sexta-feira, 20 de março de 2015

Ó Portugal, doce Pátria!...

Escrito por António Correia de Oliveira





No céu há uma janelinha,
Vê-se Portugal por ela:
Quando Deus se sente triste
Vai sentar-se a essa janela...

Cantigas




Digam lá o que disserem,
(O dizer bem pouco importa):
Não há degrau, nem de trono,
Igual ao da minha porta.

Não há amor, qual o meu;
Luz qual a minha candeia;
Não há livro tão bonito
Como o que eu trago na ideia!

Num dia, corri o mundo,
E aqui voltei, à tardinha...
- Ó Portugal, doce Pátria!
Não há terra igual à minha.

Redondilhas




Vive a teu modo. Não tomes
De estrangeiro a estranha ideia;
Alma e corpo têm medidas:
Não lhes serve a roupa alheia...

É Portugal que vos fala


Nenhum comentário:

Postar um comentário