sábado, 28 de janeiro de 2023

Franco Nogueira na Organização das Nações Unidas

Escrito por Domingos Mascarenhas




«Kennedy herdou de Eisenhower uma melindrosa intervenção no Congo ex-belga, onde a luta de facções e o caos sangrento imperavam desde a proclamação da independência, em Julho de 1960. O Primeiro-Ministro, Patrice Lumumba, figura radical e muito popular em África, era basicamente um antiamericano mas dispunha-se a explorar em alternativa o apoio dos Estados Unidos e da União Soviética. Em Léopoldville, dois oficiais da embaixada americana mantinham contacto estreito com Lumumba: o chefe do posto da CIA, Lawrence Devlin, e o segundo-secretário, Frank C. Carlucci, “um diplomata duro e competente”. Lumumba visitava oficialmente Washington, em Julho de 1960, e algumas das suas atitudes escandalizaram os anfitriões. Logo que chegou pediu ao Departamento de Estado uma pistola para se defender na vida nocturna da capital e solicitou também “uma branca loura”; fumou haxixe e os americanos concluíram que ele era “um viciado em droga”. Eisenhower, perante informações que davam Lumumba como um ser primário e incapaz de autocontrolo, alterou o programa e recusou recebê-lo na Casa Branca.

Lumumba voltou furioso para Léopoldville e aceitou a oferta de armamento e conselheiros militares que Khruschev lhe fizera; em meados de Agosto havia já no Congo uma dúzia de aviões Olyshin 18, com tripulações soviéticas, e mais de 100 conselheiros militares.  Em 18 de Agosto, a estação da CIA em Léopoldville diagnosticou que estava em curso no Congo uma clássica conquista do poder pelos comunistas e que restava pouco tempo para “evitar uma outra Cuba”. Nesse mesmo dia, durante uma reunião do National Security Council, Eisenhower e Allen Dulles concluíram que Lumumba era uma força poderosa no Congo e que a única solução seria eliminá-lo fisicamente. Uma secção de cientistas da CIA encarregou-se depois de preparar venenos sofisticados para matar Lumumba. O senador Frank Church, na sequência de investigações do Congresso às actividades secretas da CIA, confirmou 15 anos mais tarde: “Mandámos uma substância tóxica mortal para o Congo com o propósito de injectar Lumumba”. Os venenos nunca chegaram a ter uso prático.

No Congo, entretanto, a presença de milhares de capacetes azuis e o esforço arbitral do Secretário-Geral das Nações Unidas, o sueco Dag Hammarskjold, revelavam-se impotentes perante as atrocidades. Por outro lado, do inconciliável confronto entre facções rivais emergiram politicamente Joseph Mobutu e Joseph Kasavubu, dois anti-soviéticos. Os americanos exploraram as incompatibilidades entre os vários dirigentes e, da sua parte, Frank Carlucci tentou convencer Kasavubu de que Lumumba era um homem “extremamente perigoso”. No fim de Novembro de 1960, apoiado pela CIA, Mobutu tomou o poder em Léopoldville, expulsou os diplomatas e conselheiros militares russos, colocou Lumumba sob prisão domiciliária e partilhou o domínio da capital com Kasavubu. Sem informar Kennedy, já eleito presidente, a CIA prosseguiu a estratégia de liquidar Lumumba e persuadiu Kasavubu a levar o prisioneiro para fora da capital e do controlo das tropas das Nações Unidas. Em 17 de Janeiro, cinco dias antes de Kennedy tomar posse, Lumumba foi transportado de avião para Elisabethville, no Katanga, e assassinado por soldados. A sua morte só foi conhecida quase um mês depois, em 13 de Fevereiro.


O Secretário-Geral das Nações Unidas, Dag Hammarskjöld, aberto ao diálogo com os "nacionalistas" africanos, referido em Portugal como "o sinistro Mr. H".

Patrice Lumumba e "o sinistro Mr. H".


A ONU no Congo (Janeiro de 1963).


Quando Kennedy tomou posse, a União Soviética perdera uma parte da sua influência no Congo mas o país continuava ingovernável e mergulhado em violências. Mobutu e Kasavubu dominavam a zona de Léopoldville; um herdeiro político de Lumumba, o pró-soviético Antoine Gizenga, controlava a área de Stanleyville; e Moisés Tshombé fazia lei na região do Katanga. Morto sem que se soubesse, Lumumba continuava a ser um ícone nacional e internacional, um referencial dos negros em luta pela igualdade dos direitos nos Estados Unidos e dos marxistas da Europa e por todo o Mundo. Frank Carlucci reportou do Congo, em Fevereiro de 1961, que Lumumba era visto na região de Stanleyville, como “um verdadeiro deus”. O filósofo Jean-Paul Sartre, reflectindo um sentimento generalizado entre os intelectuais de esquerda, observou: “Lumumba vivo e prisioneiro é um símbolo da vergonha e da raiva de todo um continente”. Duas semanas após a sua investidura, Kennedy apresentou um plano de paz para o Congo: as facções seriam colocadas sob autoridade das Nações Unidas, todos os presos políticos seriam libertados e formar-se-ia um governo de coligação. O Presidente e os seus conselheiros, ignorando ainda a morte de Lumumba, receavam que o Congo se transformasse numa “nova Cuba”. G. Mennen Williams, Secretário de Estado Adjunto para Assuntos Africanos, opunha-se à libertação de Lumumba e defendia a sua permanência no cativeiro até que estivesse assegurada a neutralidade das Forças Armadas e do Governo. A CIA passara entretanto a apoiar fortemente Curil Adoula, um líder sindical, como o homem capaz de trazer a unidade e a estabilidade ao Congo. Como se viu, o nome de Lumumba foi religiosamente evocado, durante a Guerra de Maria, pelos rebeldes angolanos da Baixa do Cassange.»

José Freire Antunes («Kennedy e Salazar: o leão e a raposa»).


«Em Nova Iorque, na violência e no vitupério, desenrola-se o debate. Além da Libéria, são particularmente brutais o Ceilão, a República Árabe Unida, a União Soviética. Até à saciedade, é repisado o inferno das acusações rituais: opressão, atraso, genocídio, perigo para a paz mundial. Pede-se o cumprimento imediato, por Portugal, das resoluções votadas anteriormente; solicita-se uma declaração de princípio, outorgando a Angola a independência. Um aspecto do debate surpreende alguns círculos do Conselho de Segurança: pela primeira vez, a delegação americana, chefiada por Stevenson, ataca a política portuguesa em África, alinha com as acusações afro-asiáticas ainda que em linguagem mais moderada, e deixa entrever um voto contrário a Portugal. Não causa surpresa em Lisboa a nova atitude dos Estados Unidos, que está no caminho da diligência de Elbrick, de há dias; mas Salazar e Mathias não ocultam a sua preocupação, nem ignoram as implicações futuras da política de Washington. Como fecho do debate, e para ser submetido ao voto, a Libéria, o Ceilão e a República Árabe Unida apresentam um projecto de resolução que engloba e sintetiza o ponto de vista afro-asiático expresso no debate: por duas vezes se acentuam os perigos que a situação em Angola representa para a paz e a segurança mundiais; reitera-se a doutrina das resoluções anteriores contra Portugal; e solicitam-se reformas imediatas no contexto da resolução sobre extinção do colonialismo. E quando, na noite de 15 de Março de 1961, Mathias oferece a Castiella um banquete nas Necessidades, e os dois ministros celebram o fortalecimento do Pacto Peninsular, vai em Nova Iorque ser posto ao voto o projecto afro-asiático. Como se aprestam a votar os Estados Unidos? Stevenson telefona a Kennedy, que está no seu gabinete da Casa Branca [Convém lembrar a diferença de horas entre Lisboa e Nova Iorque: quando em Lisboa era o princípio da noite, em Nova Iorque e Washington estava-se no meio da tarde]; recomenda que a delegação apoie o projecto afro-asiático, votando portanto contra Portugal, e pede ao presidente instruções finais. Que atitude tomarão os outros ocidentais? – pergunta Kennedy. Provavelmente abster-se-ão, diz Stevenson; mas igual atitude da parte dos Estados Unidos causaria deplorável impressão por todo o terceiro mundo. Dean Acheson, que naquele momento se encontra no gabinete de Kennedy, sugere ao presidente que não tome uma decisão precipitada, e acentuou que o assunto deve ser mais ponderado. Não há tempo, a votação vai realizar-se dentro de minutos, diz Kennedy; e depois de consultar Dean Rusk pelo telefone, e retomando a conversa com Stevenson, instrui este para votar contra Portugal. Comenta então Acheson: “Senhor Presidente, acaba de tomar uma decisão que é ao mesmo tempo um erro e um perigo, e terá as mais graves consequências para Portugal e para os Estados Unidos”. E procede-se à votação em Nova Iorque: votam a favor da resolução a Rússia, a República Árabe Unida, a Libéria, o Ceilão e os Estados Unidos. Abstêm-se a França, a Inglaterra, a China, o Chile, o Equador e a Turquia. Há assim cinco votos afirmativos e seis abstenções. Não obtivera o texto, portanto, a maioria de votos positivos exigida, entre os 11 membros do Conselho, para que seja aprovada uma resolução, e nos termos regulamentares é havida por derrotada. Mas os Estados Unidos tinham votado contra Portugal pela primeira vez na história dos debates de problemas portugueses na ONU; e deste modo haviam rompido a solidariedade ocidental (França, Inglaterra, Turquia) e ignorado a amizade latino-americana (Chile, Equador).

Acheson, velho e experimentado estadista, advertira Kennedy. Mas não se conforma com a atitude dos Estados Unidos, nem tem por bastante o seu aviso, e quer registá-lo. Escreve a Kennedy, uma longa carta. Depois de referir notícias da imprensa sobre a mudança da política africana dos Estados Unidos, Dean Acheson aprecia directamente o voto americano no Conselho de Segurança. Diz o antigo secretário de Estado: “O embate causado pelo voto na semana passada – e ainda mais significativamente o do discurso que foi feito, com a sua sinistra ameaça  para o futuro - não atingiu principalmente os portugueses ou a crise de Angola”. Do voto americano, a mais grave consequência, pensa Acheson, está em tornar impossível qualquer negociação que poderia trazer à África alguma “sanidade”. Vai ter reflexos na Argélia, e em toda a África. “Na verdade”, continua Dean Acheson, “através de África a grande necessidade não está em empurrar mais povos mais depressa para a independência, que não sabem usar melhor do que o têm sabido os congoleses. Independência para todos esses povos não é já um problema realista. O grande e crucial problema consiste em prepará-los, com muito mais do que simples velocidade, para enfrentarem o futuro inevitável”. E por último Dean Acheson atira a Kennedy um doesto: “Qualquer estadista, soldado ou advogado sabe que o caminho para o desastre consiste em dar combate no terreno escolhido por outrem”. As Nações Unidas são uma ratoeira: pequenos países têm-se permitido manobrar as potências responsáveis e obrigam-nas a votar em todos os problemas concebíveis: “Nós (os americanos) somos suficientemente grandes para não fazermos isto”. E a “nossa própria grandeza e responsabilidade impõe-nos que em todas as situações não percamos de vista o conjunto” [Carta de 19 de Março de 1961]. Em Lisboa, Jacques de Lacretelle pronuncia no Instituto Francês uma palestra sobre Marcel Proust. E na Casa do Infante, no Porto, Adriano Moreira, subsecretário do Ultramar, profere uma conferência com o título de Provocação e Resposta. Num óbvio remoque ao voto americano, diz: “Só nós temos resistido ao desafio dos adversários; teremos também de resistir à provocação e à transigência dos que se dizem amigos.”»

Franco Nogueira («Salazar, Vida e Obra, V, A Resistência (1958-1964)», Livraria Civilização Editora).



 

Ver aqui, aqui, aqui e aqui


«O Governo português não tem dúvidas de que incidentes da natureza dos que ocorreram em Luanda estão a ser preparados por agentes do terrorismo internacional

«Inacreditável selvajaria...».

Vasco Garin






Ver aqui


«Encerram-se em Nova Iorque os debates, e de Angola chegam a Lisboa notícias trágicas. Justamente de 14 para 15 de Março de 1961, vagas de terroristas invadem o Norte de Angola. Aboletados e municiados na República do Congo, atravessam em toda a extensão a linha de fronteira e, providos de catanas e armas de fogo rudimentares, assaltam povoações e fazendas. São atacadas S.to António do Zaire, S. Salvador do Congo, Maquela do Zombo, que se podem considerar quase raianas; mas são igualmente acometidas Ambrizete, Negaje, Mucaba, Sanza-Pombo; toda a baixa do Cassange está em alvoroço; e os terroristas estão às portas de Carmona. São claros para as autoridades os propósitos de implantar o terror. São óbvios os desígnios de se dirigirem a Luanda. Nos círculos do governo central, na alta administração, toma-se então consciência de que em Angola há uma situação de guerra, e de que no território se move guerra contra Portugal

Franco Nogueira («Salazar, Vida e Obra, V, A Resistência (1958-1964)», Livraria Civilização Editora).


«São os próprios americanos que nos andam a tramar em Angola.»

Salazar a Botelho Moniz


«Portugal não terá interesse numa ‘vitória dos Estados Unidos sobre a União Soviética’ se para isso Portugal for sacrificado.»

Franco Nogueira para Charles Burke Elbrick


«Os russos estão claramente a atacar Portugal em África e parece que os americanos estão ingenuamente a fazer o jogo dos russos.» 

Salazar a Kennedy




«Nogueira foi bem claro ao garantir que Portugal lutará até ao limite das suas forças para manter os seus territórios ultramarinos e que disso poderá resultar uma guerra mundial. Perguntei-lhe então se Portugal iria ao extremo de arrastar o Mundo inteiro por causa de Angola, ao que ele respondeu afirmativamente, dizendo que para Portugal Angola era muito mais importante do que Berlim.»

Charles Burke Elbrick


«Os Estados Unidos vêm fazendo em África, embora com intenções diversas, uma política paralela à da Rússia. Mas esta política, que no fundo enfraquece as resistências da Europa e lhes retira os pontos de apoio humanos, estratégicos ou económicos para sua defesa e defesa da própria África, revela-se inconciliável com o que se pretende fazer através do Tratado do Atlântico Norte

Oliveira Salazar 

 

       «O Ocidente está a ser derrotado nas Nações Unidas».

Franco Nogueira


«Se me perguntam se a guerra acabou de facto em Angola, responderei que, nos precisos termos em que foi lançada, isto é, para domínio exclusivo de uma parte restrita do território aonde não pudesse chegar a afirmação e actuação do poder português – sim, a guerra pode dizer-se que acabou, sem embargo de ataques esporádicos como podem suceder em Lisboa ou em Paris, na Venezuela ou na Colômbia. Trata-se de um fio de água, nascido além-fronteiras, protegido até elas, que se infiltra através das ínvias picadas das florestas para reaparecer no interior do nosso território. Por mais estranho que pareça, esse pequeno fio que nasce no Congo, em Conakry ou em Accra, ou ainda mais longe, poderia no entanto ser estancado e enxuto nalgumas grandes capitais como Washington ou Londres. Mas a política não é aí compreendida da mesma forma.»

Oliveira Salazar («Defesa de Angola – Defesa da Europa», SNI, Lisboa , 1962).

«(...) a Grã-Bretanha e outras nações europeias têm partilhado com os Estados Unidos, aos olhos dos portugueses, o ónus das atitudes antiportuguesas nas Nações Unidas.»

Theodore Xanthaky


«DÓLARES PARA A UPA

Os contactos secretos entre a Administração Kennedy e a UPA atingiram um outro nível qualitativo durante a Primavera. Holden Roberto, que conheceu o Presidente em 1959, causou boa impressão a Robert Kennedy e outros responsáveis durante a sua visita aos Estados Unidos em Março de 1961. Quando lhe perguntaram se era pró-americano ou pró-soviético, o líder da UPA respondeu que nem uma coisa nem outra e que era apenas “pró-angolano”. O Departamento de Estado tentou persuadi-lo a abandonar a violência em Angola; Holden Roberto argumentou que, se abandonasse a luta armada, não poderia competir com o pró-soviético MPLA; e pediu ajuda aos Estados Unidos. Na sua busca de apoios ao nível da Administração e do Congresso, escreveu em 4 de Abril a Everett Dirksen, um senador contestatário do voto nas Nações Unidas. Descreveu-lhe os abusos coloniais dos portugueses e disse que, ao votar contra Portugal, a América “viveu um momento de grandeza”. A cotação política de Holden Roberto, em Washington, como potencial líder de uma Angola independente, era nesta altura bastante significativa.

No final de 1961, consumando um debate intramuros, o National Security Council Special Group autorizou o financiamento secreto de Holden Roberto e da UPA. A personalidade decisiva por detrás desta atitude foi Robert Kennedy e a quantia inicial foi de 6000 dólares por ano. Como disse Henry Kissinger em 1976, pretendeu-se investir no futuro dos interesses americanos e a UPA era em 1961 “uma força de vanguarda na luta pela independência de Angola”. A CIA financiou directamente a UPA até 1969 e depois disso continuou a pagar 10 000 dólares por ano a Holden Roberto para manter a ligação. Holden Roberto, embora reticente em falar no assunto, confirmou a ajuda americana: “Davam-nos apoio sobretudo para a formação de quadros da UPA e em medicamentos, pagavam-lhe os bilhetes de viagem. Mas não davam o dinheiro que se diz. Onde estão os recibos para provar? Se nos tivessem dado uma ajuda substancial, nós teríamos ganho a guerra em Angola. Não foi nada comparável ao dinheiro que os americanos têm dado ao Savimbi”. Em 1975, o chefe da task force da CIA em Angola, John Stockwell, referia-se ao lider da UPA: “Em Kinshasa, Roberto era o nosso homem”. (Kinshasa é o nome moderno de Léopoldville). As consequências desta associação secreta foram consideráveis e provocaram a médio prazo o descrédito da UPA entre muitos nacionalistas de África.

Nada irritou mais Salazar do que a protecção americana à UPA, embora Holden Roberto recebesse também ajuda financeira de países africanos. E nenhum outro pretexto político foi tão conveniente ao fundamentalismo de Salazar. O Departamento de Estado, respondendo em 23 de Maio a uma pergunta do embaixador americano em Paris, negou a existência de ajuda americana à UPA, admitindo embora que organizações privadas dos Estados Unidos “talvez tenham contribuído”. A ajuda logística e financeira da CIA era canalizada sobretudo através da embaixada americana em Léopoldville. Segundo Franco Nogueira, o Governo conseguiu obter dois documentos: a acta de um protocolo entre o encarregado de negócios em Léopoldville e Holden Roberto, onde se discriminavam subsídios financeiros e fornecimento de armas; e um passaporte emitido pelo Ministério do Interior da Tunísia a favor de Joe Gilmore, criptónimo de Holden Roberto. Salazar ficou radiante com o achado: “Guardamo-los como se de nada soubéssemos, para os usarmos na altura própria. Que bela coisa!”

Em 1 de Maio, Marcello Mathias, ainda Ministro, e o general Câmara Pina comunicaram à embaixada que o Governo sabia da associação cada vez mais íntima entre a embaixada americana em Léopoldville e Holden Roberto. Os dois responsáveis portugueses apelavam para que Washington se dissociasse de Holden Roberto e da UPA. Elbrick engoliu em seco. Em 20 de Maio, durante o encontro de despedida como Ministro dos Negócios Estrangeiros, Marcello Mathias disse a Elbrick que os Estados Unidos se tinham envolvido com os “inimigos de Portugal em Léopoldville e no Brasil”. Deixando entender, segundo concluiu Elbrick, que o governo de Salazar estava convencido de que os Estados Unidos apoiavam tanto Holden Roberto como Henrique Galvão. O embaixador sublinhava a Dean Rusk que seria "altamente desejável" ter condições, como embaixador em Lisboa, para “negar imediatamente qualquer ajuda do governo dos Estados Unidos aos terroristas”. Elbrick trabalhava na corda bamba.»

José Freire Antunes («Kennedy e Salazar: o leão e a raposa»). 


Alberto Franco Nogueira com John F. Kennedy (Washington, 1962).

«Em princípios do corrente mês, precisamente a 2 de Março (de 1965), tive o prazer da visita do Príncipe Radziwill que me deu notícias de V. Excia. e se ocupou de certo número de problemas, também objecto de longa conversa com V. Excia. antes de partir de Nova Iorque.

(...) Transmitiu (...) o Príncipe Radziwill a informação de que o Governo Americano cessará todo o apoio financeiro aos terroristas que do Congo se infiltram e atacam Angola. Entendi que se referia aos terroristas de Holden Roberto mas que igual atitude tomaria em relação a quaisquer outros. Pergunto-me apenas se uma tal decisão não poderia ser levada pelo Governo Americano ao conhecimento das organizações privadas americanas apropriadas para fins idênticos. Em qualquer caso tomo naturalmente nota da informação com apreço, mas a mesma e alguns factos posteriores impõem algumas observações. Independentemente do que a cessação de tal auxílio significará como evolução das posições americanas nesta matéria, e dos benefícios gerais e particulares que daí poderão advir, não posso eximir-me a notar que se trata de um gesto que não vai além de corrigir um estado de coisas que nunca deveria ter-se produzido, nem dentro da razão nem dentro da legalidade internacional. Mas já depois da minha conversa com o Príncipe Radziwill, e em que este me transmitiu aquela grata notícia, chegou ao meu conhecimento uma informação grave. O Arquiduque Otão de Habsburgo, numa recente estadia em Léopoldville, teve oportunidade de falar com o embaixador dos Estados Unidos no Congo, Sr. Godley. O embaixador Godley confiou ao Arquiduque que acabava de recomendar ao Departamento de Estado "o recomeço do auxílio a Holden Roberto", por ser esse "o único meio de evitar que o movimento nacionalista de Angola caísse em mãos comunistas". Isto foi-me repetido a mim próprio pelo Arquiduque, e a integridade pessoal deste e os seus conhecimentos de língua inglesa não me permitiam dúvidas quanto à conversa nem quanto à fidelidade da sua transmissão. Devo dizer que o ministro português dos Negócios Estrangeiros mencionou o facto ao embaixador Anderson; e este, alguns dias depois, comunicou que o embaixador Godley desmentia inequivocamente a sua conversa com Habsburgo. Tenho de concluir que o Arquiduque Otão terá sido pouco feliz no seu relato e que não entendeu bem o que ouviu em matéria de tanto melindre. Não posso esquecer, todavia, que o embaixador Godley, quando trabalhava no Departamento de Estado, na Divisão de África, sempre manteve uma posição de grande hostilidade a Portugal, e que de igual forma procedeu quando exercia as funções de Conselheiro em Léopoldville. Recordo-me até de que, nessa altura, negou perante um jornalista inglês, de regresso de uma visita a Angola, que nesta houvesse qualquer escola frequentada por crianças ou jovens negros. Nós já convidámos o embaixador Godley, repetidas vezes, a visitar Angola; mas sempre recusou, ou não foi autorizado a fazê-lo. Não tenho evidentemente o direito de pronunciar-me sobre altos funcionários dos Estados Unidos; mas direi que a animadversão que aquele sente contra Portugal e sua política ultramarina lhe obscurece a lucidez de espírito e creio ser muito grave que os Estados Unidos possam ser levados a tomar posições numa área vital de África sobre a base de informações que não traduzem a realidade. Mas este problema ainda comporta outros aspectos. Perdoar-se-me-á se eu recordar que os Estados Unidos foram o primeiro país ocidental a dar visto diplomático (válido por quatro anos) no falso passaporte tunisino do Sr. Holden Roberto sob o nome de José Gilmore, e que lhe permitiram a entrada nos Estados Unidos, com aquele documento, durante anos, mesmo muito depois de ser público que Gilmore não existia e fora simples nome de guerra. Perdoar-se-me-á se eu recordar que o sr. William Tyler, do Departamento de Estado, admitiu oficialmente em Washington, em conversa com o nosso ministro dos Negócios Estrangeiros, que Holden Roberto era efectivamente recebido no Departamento de Estado. Devo dizer que nessa altura foi também assegurado que Holden Roberto não voltaria a ser ali recebido sem aviso prévio ao Governo português, aviso que até agora não foi feito. Recordarei ainda que o Sr. Blake, do Departamento de Estado, é pelos jornais africanos considerado um amigo de Holden Roberto, e que foi há tempos transferido para Léopoldville. São numerosos os jornalistas americanos, franceses, ingleses e outros que, nas suas crónicas sobre política africana, aludem a Holden Roberto como protegido dos Estados Unidos, e por estes subsidiado e auxiliado. Não julgo que se possa dizer que todas essas dezenas de jornalistas estão ao serviço de Portugal, e alguma razão devem ter tido para chegar àquela conclusão, mesmo que não fossem além das alusões do próprio Holden. Mas a conclusão a que todos os observadores e jornalistas internacionais têm chegado não tem sido admitida a Portugal porque, no passado, sempre as instâncias americanas competentes opuseram a sua mais categórica negativa. Que tais factos terminem de vez é o que pode desejar-se para esclarecimento desta situação.»

Carta de Oliveira Salazar para Roswell Gilpatric (ver aqui e aqui).






Ver aqui, aqui, aqui e aqui






Ver aqui, aqui e aqui


«Fora da ONU, voltei a ter frequentes contactos com Franco Nogueira em Londres, onde ambos viemos a ficar na situação de exilados por motivo dos tristes acontecimentos que se verificaram em Portugal em 1975. Já antes desse seu exílio Franco Nogueira fora vítima de elementos mais radicais do 25 de Abril, os quais durante meses o mantiveram preso e a sofrer imensos vexames. Consideravam-no um possível dirigente anti-revolucionário, no que duvido houvesse qualquer fundamento dada a tendência para ideais liberais que sempre lhe adivinhei.

Foi durante a estadia em Londres que Franco Nogueira trabalhou afanosamente na sua biografia do Doutor Salazar, a qual é, sem dúvida, uma obra notabilíssima, que o coloca no primeiro plano dos historiadores portugueses deste século.»

Vasco Vieira Garin («Alberto Franco Nogueira», in «Embaixador Franco Nogueira [1918-1993] – Textos evocativos»).


Ver aqui e aqui


Ver aqui



Ver aqui e aqui


«Recordo-me de vê-lo em Londres, no seu exílio onde a nossa amizade se estreitou, lutar pelo seu país, depois de ter estado longos meses preso e doente, vilipendiado pelas ordenanças e impedidos dos canalhas que, mais tarde, haviam de mergulhar o País na desgraça e lançar Timor e os territórios africanos na brutal fogueira em que continuam a arder. Agora mais do que nunca.

Vi-o, como disse, em Londres, fora do País como cá dentro, sempre inflamado na defesa dos interesses e da independência nacionais, orgulhoso da terra onde nascera, cuja História conhecia como ninguém e ajudou a fazer, na parte que lhe coube, com muito mérito, abnegação e completa dádiva de si mesmo.

Vi-o lá fora, sempre simples e digno, lutando contra as dificuldades que as circunstâncias da vida lhe impunham, sem uma queixa, uma lamentação, uma palavra de rancor.

Franco Nogueira sabia que esse era o preço natural de se estar no Poder servindo e não servindo-se.

Os políticos (e alguns militares) com reservas argentárias capazes de doirar qualquer exílio viriam depois, rebentando, como tortulhos, as costuras da farsa democrática que se seguiu.

Franco Nogueira limitou-se a servir. A cumprir com nobreza e galhardia o seu papel na História. Dele se poderá também dizer que a sua honra era a sua fidelidade.

Ao vê-lo cair, trespassado pela doença, que enfrentou, consciente e lúcido, agitando a pluma erecta e inteira do seu patriotismo sem mancha, não posso deixar de evocar Cyrano, ouvindo-o, já prostrado, gritar: C’est mon panache!».

Vera Lagoa («A Morte de um Patriota», in «Embaixador Franco Nogueira [1918-1993] – Textos evocativos»).



Discursando na Assembleia-Geral das Nações Unidas (Nova Iorque, 1962).


FRANCO NOGUEIRA NA ONU


Personalidades muito mais categorizadas e capacitadas do que o autor destas linhas analisarão decerto neste livro o perfil intelectual e político do Embaixador Franco Nogueira. Resta-me, por isso mesmo, orientar noutro sentido o meu depoimento para este In Memoriam. Decidi-me por uma página de memórias – o que me levará a referir-me também a mim próprio mais do que desejaria e talvez fosse curial.

No decorrer do ano de 1961, o Ministro Franco Nogueira foi informado de que na Assembleia Geral das Nações Unidas, em Outubro, iria ser desencadeada contra a política portuguesa em África forte ofensiva dos países já independentes do Continente Negro, e bem assim da União Soviética e seus satélites. Por isso contactou O Século, o Diário de Notícias e a ANI para mandarem a Nova Iorque enviados especiais, a fim de que a opinião pública nacional não fosse apenas informada pelos telegramas da United Press e da Reuter sobre o que se passasse nessa conjuntura na ONU. Os dois jornais e a agência referida acederam logo ao pedido. Desde que fora demitido de director de programas da RTP (em condições muito peculiares...), eu era então director de O Século, por convite desse homem generoso que foi o Dr. Guilherme Pereira da Rosa, para escrever editoriais e uma outra crítica de teatro, cinema ou bailado. Fizera também parte do grupo de jornalistas que percorreu Angola logo depois dos conflitos provocados por terroristas em Luanda e nas vésperas do genocídio horrendo ocorrido no Norte da província em 14 de Março. Talvez por isso o Dr. Guilherme me tivesse convidado para ir a Nova Iorque desempenhar a missão aludida.

Lá cheguei a 7 de Outubro, hospedando-me num hotel modesto da Rua 42 entre a 1.ª e 2.ª Avenidas, ou seja, muito perto da sede da ONU – e, obtida a necessária credencial, comecei logo a seguir os trabalhos da 4.ª Comissão, a que se ocupava da descolonização e da autonomia dos povos que ainda estavam sujeitos a potências coloniais. Quando cheguei, era a Bélgica que estava na berlinda e a delegação desse país ouvia com a maior calma os insultos soezes e as calúnias mais gratuitas que os seus opositores bramavam da tribuna – enquanto numerosos delegados, sobretudo negros (em geral com uma loira americana agarrada a um braço), cirandavam pela vasta sala ou conversavam em grupos sem sequer se darem ao cuidado de falar em voz baixa. Era uma autêntica barafunda. Os interfones com tradução simultânea permitiam porém não perder pitada da insólita verborreia dos oradores.

A seguir foi a vez da França, depois a da Inglaterra, e o espectáculo continuou igual: insultos do mais baixo nível, permanente agitação na sala, fleumática atitude dos delegados dos citados países europeus que, a seguir, e em palavras serenas e sóbrias, respondiam aos ataques dos seus desbragados opositores.

Este intróito foi necessário para realçar com o que veio depois: a ofensiva contra Portugal. Na véspera haviam chegado a Nova Iorque o Ministro Franco Nogueira, acompanhado pelo então Director-Geral dos Negócios Políticos do M.N.E., Dr. José Manuel Fragoso. Nesse dia chegou também o enviado do Diário de Notícias, o categorizado jornalista Guilherme Ayala Monteiro, meu velho amigo. O Director da ANI, Dutra Faria, e o seu colaborador, Luís Fraga, estavam em Nova Iorque também desde a primeira semana do mês.

Não conhecia, nem de vista, quer Franco Nogueira, quer J. M. Fragoso (apesar de este ser irmão de Fernando Fragoso, meu querido amigo desde os tempos de liceu), embora não ignorasse a reputação de Fragoso como funcionário das Necessidades.

Alberto Franco Nogueira discursando no Conselho de Segurança das Nações Unidas. A seu lado, da esquerda para a direita: Adlai Stevenson, representante dos Estados Unidos na ONU; Mongi Slim, Ministro dos Negócios Estrangeiros da Tunísia e Rudoph Grimes, Ministro dos Negócios Estrangeiros da Libéria (Nova Iorque, 1963).

Tanto o Ministro como o seu Director-Geral estiveram presentes na 4.ª Comissão quando principiou a ofensiva contra o nosso país. E não houve novidade alguma: idêntica catilinária insultuosa de vários delegados escalados para os primeiros ataques antiportugueses, a mesma balbúrdia na sala. Recordo-me que Ayala Monteiro ficou alarmado com a agressividade dos nossos adversários, só sossegando quando Dutra Faria e eu lhe contámos o que se tinha passado com a Bélgica, a França e a Inglaterra.

E chegou o momento em que o Ministro Franco Nogueira iria discursar (no seu fluente inglês) em resposta aos delegados que nos haviam atacado e ofendido. Então fiquei espantado, porque se fez absoluto silêncio na sala e toda a gente ficou sentada e quieta, manifestamente interessada em ouvir o nosso Ministro. Fiquei então ciente do singular prestígio que Franco Nogueira já havia conquistado na ONU  o que vi confirmado no respeito e atenção que lhe prestavam na sala de convívio e na do bar. Chegava a ser impressionante, tanto mais que Franco Nogueira estava à frente do M.N.E. relativamente há pouco tempo. Esta posição veio ainda a aumentar e a consolidar-se até que deixou o Ministério dos Negócios Estrangeiros, já sendo Presidente do Conselho o Prof. Marcello Caetano.

Franco Nogueira tinha o dom de ser incisivo e acutilante na réplica aos ataques antiportugueses e por isso ganhara fama e autoridade naquele areópago internacional. Um exemplo dessa sua faculdade inestimável será a observação com que embatucou os assistentes a uma sua conferência, já não sei em que Universidade americana, na qual expôs a nossa posição em relação à África Portuguesa. No final houve vários opositores aos seus argumentos, que Franco Nogueira silenciou em poucos segundos dizendo: «Não devem esquecer-se de que a independência dos Estados Unidos não foi obra dos peles-vermelhas que viviam no vasto território americano!» Depois do surpreso silêncio referido (pois nunca lhes passara pela cabeça semelhante realidade), calorosa ovação coroou esta contundente e irrespondível estocada dialéctica.

(In Embaixador Franco Nogueira [1918-1993] – Textos evocativos, Livraria Civilização Editora, 1.ª edição/Outubro 1999, pp. 186-187).



No Ministério dos Negócios Estrangeiros. Da esquerda para a direita: Burke Elbrick, Embaixador dos Estados Unidos em Lisboa; Alberto Franco Nogueira, Ministro dos Negócios Estrangeiros; George Ball, Secretário de Estado Adjunto dos Estados Unidos [?]; Theodore Xanthaky, Conselheiro da Embaixada dos Estados Unidos em Lisboa.

terça-feira, 24 de janeiro de 2023

Franco Nogueira - O Homem, o Estadista, o Pensador

Escrito por Henrique Veiga de Macedo 



Alberto Franco Nogueira conversando com a Esposa do general Douglas MacArthur, Comandante das Forças Aliadas no Pacífico (Tóquio, 1948).





«Os Estados Unidos da América podem perder uma guerra do Vietname: sofrem um trauma nacional; mas os seus interesses vitais não foram atingidos. A França pode perder uma guerra, e ser ocupada, e sofrer graves prejuízos; mas continua a ser a França, porque não foram afectados os seus interesses vitais. O mesmo sucede com uma Alemanha, ou um Japão, ou com aqueles países cuja independência está ligada a necessidades de equilíbrio entre os grandes. Nenhum daqueles é o caso de Portugal.»

Franco Nogueira («Juízo Final»).


     «Um homem tranquilo

(...) A porta abriu-se e uma súbita alegria me invadiu ao ver ali presente aquele homem. A alegria revelou-me como, não o vendo há tantos anos, permaneci seu amigo. Creio que Veiga de Macedo não ficou menos contente por me ver. Fez-me entrar para uma sala, depois para uma biblioteca. Em ambas, retratos de Salazar. Eu vinha para um encontro breve, pouco antes da hora do almoço. Fiquei três horas. Bem sabia como ele é um homem autenticamente religioso mas só hoje vi como essa autenticidade o leva a dar prioridade absoluta à vida do espírito em todas as suas formas ou manifestações. Tendo sido, durante a maior parte da vida, um homem de acção política – Secretário de Estado da Educação, Ministro das Corporações, etc. – o seu absorvente interesse é, agora, a poesia, uma vocação que se lhe revelou no exílio brasileiro. Aí foi professor de filosofia do direito, de economia e de literatura. Disso conversámos. Oferece-me um livro de poemas e lê-me alguns. Fico surpreendido. Num estilo digamos tradicional, obediente às regras clássicas da versificação e dos géneros poéticos, são belos poemas, meditados e sinceros.

Diz-me: “Quando V. me telefonou e combinámos este encontro, comecei por pensar: o Orlando Vitorino está candidato presidencial e vem fazer-me alguma proposta de colaboração. Mas logo reflecti: não, ele não é pessoa para isso. É o amigo que ele quer ver”. Acrescentou: “Estou alheio à política. Tenho a convicção de que posso ser mais útil à minha Pátria escrevendo os meus poemas”.

Creio que fiquei comovido.»

(«O processo das PRESIDENCIAIS 86, Organizado e Publicado pelos Serviços da Candidatura de ORLANDO VITORINO»).

 

FRANCO NOGUEIRA - O HOMEM, O ESTADISTA, O PENSADOR


 «E... o centro de gravidade da Nação Portuguesa estava no Ultramar, e este deveria portanto ter prioridade.

Abandonar o Ultramar, recordo-me de o ter dito então, seria entregá-lo à colonização de terceiros, para depois Portugal metropolitano ser por sua vez colonizado...».

FRANCO NOGUEIRA

Juízo Final – pág. 16.

 

1. O Dr. Franco Nogueira passou a sobraçar a pasta dos Negócios Estrangeiros em 4 de Maio de 1961, isto é, precisamente no dia em que eu saía do Governo, após doze anos de colaboração directa que tivera o privilégio de dar a Salazar.

Não conhecia então, de perto, o Embaixador Franco Nogueira, cujas actividades se haviam desenvolvido em campos diferentes dos meus. Confesso que, ao vê-lo erguido a tão importante posto, me assaltou uma dúvida. Estaria o novo Ministro à altura da extrema gravidade da situação que o País atravessava, já em guerra aberta, que lhe fora imposta por conhecidas forças empenhadas em dominar Angola, e ameaçado pelas crescentes exigências do «pacifista» Nehru sobre o nosso Estado da Índia? E isto, tanto mais que eu pudera, nos anos anteriores, como colega de Governo, acompanhar e admirar esses dois ministros dos Negócios Estrangeiros que foram Paulo Cunha e Marcello Matias. Ambos, cada um no seu estilo peculiar, se tinham votado à defesa dos legítimos e permanentes interesses nacionais com uma determinação e lucidez impressionantes e uma visão certeira da nossa marcada vocação universalista. Que pena me faz vê-los tão injustamente esquecidos!

2. Aquele meu receio, porém, em breve se desvaneceu. E foi empolgado que vi a seguir a fulgurante acção do homem a quem Salazar, em hora crucial e cruciante, confiara a superior orientação da nossa Diplomacia. Logo no final de 1961 me senti impelido a procurar o Dr. Franco Nogueira, no Palácio das Necessidades, onde, na penumbra do seu gabinete de trabalho, o fui encontrar, apreensivo e amargurado. Em vésperas da invasão de Goa, Damão e Diu pelas tropas indianas, eu quisera sentir com ele a angústia desses dramáticos instantes e colocar-me ao dispor para qualquer missão que o Governo houvesse por bem entregar-me lá nos nossos longínquos territórios do Índico.







Ver aquiaquiaqui, aqui, aqui e aqui


Tenho presente a longa conversa que travámos. Estou a ouvi-lo falar de Salazar com o mais fundado apreço e da sua inteira identificação com o pensamento do Chefe do Governo no tocante à definição e execução da nossa política externa.

Homens de formação de base algo diversa, nunca o facto afectou (e tê-lo-á, porventura, enriquecido) o entendimento entre os dois Estadistas, irmanados no mesmo propósito de acautelar a integridade e a dignidade da Nação Portuguesa pelo mundo repartida. Mais tarde, Franco Nogueira viria a referir-se a Salazar como «... um homem de génio, uma personalidade complexa, densa e forte». Para ele, o afirmá-lo «não constituía compromisso político, mas acto de inteligência».

3. Após esse para mim memorável encontro, mais se intensificou o nosso relacionamento, até por força das funções políticas em que eu estava investido. E, claro, mais se avivaria, assim, a minha consideração pelo Ministro que transformara o seu incansável labor em prol de Portugal numa verdadeira Cruzada patriótica.

Sim, não podia eu deixar de reconhecer que Salazar encontrara o homem certo na hora certa, capaz de se bater, com nobreza, clarividência e coragem, pela causa da unidade nacional.

Passarei ao lado dessa surpreendente batalha diplomática, tão documentada está e tão exaltada vem sendo por ilustres personalidades da nossa vida política e cultural. E que poderia eu acrescentar a estes impressivos e exaustivos depoimentos sobre Franco Nogueira, como diplomata e ministro?

4. Quando a Salazar sucedeu Marcello Caetano na presidência do Conselho de Ministros, era de admitir como indiscutível que Franco Nogueira não pudesse, para além de curto período de transição, responsabilizar-se, ou ser responsabilizado, pela condução da nossa Diplomacia. Eram homens bem diferentes na maneira de estar na política e, sobretudo, nas ideias sobre o posicionamento de Portugal relativamente ao Ultramar.




Eu, aliás – e isto se diz sem o menor desdouro para Marcello Caetano, com quem mantive sempre, para lá das nossas divergências, as melhores relações pessoais, aqui e no Brasil –, teria preferido ver, como continuador de Salazar, o próprio Dr. Franco Nogueira. Não foi outro o sentido em que me pronunciei quando o Presidente Américo Thomaz me incluiu no elenco alargado de individualidades que entendeu dever consultar sobre esse momentoso e delicadíssimo problema sucessório.

Abandonado o Palácio das Necessidades, Franco Nogueira viria a ser eleito pelo Círculo de Lisboa, deputado à Assembleia Nacional. Com ele em São Bento, durante anos pude viver e defender o mesmo e ameaçado ideal de uma Pátria intocável na linha do seu histórico desígnio. Ambos eleitos membros da Comissão Eventual para apreciar a proposta de lei n.º 14-X sobre a revisão constitucional, subscrita, em 2 de Dezembro de 1971, pelo Chefe do Governo, pude apoiar as incisivas intervenções de Franco Nogueira no seio da Comissão e – porque não dizê-lo? – ver por ele apoiadas as minhas sobre aspectos essenciais do assunto em debate.

Franco Nogueira, que conhecia a velha ideia de abandono vinda de longe, foi em todas as circunstâncias coerente consigo próprio e sempre se mostrou consciente, quer dos rumos que Portugal deveria prosseguir para a salvaguarda da sua integridade física e moral, quer da necessidade imperiosa de assegurar a vida e a paz das populações nativas – vítimas, a partir de 1974 até hoje, de uma das maiores tragédias humanas dos tempos modernos. Orgulho-me de ter participado com ele nesse duro ataque, na Assembleia Nacional, ao espírito que havia presidido à elaboração daquela proposta de lei sobre a reforma da Constituição – espírito esse que eu já pudera pressentir entre 1955 e 1958, sobretudo nos meses anteriores à eleição do Almirante Américo Thomaz para a suprema magistratura do País e ver claramente afirmado no próprio Conselho de Ministros, entre 1958 e Abril de 1961, pelo Ministro da Defesa, general Botelho Moniz.


Ver aqui, aqui e aqui

Batemo-nos pela unidade da Nação (na dispersão dos territórios e diversidade das raças, crenças e costumes), pela intervenção cada vez mais activa e ampliada das nossas comunidades africanas na vida política, económica e social (em seus orgãos nacionais, provinciais e locais) e pelo escrupuloso respeito dos valores espirituais dos povos indígenas, até como processo de enriquecer a própria cultura lusíada, resultante da configuração histórica sedimentada de elementos de vária origem e natureza.

Franco Nogueira não se deixou levar pelos «ventos da História», como se esta não fosse fruto da vontade do homem e como se a política algo eufemisticamente dita da «autonomia progressiva participada» pudesse servir Portugal e os reais interesses de quantos, brancos, negros e mestiços, viviam confiadamente no Ultramar à sombra tutelar da mesma Bandeira.

Não ignorava Franco Nogueira que os dados, embora viciados, estavam lançados, e não se terá surpreendido com os acontecimentos de Abril de 1974 e os que, em cadeia virulenta e sangrenta, se lhe seguiram: meros epifenómenos, afinal, de uma lenta, insidiosa e intencional gestação de sucessivos desvios, conluios e abdicações.

As futuras gerações hão-de ver em Franco Nogueira um Mestre na arte de bem pensar e agir e no amor entranhado a Portugal, de cuja defesa intransigente e esclarecida fez ponto de honra ao longo da sua empenhada e fecunda vida.

5. Conferencista, ensaísta, historiador, professor universitário, tribuno no Parlamento e fora dele com uma dialéctica séria e irrebatível, estadista iluminado e percuciente – e homem bom, sereno, impoluto –, Franco Nogueira foi, e será, lição edificante de dignidade, de coerência, de carácter e de portugalidade.

Este homem singular havia de ser vítima, após o «25 de Abril», de odiosas perseguições que o levariam à prisão e, depois de comer o pão ázimo dos emigrados, forçado como foi a sair do país por gentes que reduziram o País a uma praia e a um pinhal – a uma pequena faixa perdida e a diluir-se na ibérica imensidão.



Ver aqui e aqui

Mas o seu martírio foi esse mesmo de ver Portugal diminuir-se, a negar-se, a voltar costas ao Mar, a perder independência: a tornar-se europeísta a troco de um envenenado prato de lentilhas. Eu disse europeísta, não europeu, que europeu Portugal sempre foi, no espírito, na cultura, e nessa inigualável gesta da difusão e universalização dos valores do Velho Continente.

Ocorrendo-me que Franco Nogueira era admirador de Miguel Torga, pus-me a imaginar, neste instante, como seria profunda a sua emoção se pudesse ler, no recentemente publicado Diário XVI do altíssimo poeta e escritor, estas terríveis palavras de fogo:

«[...] fica pelo menos registado o repúdio de um poeta português pela irresponsabilidade com que meia dúzia de contabilistas lhe alienaram a soberania da Pátria. Tenho como certo que Maastricht há-de ser uma nódoa indelével na memória da Europa...» [11.5.1992 (pág. 121).]

«[...] lutei e lutarei até ao derradeiro alento pela preservação da nossa identidade, última razão de ser de qualquer indivíduo ou colectividade, e repudio com todas as veras da alma a irresponsabilidade da Europa que em Maastricht, sornamente, a tenta negar, trair-se e trair-nos». [8.6.1992 (pág. 130).]


Ver aqui

«[...] Abolição das fronteiras. Livre circulação de pessoas e bens. Ocupados sem resistência e sem dor. Anestesiados previamente pelos invasores e seus cúmplices, somos agora oficialmente europeus de primeira, espanhóis de segunda e portugueses de terceira». [2.1.1993 (pág. 149).]

«[...] mas o tratado [de Maastricht] continua a ser um pecado mortal a roer a consciência de muitos dos signatários, e um pesadelo, ainda mais cruciante, na alma indecisa dos restantes. Até nos regozijos avulsos pelos resultados desta segunda votação [a da Dinamarca], dos responsáveis credenciados e optimistas, de que as agências se fazem eco, mal se disfarça a sombra antecipada e melancólica de um epitáfio». [18.5.1993 (pág. 160).]

Ao fazer estas transcrições, move-me o desejo de prestar homenagem, não só a Franco Nogueira, mas também a uma das nossas maiores figuras literárias contemporâneas, se não a maior, há muito merecedora do Prémio Nobel e de uma consagração verdadeiramente nacional.

6. Em oportuno e sugestivo editorial, sob o título O Catedrático da Diplomacia, escreve José Pedro Castanheira que «o maior legado de Franco Nogueira para o futuro foi o da sua acção como diplomata, por certo mais relevante que a faceta de político ou que os seus trabalhos históricos, incluindo a notável biografia de Salazar».

Inclino-me eu, todavia, a colocar no mesmo plano essas três vertentes da vida de Franco Nogueira, tão indissoluvelmente ligadas entre si. E serão talvez os seus estudos e mensagens, em especial quando se debruçam sobre as nossas raízes e a nossa vocação de Povo e de Nação, que mais hão-de resistir à erosão dos tempos.





A monumental obra sobre Salazar, a História de Portugal (1933-1974), As Crises e os Homens, Diálogos Interditos, o diário Um Político Confessa-se e Juízo Final, patriótico livro de leitura e de meditação obrigatórias, constituem, entre outros, depoimentos de extraordinário mérito e de efectiva e real projecção histórica.

Eles irão perdurar na memória do futuro, não apenas pela ática beleza da forma, a meridiana limpidez do discurso, a tocante eloquência do verbo, o fio rectilíneo do raciocínio, mas sobretudo pela objectividade, profundidade e autenticidade das ideias e proposições e pela pura e inabalável fidelidade a Portugal – à sua História, ao seu Destino, à sua Missão na Europa e no Mundo.

E o nome de Alberto Marciano Gorjão Franco Nogueira será sempre lembrado e glorificado como o daqueles varões insignes que puseram a vida, em entrega luminosa e total, ao serviço dos altos «princípios», das excelsas «convicções», dos imprescritíveis «valores».

São dele estas palavras que, em jeito de testamento moral, deixou gravadas no pórtico do Juízo Final:  

«Agir com fé em função dos princípios que possui, das convicções que sente, dos valores em que acredita – eis o dever de todo o homem».

Franco Nogueira tinha sobeja autoridade para formular, bem pouco antes de partir, tão belo e forte imperativo, que foi lema ardente de toda a sua vida.

7. Não me seria possível dar, como se compreenderá, neste breve testemunho, uma ideia acabada da rica personalidade e da multímoda acção de Franco Nogueira.

Deixemos então que ele a si próprio se defina, em seu espírito e pensamento, nestas palavras com certo cunho messiânico que dirigiu aos jovens, aquando do seu exílio em Londres:

«Acreditem nas raízes portuguesas. Tenham fé em Portugal. A nação é a realidade suprema. No seu quadro se podem viver sonhos e realizar ambições. Fora da Nação, no cosmopolitismo ou internacionalismo, só poderá haver cidadãos diminuídos e subordinados a estrangeiros...»

«Nunca se tenham por vencidos; a derrota não é um facto, é um sentimento: dominado este, está destruído aquele. Animados pelo espírito de luta, nunca percam a esperança. E tudo isto ainda que hajam de enfrentar os sorrisos desdenhosos e apiedados das mentalidades que se têm por muito abertas, muito modernas, muito sofisticadas e muito superiores».




Ele, o Homem, o Estadista, o Pensador, sabia, como soubera Vieira, que «a fé olha para o futuro e os sentidos para o presente», como sabia que as Pátrias que negam o Passado e os Valores que as identificam e lhes dão superior sentido no espaço e no tempo, a si próprias se negam e não têm salvação.

Santa Maria de Lamas, 25 de Abril de 1994.


Nota da Organização. Após ter sido entregue o depoimento do Autor, foi o mesmo alterado, a seu pedido, em ordem a reduzi-lo e assegurar-lhe unidade intrínseca. Dos cortes feitos, todos a respeito da posição dos homens mais representativos da I República sobre o Ultramar Português, entendemos que, pelo seu significado, deveríamos reproduzir aqui, em rodapé, estas suas palavras: «Mas, para além de quanto disse sobre a posição dos primeiros republicanos a propósito do Ultimatum inglês de 1891 e da entrada de Portugal na I Grande Guerra (para não falar do pensamento e da acção do General Norton de Mattos), quero deixar registada esta afirmação do Dr. Afonso Costa, que acabo de reler na “Nota de Abertura” da revista Política de Junho de 1972: “Portugal não é um pequeno País. Os que sustentam isso esquecem as Províncias Ultramarinas que fazem, com o território metropolitano de Portugal, um todo uno e indivisível. E sobre o Português basta recordar o passado que, longe de ser um motivo para nada fazermos, deve constituir uma obrigação imperativa para agirmos. Não compreendo como se criou essa lenda de que o Português é contemplativo, sem qualidades de acção. Toda a nossa História diz o contrário”. Por isso se acrescentava avisadamente naquela “Nota de Abertura”: “Bom seria que os democratas portugueses, que se reclamam da herança do que foi o Chefe do Governo da I República, meditassem estas linhas, transcritas pelo jornalista brasileiro José Jobim, que o ouvia em Paris, já no exílio. Assim, para além das paixões partidárias, dos erros, das perseguições, de todo o cortejo de aspectos negativos (ao lado de inequívocas virtudes de chefia, decisão e lucidez) podemos encontrar no que foi, sem dúvida, o mais discutido e categorizado homem do parlamentarismo democrático, ressalvado o patriotismo, esse “patriotismo jacobino” que era constante nos homens do seu tempo e assentava no respeito pela integridade da Pátria”».

(In Embaixador Franco Nogueira [1918-1993] – Textos evocativos, Livraria Civilização Editora, 1.ª edição/Outubro 1999, pp. 229-235).