quinta-feira, 12 de março de 2015

Ta Mo, o Iluminado

Escrito por Bertrand Solet





































«The term "Ch'uan" means the use of the fist(s). Though somewhat misleading, the art of boxing has been called "Ch'uan Fa" for generations. Actually the fist makes up but a small part of boxing. For example, in the Southern school the fist represents less than 10 percent of the 170 hand operations. Moreover, when we do use the fist it is more often than not done by means of unclenched fingers (for example, in the "Tiger's Claw"). A flat fist with the fingers clenched decentralizes the force of a blow and is therefore laughed at by veteran boxers.

(...) Before boxing proficiency can be attained, the Five Styles handed down from Monk Ta Mo must be mastered. The learning of these soft methods goes to the core of the art: without it one remains forever a novice.

Monk Ta Mo lived during the Liang dynasty (A.D. 506-56). In teaching his Buddhist students he noted that the frail novices fell asleep during his lectures. Believing that a strong body would not only remedy this weakness but would also bring one closer to his soul, he gave them a set of 18 actions to be done regularly each morning.

(...) Thus started the so-called 18-Monk Boxing. Initially Ta Mo originated it solely for health. After his death his disciples dispersed and the art was nearly lost. Then during the Yuan dynasty (A.D. 1260.1368), a wealthy young man surnamed Yen became a priest and took the name Chueh Yuan. Interested in boxing, he revised Ta Mo's 18 methods into 72 styles and promoted the Shaolin art till it thundered throughout China.

But Chueh Yuan was not content with that. He traveled throughout the mainland searching out famous boxers to test their methods. In Lanchow of Kansu he came upon a 60-year-old peddler being manhandled by a big oaf. When the brute attemped to kick the dodging veteran, the old man touched his foot with two fingers of his right hand. The attacker fell unconscious. Chueh Yuan struck up an acquaintance with the veteran, whose name was Li Ch'eng. Li disclaimed any great knowledge of boxing but introduced him to a friend Pai Yu-feng of Shansi, reputedly matchless in Shansi, Honan, and Hopei.

Pai was 50, of a medium build, and radiated with spirit. Li, Pai, and Chueh Yuan went to the Shaolin Temple and there consolidated Ta Mo's 18 and Chueh Yuan's 72 movements into 170 actions which are the basis for our Shaolin today.


(...) The 170 actions were embraced in Five Styles: Dragon, Tiger, Leopard, Snake, and Crane. Pai taught that man has five essences: (a) spirit, (b) bone, (c) strength, (d) ch'i, and (e) sinew. These essences must be merged and synchronized into an efficient oneness. Included within is the synthesis of hard and soft, internal and external, and substantial and insubstantial.

The Dragon Style represents the cultivation of spirit. Strenght is not used. The ch'i is centered in the navel and your body kept light and lively. Keep your shoulders balanced and the five centers (heart, two palms, and two feet centers) responding to one another. This movement resembles a dragon floating in the air capable of movement in every direction.

The Tiger Style represents the training of the bones. Brace yourself and hold your shoulders and waist firmly. Let your body rise and fall as your ch'i circulates and your two eyes are kept open. This movement resembles an angry tiger leaping out of the woods.

The Leopard Style represents the development of strenght. Though a leopard does not look so awesome as a tiger, it is able to generate greater strenght. Because it likes to jump, its waist and lower extremities are stronger than those of a tiger. Hooking your fingers into a near fist, brace yourself and sink and rise with a low horse-riding posture.

The Snake Style represents the cultivation of ch'i. Do rhytmical inhalation and exhalation calmly. The snake's ch'i permeates his entire body so that when the snake touches anything it appears spongy and without strength. But it can draw instant strength like that of the strongest man. The old saying: "The best steel can be used as a rope to tie around a pillar" exemplifies this style. Your whole body moves endlessly and is soft yet strong, flexible yet firm. Your two fingers are used like the tongue of a snake.





The Crane Style represents sinew training. The sinew is rooted on the feet but the spirit permeates throughout the body. Your shoulders are always kept relaxed, and your hands and feet harmonize. Your will must be tranquil and your mind far-reaching.

The mastery of the Five Styles requires tedious effort and endurance. But when it comes your body will become sturdy, your limbs firm, your eyes sharp, and your courage great. When you encounter an enemy a finger or a foot can win the fight».

Robert W. Smith («Secret of Shaolin Temple Boxing»).


«To me, the extraordinary aspect of gung fu lies in its simplicity. Gung fu is simply the direct expression of one's feeling with the minimum of movements and energy. Every movement is being so of itself without the artificialities with which people tend to complicate it. The easy way is always the right way, and gung fu is nothing at all special; the closer to the true way of gung fu, the less wastage of expression there is.

Instead of facing combat in its suchness, quite a few systems of martial art accumulate "fanciness" that distorts and cramps their practitioners and distracts them from the actual reality of combat, which is simple and direct and nonclassical. Instead of going immediately to the heart of things, flowery forms and artificial techniques (organized dispair!) are ritually practiced to simulate actual combat. Thus, instead of being in combat, these practitioners are idealistically doing something about combat.

Worse still, "super mental this" and "spiritual that" are ignorantly incorporated until these practitioners are drifting so much further and further into the distance of abstraction and mystery that what the're doing resembles anything (from acrobatics modern dancing) but the actual reality of combat.

All these complexities are actually futile attempts to arrest and fixe the ever.changing movements in combat and to dissect and analyse them like a corpse. Real combat is not fixed and is very much alive. Such means of practice (a form of paralysis) will only solidify and condition what was once fluid and alive. When you get off sophistication and whatnot, and look at it realistically, these robots (practitioners, that is) are blindly devoted to the systematic uselessness of practicing routines or stunts that lead nowhere».

Bruce Lee («The Tao of Gung Fu. A Study in the Way of Chinese Martial Art»).










Bruce Lee praticando Wing Chun com o mestre Yip Man. Ver aqui











Ver aqui


Ver aqui





Ver aqui


Ver aqui




Taky Kimura e Bruce Lee


















Bruce Lee e Brandon Lee


Ver aqui









Bruce Lee e Jhoon Rhee




Muhammad Ali e Jhoon Rhee


Elvis Presley e Muhammad Ali. Ver aqui








Símbolo do Jeet Kune Do



Bruce, Linda, Brandon e Shannon Lee (ver aqui).


Toshishiro Obata e Brandon Lee (Showdown in Little Tokyo, 1991).


Rapid Fire (1992). Ver aqui




Brandon Lee (The Crow, 1994).


Shannon Lee


Shannon Lee. Ver aqui


Ver aqui



TA MO, O ILUMINADO

Lenda do Kung-Fu

Era uma vez, cerca dos anos 600 da nossa era, um monge que se chamava Ta Mo, Filho de rei, segundo consta, vinha das Índias atravessando a China a pé e visitando as regiões de lés a lés para ver tudo e tudo aprender.

Chegou um dia à província do Honão. No sopé de uma montanha havia uma aldeia de cubatas de bambu. Mal lá chegou descobriu um espectáculo desolador: homens caídos por terra em frente das cubatas, mulheres em pranto e crianças aterrorizadas.

- Que aconteceu? - interrogou o monge.

Os aldeões responderam que um bando de salteadores os tinha atacado, roubado o arroz, os animais e todos os valores...

- Não havia ninguém para os defender?

- Os nossos homens bem tentaram... e olhem para eles! Os atacantes eram demasiado numerosos. Quanto aos monges lá de cima, nem sequer apareceram!

E os aldeões apontaram, no flanco da montanha, telhados de telha encarnada que se vislumbravam entre as árvores.

- É Shao Lin - disseram -, o mosteiro da Jovem Floresta.


Bodhidharma



Ta Mo abanou a cabeça e abandonou a aldeia. Tomara uma decisão.

Entrou na floresta pelos taludes dos arrozais e caminhou na direcção do mosteiro. Os pinheiros e os cedros oscilavam suavemente na brisa, as aves cantavam, assim como as cascatas de água límpida que desciam da montanha.

O monge atingiu o muro de pedra que rodeava as construções. Um pouco por todo o lado as pedras desmoronavam-se. Quando chegou ao pátio interior reparou nas ervas altas que ninguém cortara. Sim, o mosteiro da Jovem Floresta apresentava um aspecto de abandono, de negligência.

Quando Ta Mo se encontrou com os monges, a sua impressão foi ainda pior. Sob as cabeças rapadas, os rostos estavam emagrecidos, pálidos e tristes. Os corpos, cobertos por roupas sujas, moviam-se com gestos pesados e lentos, como se sofressem de uma fadiga crónica.

- Pois bem, meus irmãos - diz Ta Mo -, sabem que a aldeia foi atacada esta noite?

- Bem o sabemos! - respondeu o superior -, mas que poderíamos fazer? Não passamos de pobres servidores de Buda... Oramos e meditamos!

- Vendo-vos - replica Ta Mo em tom severo -, as vossas orações e meditações devem ser bem acompanhadas de ressonadelas... como pretendem manter o espírito lúcido em corpos como os vossos?

A maior parte dos monges baixa a cabeça, outros fitam o visitante. Ta Mo já não era jovem, antes um sexagenário. No entanto, a sua silhueta delgada respirava força e saúde e o seu rosto brilhava de energia e inteligência.

- Faça qualquer coisa por nós... - pede humildemente o superior.

- Era isso mesmo que lhes ia propor - responde Ta Mo.

E, para começar, fê-los sair a todos do mosteiro e passar, um de cada vez, debaixo da primeira cascata de água gelada que encontrou na Jovem Floresta.







A chegada de Ta Mo transformou completamente a vida dos monges. Obrigou-os a trabalhar, forçou-os a executarem diariamente movimentos de ginástica e de respiração. Ensinou-lhes a verdadeira contemplação, a compreensão do Mundo e da Natureza... Nem pensar em desobedecer-lhe, tal era a força que dele dimanava... Aliás, no mosteiro deram-lhe logo o nome de "o Iluminado", mas isso no sentido próprio e não como hoje se ouve como sinónimo de "louco"...

A ginástica, a respiração e a contemplação não bastavam para Ta Mo. Não conseguia esquecer o estado em que encontrara a aldeia aquando da sua chegada.

- Os assaltantes são como percevejos - diz. - Hão-de voltar à aldeia ou, até, ao mosteiro. Devem ser capazes de os expulsarem. Sei que, entre vocês, há antigos guerreiros...

- E que fazer? - pergunta o superior. - Não temos armas...

- Mas têm braços e pernas, que são as melhores armas possíveis! Para bem os explorarem pensem na Natureza... lembrem-se dos animais!

- Os animais?

- Claro! Eles conhecem instintivamente a melhor forma de se baterem... cada um a sua. Abram bem os olhos e tentem imitá-los.

Nesse momento, um dos monges lançou uma exclamação:

- Estou a compreender! Na minha terra, outrora, usavam-se garras de urso e cornos de búfalo fixos nos capacetes para esventrar os inimigos.

- Não foi bem isso o que quis dizer!

E Ta Mo conta que um médico chinês, chamado Hua To, tinha outrora observado o tigre, o urso, o veado, o macaco e o grou... e tinha-se inspirado nesses animais para imaginar - e fora o primeiro a fazê-lo, sem dúvida - uma série de saltos, balanços, diversos movimentos... base fundamental de todas as técnicas e combate com as mãos nuas.

Depois, a título de exemplo, saltou para o meio do círculo formado pelos monges assombrados e começou, para eles, a imitar o grou. Tal como essa ave pernalta, dava pequenos saltos de esquiva com as pernas estendidas. Depois, flectiu a perna direita, com o joelho quase a tocar o peito. Girava em todos os sentidos apenas sobre a perna esquerda, preste a estender-se bruscamente e a bater, quer com o pé quer com a mão, os dedos unidos como o bico de uma ave.

Os tiao jen [monges budistas] riam...

Ta Mo mostrou então como o tigre se agacha antes de saltar e como o veado sabe dissimular para enganar o adversário, como o urso ataca com toda a sua força e como salta o macaco. A lição durou duas horas.




- E pronto! - concluiu. - É este "o fim a atingir pelo homem" [Significado literal do Kung-Fu, em chinês].

Foi uma revelação para os monges. Começaram a treinar-se diariamente durante semanas, meses, com um entusiasmo crescente, felizes como crianças por verem os seus corpos tornarem-se cada vez mais leves, mais obedientes, mais fortes... e os seus espíritos mais claros, ainda por cima.

Uma noite, enquanto o mosteiro de Shao Lin dormia, ergueram-se fortes gritos das cubatas sitas no meio dos arrozais: os bandidos tinham voltado.

Acordados de sobressalto, os monges não hesitaram um segundo. Através da floresta, galgam a encosta da montanha. O seu bando ululante desaguou no centro da aldeia... Os assaltantes bem tentaram defender-se com as espadas, punhais, alabardas... mas não demorou muito que os tiao jen os pusessem em fuga desordenada.

- Olhem! - notou então o superior. - Ta Mo não veio connosco...

Admirados, vagamente inquietos, os monges regressaram ao mosteiro.

- É muito curioso!

- Vamos ver na sua cela.

E encontraram Ta Mo sem vida, estendido no leito. Um sorriso feliz a iluminar-lhe o rosto...

Os monges, vestidos com túnicas novas, queimaram os bastonetes de incenso e enterraram Ta Mo no dia seguinte, com profunda tristeza, enquanto a notícia da batalha daquela noite já se começava a espalhar pela imensa China.

A nova transmitiu-se tão depressa que em breve chegou aos ouvidos do próprio imperador. Nesse momento, os guerreiros vindos do Norte atacavam a província de Honão e o soberano pediu aos monges para o ajudarem a expulsá-los.

Os tiao jen assim fizeram e cobriram-se de glória, sempre com as mãos nuas. Depois regressaram às suas orações, meditações, contemplação...




Diz-se que um dia, algum tempo depois, bem longe de Honão, nas montanhas do Turquestão, um funcionário chinês andava em viagem. Uma escolta rodeava o seu palanquim, agitando sinos e lanternas para informar a população da passagem de uma personagem importante. De repente, o funcionário avistou do outro lado do caminho o vulto de um monge caminhando a passo acelerado, sorrindo, com uma sandália na mão.

- Olá! - gritou. - quem és tu?

- O meu nome é Ta Mo - diz o monge -, mas as gentes de Shao Lin chamam-me "o Iluminado"...

E desapareceu na noite, acenando com a mão.

O funcionário contou este encontro ao imperador. Ele, admirado, mandou abrir o túmulo de Ta Mo no mosteiro da Jovem Floresta. A cova estava quase vazia. Lá, só encontraram uma sandália...

Passaram mil anos depois do desaparecimento de Ta Mo, aquele que, segundo a lenda, criou o kung-fu em Shao Lin. E foi em meados do século XVI que um jovem soldado chamado Chueh Yuan decidiu tornar-se monge no mosteiro da Jovem Floresta cujo renome atravessara, intacto, séculos e séculos.

Pelo mesmo caminho de talude no meio dos arrozais que outrora seguira "o Iluminado", penetrou sob a majestosa cúpula de cedros e pinheiros mansos e chegou ao muro da cerca do mosteiro. Estava muito apreensivo: como o acolheriam os célebres monges? Não o achariam demasiado atrevido e presunçoso por pretender fazer parte da sua comunidade prestigiosa?

Que desgosto! Ficou admiradíssimo ao entrar no pátio interior: edifícios velhos, acessos mal cuidados... e os monges? Pálidas sombras errantes e desajeitadas, de cabeça baixa...

Onde estavam então os valentes religiosos de outrora?

- Ai de nós! - gemeu o superior -, há muito que se perdeu a lição do nosso mestre Ta Mo. Isso aconteceu aos poucos, ao longo dos anos, de relaxamento em relaxamento. Já se passaram dez séculos, não se esqueça!

- Mas enfim - murmura Chueh Yuan abatido -, se a coisa se soubesse, bandidos e senhores da guerra desabariam sobre o vosso mosteiro e seria o fim...

- Infelizmente! Infelizmente! - não pôde deixar de repetir o superior.

O antigo soldado reflectiu. Impossível deixar o célebre mosteiro neste estado de ruína tanto nos corpos como nos espíritos... Apenas um grande mestre de artes marciais saberia remediar o caso, reacender a chama, aquela que se devia espalhar por todo o país. Ele, Chueh Yuan, partiria à sua procura e havia de trazê-lo.

- Salvarei Shao Lin - disse num tom resoluto. - Sei que esse mestre existe.

Sem demora, ergueu-se e partiu através da imensa China.

Andou dias e dias, semanas e semanas. Perguntava por todo o lado:



-Digam-me onde poderei encontrar um mestre de kung-fu!

E todos respondiam a mesma coisa:

- Os mestres do kung-fu estão no mosteiro da Jovem Floresta.

E todos contavam a história dos bandidos outrora expulsos pelos monges de mãos nuas, a dos invasores do Norte repelidos apesar das armas e armaduras, assim como centenas de outras histórias reais ou inventadas...

- Obrigado! - respondia Yuan, suspirando.

Mas continuava o caminho sem desesperar.

Um dia parou na margem do rio Amarelo, a mil e quinhentos quilómetros de Honão, num local onde se realizava um grande mercado. De repente, ouviu grandes gritos junto de si. Era uma jovem mercadora tentando defender a sua bancada de melões e melancias... Um bando de homens de caras patibulares, armados de lanças, cacetes e espadas, saqueava os mercadores, roubando-lhes mercadorias e, sobretudo, as suas sapecas [moeda de pouco valor, em uso no Extremo Oriente], sem ninguém tentar resistir.

Apenas a jovem mercadora gritava por socorro.

- Vê lá se te calas! - rosnou um dos bandidos. E agarrou nos melhores frutos.

Furiosa, a jovem deu-lhe um valente murro na cabeça. Com um grito de dor, o homem levantou o cacete.

Foi então que Yuan interveio. O seu grito fez parar o braço do bandido:

- Hei!

Primeiro surpreendido, o homem voltou-se e, depois, começou a rir:

- Porque te metes nisto, jovem monge? Queres perder a vida? Ou pelo menos apanhar uma valente surra?...

- Deixa a mulher em paz!

- Basta!

O bandido atirou-se a Yuan, que esquivou o golpe com um salto de lado. A cólera subira-lhe ao coração e recordou-se do seu passado de soldado... Os outros aproximam-se. O primeiro trazia uma lança... O monge saltou sobre ele e arrancou-lha das mãos.




A multidão gritava de medo. Chueh executou um molinete com a arma. Agora todos os bandidos o rodeavam... Atacou sem demora, sabendo que o ataque é a melhor defesa... Um bandido caiu, depois outro.

Mas eram aí uns vinte contra ele. Yuan bem podia correr, saltar por cima dos obstáculos... em breve sentiu que o combate terminaria pela sua derrota e pela sua inevitável morte.

Foi então que se deu o milagre.

Um homem desarmado interpôs-se entre os combatentes. As armas brandidas contra ele só batiam no vazio, mas os bandidos caíam um após outro, atingidos por diversos golpes, rápidos e terríveis, golpes que, no entanto, tinham nomes poéticos: "voo do galo do bosque"; "sombra da Lua"; "golpe da cauda do tigre"; "urso atravessando a ponte"; "macaco a subir a árvore".

Num instante, a praça ficou limpa como se um tufão furioso tivesse levado os bandidos. O homem inclinou-se ligeiramente à frente de Yuan, dizendo com delicadeza:

- Estou satisfeito por lhe ter sido útil.

Chueh Yuan soube, então, que encontrara o homem que procurava há muito tempo e tão longe de Shao Lin.

A sua alegria foi muito maior quando o homem à sua frente, e que se chamava Pai Yu Feng, declarou não passar de um discípulo do velho mestre Li Chieng e lhe propôs encontrarem-se com ele.

Yuan aceitou com o coração a transbordar de alegria, apesar da mercadora tentar retê-lo.

O velho mestre Li Chieng tinha uma barba pontiaguda e longos bigodes. Ele ouviu Yuan:

- Senhor, como soldado tentei aprender a lição de kung-fu, a harmoniosa comunhão do corpo, do espírito e da natureza... Mas só consegui alguns movimentos, alguns exercícios que alguns não tinham esquecido... Foi por isso que pretendi ser monge no mosteiro da Jovem Floresta, cuja fama faz dele o pináculo do kung-fu. Infelizmente já nada disso existe!... Mestre, aceita vir comigo a Shao Lin para dar vida nova ao mosteiro? Não se trata apenas de alguns monges... mas do futuro. É apenas de Shao Lin, graças à sua reputação, que o kung-fu se poderá estender a toda a China, como é devido.

E o velho mestre Li Chieng aceitou o pedido do antigo soldado compreendendo que era essa a sua missão. Recebera a herança do médico Hua To e este de Da Mo, "o Iluminado", ainda a do imperador Song Tai-jo e do general Yoa Fei, ambos peritos no manejo de armas brancas e, também, de Cheng Salm Fung, outro monge que teve a revelação da "forma ágil" ao assistir à luta de uma ave contra uma serpente.

E os três: Li Chieng, Pai Yu Feng e Chueh Yuan retomaram o caminho do mosteiro. E, graças a eles, as artes da luta iriam ressuscitar e atravessar os séculos com nomes diferentes: boxe chinês (do qual o kung-fu é o principal ramo), karaté... E inspirar, mais tarde, no Japão, o jiu-jitsi, antepassado do judo (in «15 Histórias de Artes Marciais», Editorial Verbo, 1981, pp. 23-31).


Masatoshi Nakayama (1913-1987). Técnica: jodan soto uke. Ver cenas 1, 2 e 3








Keinosuke Enoeda (1935-2003). Ver cenas 1 e 2









Hirokazu Kanazawa. Ver cenas 1 e 2


Técnica: ushiro mawashi geri. Ver aqui


Masutatsu Oyama (1923-1994). Ver cenas 1, 2 e 3






Ver aqui

Sean Connery e Masutatsu Oyama (1967).






You Only Live Twice (1967). Ver aqui


Sean Connery e Akiko Wakabayashi


Castelo Himeji (um dos locais de filmagem em You Only Live Twice).


Ver aqui


Masutatsu Oyama e Dolph Lundgren


Ver cenas 1 e 2


Jean-Claude Van Damme e Dolph Lundgren. Ver aqui


Taiji Kase (1929-2004). Ver aqui




Hidetoshi Nakahashi. Ver aqui














Nenhum comentário:

Postar um comentário