triunfante;

b) Portugal e a Inglaterra têm muitos campos de cooperação no pós-guerra, quando se tornar necessário reconstruir a Europa.

(...) A Inglaterra usa a influência nos jornalistas portugueses para reproduzir panfletos e literatura de propaganda em casos de emergência. A PVDE sabia que as tipografias do Jornal do Comércio e das Colónias, por exemplo, eram utilizadas para reproduções clandestinas de panfletos de propaganda para Portugal e para a Espanha, que eram em seguida distribuídos por redes próprias para o país vizinho.

As editoras eram outro dos alvos da propaganda inglesa, que as procurava influenciar através de testas de ferro. Algumas editoras eram conhecidas pela sua declarada parcialidade anglófila, como acontecia com a "Parceria A.M. Pereira", que tinha várias colecções de autores portugueses e traduções que eram propaganda disfarçada. Noutros casos, a intervenção aliada tinha de ser mais directa, como aconteceu com a "Bertrand" em 1942.

O Adido de Imprensa inglês mantinha contactos regulares com a Censura, pela qual passavam os artigos portugueses. No geral, as relações eram consideradas satisfatórias e no fim da guerra mesmo boas, excepto durante as eleições de 1945 em Portugal, quando muitos artigos dos correspondentes aliados são mutilados.

(...) As boas relações tinham o seu preço e as suas vítimas. Uma delas foi Armando Cortesão, um português ligado à oposição que trabalhava na BBC e que é despedido sem explicações em 1942. A razão é simples: certas cartas de Armando Cortesão criticavam a BBC por não atacar o regime português e foram apanhadas pela PVDE em Portugal; imediatamente a PVDE pede o seu despedimento e a Censura passa a ter uma atitude menos favorável aos ingleses como forma de pressão, até que estes cedem. O FO foi informado do facto e tanto Williams como Kirkpatrick "lamentam" o sucedido, mas são de opinião que Armando Cortesão deve ser despedido, sem o informarem das verdadeiras razões. FO 371 31113 C8635.

(...) A propaganda americana só chega praticamente a Portugal a partir de 1942. Nesse ano, cria-se o Office of War Information, dirigido por Robert Sherwood, chefe do antigo departamento de propaganda do COI [Office of Coordination of Information], que passa a coordenar as actividades brancas e negras para o exterior.

Os EUA não consideram Portugal um alvo importante para a sua propaganda, pelo que não oferecem resistência quando a Inglaterra sugere que se insiram na rede já existente, alargando-a e aproveitando-a, mas sem fazer um esforço autónomo. Como os EUA empenham desde 1943 substanciais recursos financeiros, a Inglaterra pode diminuir o seu esforço próprio, mantendo no essencial o controle da máquina de propaganda aliada e impedindo os EUA de seguirem uma política própria. Um exemplo típico é "O Mundo Gráfico" que, a partir de 1942, recebe o apoio americano, passando a inserir reportagens sobre os EUA e, sobretudo, sobre os portugueses nos EUA.




A propaganda americana em Portugal sofre de uma série de problemas iniciais, tal como sucedeu no campo da guerra secreta. Em 1942, com a criação do OWI [Office of War Information], começa-se a discutir em Washington um plano de propaganda coordenado para Portugal e surgem divergências: uma orientação pretende manter a situação existente, em que as actividades da propaganda se confundem com as da guerra secreta, ligada aos adidos militares, ao FBI e ao SIS [Secret Intelligence Service] do OSS; outra, que acaba por se impor, defende que se deve criar uma organização independente, em ligação directa com os ingleses. Com a vitória desta última, os EUA começam uma rápida expansão, nomeando um primeiro Adido de Imprensa em 1942. O seu modesto objectivo inicial é conseguir uma difusão do Em Guarda de pelo menos 5.000 exemplares.

As dificuldades são muitas, especialmente pela ausência de uma política clara, pela pouca importância que centralmente se dá a Portugal e pela falta de dirigentes inspirados. Os substanciais meios financeiros empenhados pelos americanos - em 1943 já excediam os ingleses - não dão grandes resultados, e é a Inglaterra que pacientemente vai conduzindo o seu aliado e beneficiando da sua inexperiência.

Os EUA não tentam criar uma rede própria de propaganda e, ou apoiam e se inserem na inglesa onde ela já existe, ou se limitam a entregar a exploração de dezenas de painéis a agências de publicidade. O gabinete de imprensa americano é aberto em 1942 e, em cerca de 2 anos, conhece quatro responsáveis sem grandes resultados.

Em 1944, a propaganda americana é reorganizada, aumenta o número dos seus funcionários permanentes e, com generosos recursos, começa a fazer sentir uma acção mais eficiente. O seu grande problema, são as reservas que encontra na maior parte dos públicos que são o seu alvo, pois a mentalidade americana é considerada muito diferente da portuguesa. Outro problema é a falta de um apoio central virado para a realidade portuguesa. Damos um único exemplo: a versão do Em Guarda (o equivalente à Guerra Ilustrada inglesa) difundida em Portugal é feita para o Brasil; inclui frequentemente reportagens sobre os países latinos americanos, mas não encontrei uma única sobre Portugal. Ora o Em Guarda é a principal revista de propaganda americana em língua portuguesa.

Deste modo, não podemos falar de uma "linha da propaganda" americana para Portugal, tal como se pode estudar a inglesa ou a alemã. No essencial, os EUA pegam e reforçam os pontos centrais da propaganda inglesa já referidos. As questões que desenvolvem de forma independente a partir de 1943 são essencialmente três:

a) a colaboração das Américas (norte e sul) no esforço de guerra, dando-se a entender de forma clara que esta se faz sob a tutela dos EUA;

b) a divulgação de aspectos da vida da população americana, fazendo especial força em duas vertentes - as pequenas comunidades rurais e os grandes feitos da técnica;

c) a importância dos EUA no mundo futuro e a criação das organizações internacionais que o devem orientar, dentro de uma perspectiva muito idealista e wilsoniana.















Ver aqui




Ver aqui



No global, podemos considerar que o esforço de propaganda americano não teve a rentabilidade prática dos ingleses e falhou mesmo num ponto essencial: extirpar a imagem negativa que havia nos públicos mais letrados portugueses sobre os EUA, encarados como uma terra sem cultura nem religião. Os seus fracos resultados são especialmente surpreendentes se tivermos em conta os generosos recursos empenhados A principal razão é que os EUA se subordinaram voluntariamente à Inglaterra no campo da propaganda, financiando em grande parte a sua rede e permitindo-lhe funcionar em pleno numa altura em que Londres cortava o orçamento. Tal facto é especialmente significativo a partir de 1945, quando grande número dos voluntários ingleses procura em vão os EUA, na esperança de encontrar do seu lado um apoio à liberalização mais firme do que o de Londres».

António José Telo («Propaganda e Guerra Secreta em Portugal - 1939-1945»).





Oliveira Salazar versus Franklin D. Roosevelt


"Senti que era desejável clarificar completamente a situação".

Roosevelt a Salazar


"uma dúvida que era desejável dissipar".

Salazar a Roosevelt



Roosevelt, ao longo de 1941-1942, esteve condicionado pelo apriorismo antiamericano de Salazar e pelo instinto tutelar com que Londres mediava a difícil aproximação Washington-Lisboa. Tentou agregar o presidente do Brasil, Getúlio Vargas, ao seu esforço para ultrapassar a indisponibilidade de Salazar e aceitou ficar na sombra de Churchill. Do seu lado, Salazar constatou com um profundo desagrado o fortalecimento gradual dos Estados Unidos em relação à Inglaterra, e procurou estimular os brios imperiais de Londres para sustar os americanos numa posição de distância. Um dos seus trunfos negociais residia no terminal aéreo em Lisboa da Pan American Airways, que em 1939 iniciara voos regulares com paragem nos Açores. A Pan American estava sujeita a represálias portuguesas, cujos reflexos não podiam ser descurados por Roosevelt. Lisboa era mais do que nunca vital para as comunicações aéreas e navais entre a América e a Europa.

Getúlio Vargas


Prosseguiram entretanto as negociações secretas luso-inglesas. Salazar aceitou transferir-se a si e ao seu governo para os Açores, em caso de invasão alemã de Lisboa, mas continuou a recusar a ida de especialistas ingleses ao arquipélago. O Estado-Maior inglês mantinha de prevenção milhares de homens para a ocupação fulminante da Madeira, dos Açores, das Canárias e de Cabo Verde. Esperava-se o colapso da Rússia, previsivelmente em Setembro de 1941, para lançar as operações nas ilhas atlânticas. Neste quadro, a neutralidade de Portugal, tal como foi defendida por Salazar, baseou-se durante 1941-1942 em três vectores: a) lealdade de princípios à aliança luso-inglesa e a aceitação do mínimo dos mínimos, que seria o apoio de Churchill em caso de ataque de Hitler, mas bloqueio à entrada inglesa nos Açores; b) satisfação dos interesses de Hitler, sobretudo a aquisição do volfrâmio, no continente português; c) repúdio de qualquer compromisso político com Roosevelt.


Um "novo imperialismo"

Augusto de Castro, em sintonia com Salazar, tinha atacado Roosevelt no Diário de Notícias a propósito do seu discurso de 27 de Maio. Atribuiu-lhe desrespeito pela soberania dos outros Estados e inferiu que, a partir dele, os Estados Unidos poderiam ser encarados como "um novo imperialismo" (1). Salazar usou os mesmos argumentos em algumas das suas comunicações diplomáticas. Considerava os Estados Unidos um novo e impetuoso imperialismo que enfraqueceria a influência europeia nas Américas e em África: "Vemos com a maior preocupação a situação em que a guerra vai colocando o Império Britânico em face da América do Norte" (2). Espantava-se com a permissividade inglesa e impunha-se a si próprio o dever de defender, até aos limites do possível, a "cavalgada" americana em direcção à Europa. Os Açores eram para ele a fronteira que importava bloquear.

Roosevelt quis amortecer a susceptibilidade portuguesa. Em 7 de Julho, comunicou a Churchill que ia escrever uma carta a Salazar, num tom amigável e informal, para tornar claro que os Estados Unidos não tinham intenção de violar a soberania portuguesa dos Açores ou de qualquer outra das possessões coloniais de Portugal. Queria também transmitir a Salazar os seus pontos de vista sobre a defesa do Hemisfério Ocidental contra qualquer agressão alemã e, sem colidir com as negociações luso-inglesas em curso, afirmar claramente que os Estados Unidos estavam preparados, se isso lhe fosse solicitado, para "ajudar Portugal caso a Alemanha tome qualquer iniciativa agressiva contra os Açores" (3). Na carta, datada de 14 de Julho e entregue pelo ministro americano em Lisboa, Bert Fish, em 21 de Julho, Roosevelt afirmava:

"Escrevo-lhe esta carta, inteiramente pessoal e informal, acreditando que deste modo será mais fácil para mim pôr termo efectivo a certos mal-entendidos que infelizmente surgiram, nas últimas semanas, entre os nossos dois governos.

Devo dizer, antes de mais que, na opinião do governo dos Estados Unidos, a continuação do exercício não-limitado da jurisdição soberana do Governo de Portugal sobre o território de Portugal, os Açores e todas as colónias portuguesas oferece uma completa garantia de segurança ao Hemisfério Ocidental, nas respectivas regiões. É, por isso, desejo consistente dos Estados Unidos que não haja qualquer infracção ao soberano controlo português desses territórios.

A política dos Estados Unidos foi enfaticamente clarificada por mim na mensagem que ontem dirigi ao Congresso dos Estados Unidos, sobre as medidas que foram tomadas para ajudar o povo da Islândia na defesa da integridade e da independência do seu país.






Estou seguro de que nunca houve qualquer dúvida na sua mente, a este respeito e que as questões surgidas a propósito de notícias na imprensa têm a sua origem em falsos relatórios deliberadamente postos a circular pela propaganda de governos que querem prejudicar as tradicionais relações entre os nossos dois países.

Pelas razões que atrás mencionei, o meu Governo encara com a maior satisfação os passos já dados e os que serão dados pelo seu Governo para fortalecer a defesa dos Açores e de outras parcelas avançadas das possessões coloniais de Portugal, em ordem a conter e a dificultar o sucesso de qualquer ataque da Alemanha contra elas, ou de poderes que cooperam com a Alemanha.

Tenho necessidade de acrescentar que, em virtude da vital importância que os Açores e outras posições avançadas portuguesas têm para os Estados Unidos, o meu Governo ficará preparado para ajudar as autoridades de Portugal na defesa dessas possessões contra qualquer ameaça de agressão da parte da Alemanha, ou de poderes aliados da Alemanha, se o seu Governo me expressar a sua convicção de que essa agressão está iminente ou o seu desejo de que tais medidas sejam tomadas. Quaisquer medidas serão tomadas, obviamente, com o pleno reconhecimento dos direitos soberanos de Portugal e com a garantia categórica de que quaisquer forças americanas enviadas para as possessões portuguesas serão retiradas imediatamente após o termo da presente guerra.

Se esta contingência surgir, e se o Governo português considerar desejável, devido à estreita relação que felizmente existe entre Portugal e o Brasil, pedir ao Governo brasileiro para participar nas medidas defensivas, essa iniciativa seria muito satisfatória para o Governo dos Estados Unidos. Estou certo de que o Brasil e os Estados Unidos poderiam cooperar de modo efectivo no apoio ao Governo e ao povo portugueses na defesa dos Açores.

Senti que era desejável clarificar completamente a situação, a fim de garantir que não haverá entre nós os dois o mínimo mal-entendido quanto a estes factos.

Devo dizer-lhe, francamente, que fiquei particularmente incomodado com o facto de se poderem levantar dúvidas sobre a minha atitude pessoal quanto ao completo respeito pela soberania de Portugal. Digo isto porque, como se recordará, durante a Guerra Mundial de 1914-1918, o Governo de Portugal concedeu aos seus aliados, e subsequentemente aos Estados Unidos, o porto da Horta como uma base de reabastecimento e o porto de Ponta Delgada como uma base naval. Nesse tempo, como Subsecretário de Estado da Marinha dos Estados Unidos, tive o privilégio de visitar esses portos, ao serviço da Marinha dos Estados Unidos, e pude ver por mim próprio como as relações entre a população portuguesa e o pessoal das bases navais dos Estados Unidos se tornaram particularmente estreitas e amigáveis. Existia um grande espírito de cooperação e, claro, logo que a emergência internacional foi ultrapassada, todas as forças dos poderes aliados foram imediatamente retiradas, sem a mais pequena infracção da jurisdição soberana do Governo português. Devido a esta minha experiência, tenho um interesse pessoal em que as relações entre os nossos dois Governos e os nossos dois povos sejam sempre pautadas pelo total respeito mútuo pelos direitos soberanos de cada um, e que em qualquer forma de cooperação que se inicie entre Portugal e os Estados Unidos sejam totalmente salvaguardados os interesses do povo português"
(4).

Esta foi a primeira de uma série de três cartas presidenciais, enviadas até Novembro de 1943, como garantia da não-violação pelos Estados Unidos da integridade territorial de Portugal e do seu império. Paralelamente, e num tom mais dinâmico, Roosevelt solicitou a Getúlio Vargas o apoio do Brasil para a defesa das ilhas portuguesas do Atlântico. Getúlio Vargas não foi receptivo. Mas Roosevelt não largou a sua ideia de vir a ter soldados brasileiros nos Açores. Na sua resposta, dada dois dias depois, Salazar afirmava nomeadamente:

"Foi para mim particularmente grato receber a carta de Vossa Excelência e ser informado, através de uma mensagem directa de Vossa Excelência, dos sentimentos dos Estados Unidos e do seu Governo em relação a Portugal e da sua posição exacta quanto aos territórios portugueses no Atlântico, no que respeita à segurança da América do Norte.

Sempre me recusei a acreditar que em quaisquer declarações de Vossa Excelência houvesse que detectar desrespeito pelos direitos soberanos de Portugal ou intenções veladas de os violar em determinadas circunstâncias. Contudo, e porque o verdadeiro sentido das declarações que fez no seu discurso de 27 de Maio não foi clarificado, ficou nas mentes de muitos uma dúvida que era desejável dissipar.






Para isto havia - deve confessar-se - alguma razão. A tese de que a defesa americana está dependente de certas posições estratégicas que repetidamente são referidas sem alusão a soberania estrangeira que deve ser respeitada, conduz por si própria, neste calamitoso tempo em que a violência se espalha pelo mundo em termos de acção preventiva, à mais desfavorável interpretação. Sem dúvida que esta interpretação é usada por propaganda interessada para a consecução dos seus próprios fins, mas a imprensa americana, com a sua característica vivacidade, e com algumas excepções, não evita que sejam fornecidos aos antagonistas versões erradas e motivos de acusação.

[...] Embora as autoridades militares portuguesas não partilhem os receios de um ataque aos Açores por forças alemãs, uma vez que o controlo do Atlântico não lhes pertence, o meu Governo, por prudência e para assegurar a segurança da Grã-Bretanha, nossa velha aliada de séculos, não tem poupado esforços para que as ilhas dos Açores e também de Cabo Verde tenham uma eficiente defesa. Cremos que as forças e o material lá posicionados, juntamente com o material de avião e anti-aéreo que o Governo britânico se comprometeu a fornecer, serão suficientes para colocar as ilhas para além da possibilidade de sucesso de um ataque que fosse lançado contra elas, decididos como estamos a garantir que a soberania portuguesa e a nossa neutralidade sejam respeitadas.

Esta garantia já a recebeu de nós a Grã-Bretanha e também a demos espontaneamente ao Brasil, naquilo em que o nosso controlo das ilhas do Atlântico possa respeitar à sua defesa desses países. Contudo, no caso de a Grã-Bretanha encontrar dificuldades no fornecimento dos materiais acima referidos, ou de outros que sejam necessários, ficarei satisfeito de receber dos Estados Unidos facilidades para a consecução de um objectivo que é do seu particular interesse.

No momento, porém, consideramos unicamente a continuação da neutralidade que Portugal adoptou desde o início do conflito europeu; se essa posição mudar, em consequência de uma violação da nossa soberania, a situação daí resultante terá de ser examinada a uma luz diferente e uma nossa posição terá que ser definida. Não desejo essa hipótese, mas atribuo todo o valor e todo o peso à declaração de Vossa Excelência e, tendo em conta a nossa estreita relação com o Brasil, estou confiante de que Portugal poderia, em tal emergência, contar com a solidariedade e todo o apoio daquele país.

Resta-me, Senhor Presidente, agradecer-lhe a iniciativa da sua carta, a franqueza e a lealdade das suas afirmações, e assegurar-lhe que o seu desejo de que as relações entre os nossos dois países e os nossos dois governos sejam sempre baseadas na amizade e que não devem ser perturbadas por mal-entendidos é por nós veementemente partilhado. Temos tido a sorte de manter ininterruptamente as melhores relações com os Estados Unidos e o seu Governo; lutámos lado a lado na última guerra; muitos milhares de portugueses, precisamente dos Açores, trabalham e dependem para o seu sustento da economia americana e da hospitalidade americana; e não podemos esquecer o reconhecimento dos nossos direitos sobre alguns territórios coloniais" (5).

Esta troca de missivas desdramatizou, de certo modo, um ambiente bilateral carregado. A flexibilidade formal demonstrada por Salazar, quanto à eventual cooperação luso-americana na defesa das ilhas do Atlântico, prestou-se (...) a interpretações optimistas de Churchill e de Roosevelt. Todavia, sob o manto da cordialidade epistolar, Salazar punha seriamente a hipótese de uma ocupação coercitiva dos Açores pelos Estados Unidos.

Um dia depois, para vincar a disposição portuguesa de resistir, chegou ao arquipélago dos Açores o idoso Presidente da República, Carmona, em visita antes programada. Carmona permaneceu durante 20 dias nas ilhas e declarou enfaticamente: "Aqui é Portugal!". O simbolismo da neutralidade de dupla aceitação - defendida por Portugal e consentida pela Inglaterra e pela Alemanha - conteve-se plenamente no facto de o navio em que Carmona regressou a Lisboa ter sido saudado, no alto mar, tanto por forças da Marinha inglesa como por aviões da Força Aérea alemã. Mas antes da partida do Presidente da República, Salazar rejeitou a sugestão de Armindo Monteiro para que ele fosse acolhido nos Açores por um navio dos Estados Unidos, destacado expressamente para o efeito (6). Ronald Campbell, o embaixador inglês, notara em 24 de Julho a Anthony Eden: "[Salazar] vê os americanos como um povo bárbaro iluminado não por Deus mas pela luz eléctrica. Perguntou-me se não tínhamos medo que o mundo após-guerra seja dominado pelos Estados Unidos, e pelo comunismo. Esta é, disse, uma perspectiva horrível para a Europa" (7). A extrema desconfiança bloqueava qualquer hipótese de concertação triangular. Alguns ministros e generais de Churchill partilhavam os profundos receios e a visão catastrófica de Salazar (in Roosevelt, Churchill e Salazar. A Luta pelos Açores - 1941-1945, Ediclube, 1995, pp. 66-74).









Velas, ao pôr-do Sol.



Porto de Velas



Morro Norte, Velas, pôr-do sol.



Ilha das Flores



Lagoa da Fajã de Santo Cristo, ilha de São Jorge.



Falésias da costa norte da ilha de São Jorge.



Ilha do Pico



Ilha do Pico vista da Fajá Grande, Calheta, ilha de São Jorge.











Notas:

(1) Bert Fish a Hull, 30 de Maio de 1941. FDRL.

(2) Ministério dos Negócios Estrangeiros, Dez Anos de Política Externa (1936-1948): A Nação Portuguesa e a Segunda Guerra Mundial (Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1973-1986), 13 volumes, Vol. IX, p. 181.

(3) Welles a John Winant, 7 de Julho de 1941. FDRL.

(4) Roosevelt a Salazar, 14 de Julho de 1941. FDRL.

(5) Salazar a Roosevelt, 29 de Julho de 1941. FDRL. Tradução do inglês.

(6) Bert Fish a Hull, 30 de Julho de 1941. FDRL.

(7) Cit. por David Eccles, By Safe Hand (London: The Bodley Head, 1983), p. 292.


Nenhum comentário:

Postar um comentário